MAIS DO QUE AVALIAR POR COMPETÊNCIA CABE VALORIZAR A CAPACIDADE CRIADORA E EMPREENDEDORA

Ivo José Both

Resumo


A avaliação da aprendizagem vem sofrendo conotações e interpretações as mais diversas ao longo dos tempos. Agora, por exemplo, vem sendo visualizada a avaliação sob a ótica da competência. Não é que a questão da competência esteja constituindo novidade, no entanto, a sua percepção e valorização em nível da avaliação é que preconiza o novo. Procuramos, todavia, alargar os horizontes da avaliação, não permanecendo somente no nível da competência, mas juntando-lhe outros componentes como capacidade, habilidade e convivência. Autores há que permanecem no nível da competência e, no máximo, se valem da habilidade quando se trata de avaliação. No entanto, nós conseguimos perceber com bastante nitidez as diferenças, ainda que pequenas, entre competência, capacidade, habilidade e convivência, por isso mesmo, as valorizamos, com nítidos benefícios.

Texto completo:

PDF

Referências


BORDALLO, I. e GINESTET, J. P. Pour une Pedagogie du Projet. Paris:

Hachette. 1993.

BOTH, I. J., MATRAS, F. B.; RODRIGUES, S. F. Avaliação Institucional visa à Melhoria da Qualidade do Ensino: resgate da primeira experiência avaliativa da UEPG (1994/95). Anais - Curso de Mestrado em Educação/UFPR, Curitiba- PR (UFPR), 1999.

BOTH, I. J. Avaliação-Ensino e Institucional: investimento de qualidade no ensino. Mestrado em Educação, FURB-Blumenau-SC, v. 2, n. 7, p. 11-30, 1999.

BOTH, I. J. Avaliar a Universidade é Preciso: agente de modernização administrativa e da educação. Avaliação Institucional UNESCO UNB, Brasília-DF (UNB/UNESCO), v. 8, n. 8, p. 143-164, 1999.

BOTH, I. J. Avaliar o Ensino é Investir na Qualidade: uma questão de avaliação institucional. II Seminário de Pesquisa em Educação ANPED Região Sul UFPR, Curitiba-PR (UFPR), 1999.

BOTH, I. J. Avaliação-Ensino:ensino por excelência. Anais (em Cd Rom),

Florianópolis-SC (UFSC), 1998.

BOTH, I. J. Avaliação Institucional: agente de modernização administrativa e da educação. Avaliação, Campinas-SP: UNICAMP, v. 2, n. 3, p. 33-42, 1997.

BOTH, I. J. Avaliação Institucional: ato político de desenvolvimento universitário. Tempo da Ciência, Toledo-PR, v. 3, n.5, 1996.

BOTH, I. J., MARCOVICZ, M. T. A municipalização do ensino em processo

de avaliação. Publicatio UEPG, Ponta Grossa-PR (UEPG), p.71-84, 1995.

BOTH, I. J. Processo de Avaliação Institucional: agente de política universitária. Ensaio, Rio de Janeiro-RJ (CESGRANRIO), v. 3, n. 8, p. 253-262, 1995.

BOTH, I. J. Um processo de avaliação institucional. Caderno da PROGRAD, Ponta Grossa-PR (UEPG), n. 5, p. 1-79, 1994.

BOTH, I. J. Projeto de Ensino num Contexto de Planejamento Educacional. Caderno da PROGRAD, n. 4, p. 1-34, 1993.

BOTH, I. J.; BRUSTOLIN, C. M.; SOUZA, C. N. B.; DE, R. D. Tendências

de Encaminhamento do Processo Avaliativo da Aprendizagem no Ensino de Primeiro Grau. Guairacá, Guarapuava-PR, v. 10, p. 93-103, 1993.

BOTH, I. J. A Qualidade da Universidade passa -primeiro- pela Graduação: no âmbito de um projeto pedagógico. Caderno da PROGRAD, Ponta Grossa-PR (UEPG), n. 2, p. 1-59, 1992.

BOTH, I. J. A Questão da Avaliação Institucional. Caderno da PROGRAD,

Ponta Grossa-PR (UEPG), n. 1, p. 1-27, 1992.

BOTH, I. J. Da Verificação à Avaliação da Aprendizagem: processos antagônicos. Caderno da PROGRAD, Ponta Grossa-PR (UEPG), n. 3, p. 1-32, 1992.

CENTRA, J. A. A Utilização do Portfólio do Ensino e das Avaliações dos Estudantes na Avaliação Somativa. Journal of Higher Education. V. 65, n. 5, set./out. 1994.

CONSELHO de Reitores das Universidades Brasileiras. Melhoria e

Responsabilização: Navegando entre Cila e Caribdis. Manual de Avaliação Externa da Qualidade no Ensino Superior. Brasília, 1996. 188p. (Estudos e Debates 18).

DEFFUNE, D. e DEPRESBITERIS, L. Habilidades, uma questão de competências? Brasília: FAT/CODEFAT. 1996.

DELORS, J. et. al. Educação: um tesouro a descobrir. (Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI). Cortez Editora, UNESCO. MEC. 1999.

DEMO, P. Lógica e Democracia da Avaliação. Ensaio, Rio de Janeiro, v. 3, n. 8, jul./set. 1995.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação Institucional da UNICAMP: processo, discussão e resultados / José Dias Sobrinho (organizador). Campinas, SP: UNICAMP, 1994.

DUGUÉ, E. La Gestion des Compétences: les savoirs devalués, le pouvoir oculté. Sociologie du Travail. V. 24. France. 1994.

EDITORIAL. Brasil: sombras e Luzes. Porto Alegre: Zero Hora Digital. 2000. (www.zh.com.br).

EDITORIAL. O Papel do Professor. Porto Alegre: Zero Hora Digital. 2000.

(www.zh.com.br).

ESTUDOS 17. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: ABMES, ano 14, n. 17, dez. 1996.

GAGE, N. L. Handbook of research on teaching. Rand McNally, Chicago, 1971.

GOLDBERG, M. A. A. Avaliação e Planejamento Educacional: problemas

conceituais e metodológicos. Cadernos de Pesquisa, n. 7, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 1973.

GOMES ELLIOT, L. e FILIPECKI, A. T. Ensinando e Avaliando o Pensamento Crítico. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 3, n. 8, jul./set. 1995.

HOFFMANN, J. M. L. Avaliação e Construção do Conhecimento. Educação e Realidade, v. 16, n. 2, p. 53-8, 1991

KALAMAZOO COLLEGE The KALAMAZOO Portfolio: Show the world what

is important to you! [on line] Disponível na Internet via WWW. URL: http://www.kzoo.edu/admiss/portfolio.html. Michigan, 1997.

LEI de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. In: Estudos-Revista da ABMES. Brasília, ano 14, n. 17. Dez. 1996.

LITTO, F. M. Um modelo para prioridades educacionais numa sociedade de informação. Pátio, Ano I, n. 3, p. 15-21, Nov. 97/jan. 1998.

LUCKESI, C. C. Avaliação da Aprendizagem Escolar: estudos proposições. 8. ed., São Paulo: Cortez, 1998.

MASETTO, M. T. & ABREU, M. C. de. Planejar Pensando. Cadernos Brasileiros de Educação, São Paulo. 1986.

MORETTO, V. P. Avaliação da Aprendizagem na Era da Globalização. In.:

SANTOS, N. N. M. Avaliação: um novo enfoque. Ponta Grossa: Núcleo Regional de Educação, jun. 1999.

OLIVEIRA, D. P. T. de. A Prática do Professor em Avaliação: conservadorismo ou transformação. In.: Tecnologia Educacional. Rio de Janeiro, v. 20 (102-103): 39-42, set./dez. 1991.

PENNA FIRME, T. Avaliação: tendências e tendenciosidades. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, jan./mar. 1994.

PENNA FIRME, T. Avaliação de Inovações Educacionais. Avaliação Educacional: hora de fazer: Anais 1995 / Seminário Internacional de Avaliação da Educação, 16 a 18 de outubro de 1995. Brasília, DF: MEC / SEDIAE: Rio de Janeiro, RJ. Rio de Janeiro: Fundação CESGRANRIO, 1996.

TAVARES DE SOUZA, V. Avaliação da Aprendizagem. Simpósio Nacional sobre Avaliação Educacional: uma reflexão crítica (1993: Rio de Janeiro, RJ).

UNIVERSIDADE de Brasília e Instituto de Educação Superior de Brasília. Curso de Especialização e Educação Continuada em Avaliação Institucional a Distância. Mapa 4.01. 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v2i4.3928

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat