A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM ESCOLAS REGULARES: TRAMAS E DRAMAS DO COTIDIANO ESCOLAR

Katia Regina Moreno Caiado, Larissa de Souza Martins, Nicole Dragone Rosseto Antonio

Resumo


O objetivo desta pesquisa é contribuir com a reflexão sobre a formação de professores para atuarem com alunos deficientes nas séries iniciais do ensino fundamental e refletir sobre as práticas pedagógicas desenvolvidas nas denominadas classes inclusivas. Os dados empíricos foram construídos com fontes orais. Realizamos 102 entrevistas com professores que atuam nas séries iniciais do ensino fundamental, em sala regular de instituições de ensino regular, públicas ou privadas. Para análise e discussão dos dados utilizamos fontes bibliográficas e ISSN 1518-3483 Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 9, n. 28, p. 621-632, set./dez. 2009 Licenciado sob uma Licença Creative Commons 622 CAIADO, K. R. M.; MARTINS, L. de S.; ANTONIO, N. D. R. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 9, n. 28, p. 621-632, set./dez. 2009 documentais, tais como: revisão bibliográfica, legislação, documentos de organismos nacionais e internacionais que abordam a temática em estudo. Assim, trabalhamos com eixos temáticos definidos a partir dos objetivos da pesquisa e dos conteúdos que emergiram das fontes. O foco deste trabalho é a formação do professor para atuar nas denominadas “classes inclusivas”. Nessa direção, organizamos dados referentes ao ano letivo de 2006 sobre: 1. o número de alunos com deficiência matriculados em cada escola; 2. o tipo de deficiência; 3. o tipo de serviço de apoio educacional especializado existente na escola; 4. a formação do professor, inicial e continuada; 5. o tempo de magistério; 6. o tempo de magistério em salas “inclusivas”; 7. as práticas pedagógicas nas salas “inclusivas”; 8. as sugestões dos professores referentes à construção de uma escola inclusiva. Os resultados revelam: um significativo aumento de alunos com variados tipos de deficiências frequentando salas do ensino regular; um clamor dos professores por formação centrada no processo de ensino-aprendizagem; as condições desfavoráveis de trabalho docente e vivência escolar.

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, P. A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 1997.

BRASIL. Plano Nacional de Educação. Brasília: Ministério da Educação, 2001. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2008.

______. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: Ministério da Educação, 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2008.

CAIADO, K. R. M.; MARTINS, L. S.; ANTÔNIO, N. D. R. A formação do professor para educação especial no ensino superior: tema em debate. In:

CONGRESSO PAULISTA SOBRE FORMAÇÃO DE EDUCADORES, 9., 2007, São Paulo. Livro Eletrônico... São Paulo: UNESP, 2007. p. 96-102. CD-ROM.

CHAUÍ, M. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2006.

DIEGUEZ, F. Professores, elo frágil da educação. Estudos Avançados, São Paulo, v. 21, n. 60, p. 105-113, 2007.

MICHELS, M. H. Práticas de ambigüidades estruturais e a reiteração do modelo médico-psicológico: a formação de professores de educação especial na UFSC. In: BUENO, J. G. S.;

MENDES, G. M. L.; SANTOS, R. A. Deficiência e escolarização: novas perspectivas de análise. Araraquara, SP: Junqueira & Marin; Brasília: Capes, 2008. p. 9-47.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência, aprovada pela Assembléia Geral da

ONU, dezembro de 2006. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2008.

SAVIANI, D. A pedagogia no Brasil: história e teoria. Campinas: Autores Associados, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v9i28.3349

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat