A GESTÃO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR

Maria Isabel da Silva Leme

Resumo


O trabalho analisa o desafio enfrentado atualmente pelos educadores brasileiros, a saber, o crescimento da violência escolar, constatado em várias pesquisas. Neste sentido, a evolução da violência escolar é focalizada em primeiro lugar, desde os primeiros registros de seu crescimento, que despertou a atenção dos pesquisadores, logo após a redemocratização brasileira, até dados mais recentes dos anos 2000. Em segundo lugar, o fenômeno é caracterizado em termos das suas formas de manifestação mais frequentes, que também têm variado ao longo da sua evolução, passando da depredação do patrimônio, inicialmente a transgressão mais frequente, para violências contra a pessoa. São também abordadas as variáveis já identificadas pelas pesquisas como associadas à manifestação da violência escolar, como, por exemplo, porte da cidade, tamanho do estabelecimento, desigualdade social, etc. Esta panorâmica permite observar, além do crescimento constante nos índices de violência escolar, a sua disseminação, e também, o agravamento do problema, em virtude das formas de manifestação terem se tornado cada vez mais explícitas e pessoais. Ante essa situação, é discutida a gestão da violência escolar, desde as políticas públicas já ISSN 1518-3483 Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 9, n. 28, p. 541-555, set./dez. 2009 Licenciado sob uma Licença Creative Commons 542 LEME, M. I. da S. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 9, n. 28, p. 541-555, set./dez. 2009 implementadas pelas administrações centrais até o que pode ser feito no âmbito da escola. Nesta perspectiva, discute-se as novas demandas que a violência na escola traz, não só para o diretor escolar, mas para todos os integrantes da comunidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, M. Entrevista ao e.educacional. 2004. Entrevista concedida a Diogo Dreyer. Disponível em: . Acesso em: 2 set. 2006.

ABRAMOVAY, M. et al. Juventude, violência e vulnerabilidade social na América Latina. Brasília: Unesco, 2002.

ALVES, R. As escolas em bairros com altas taxas de violência: a visão dos professores. In: RUOTTI, C.; ALVES, R.; CUBAS, V. O. (Org.). Violência na escola: um guia para pais e professores. São Paulo: ANDHEP/Imprensa Oficial, 2006. p. 109-147.

CAMACHO, L. M. Y. As sutilezas das faces da violência nas práticas escolares de adolescentes. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 27, n. 1, p. 123-140, 2001.

CORREA, D. M. Avaliação das políticas públicas para a redução da violência escolar em Minas Gerais: o caso do projeto Escola Viva, Comunidade Ativa. 2007. 160 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

DE SOUSA, E. R.; RIBEIRO, J. Bullying and sexual harassment among Brazilian high school students. Journal of Interpersonal Violence, Thousand Oaks, v. 9, n. 20, p. 1018-1038, 2005.

DICE, P. et al. The health behavior in school aged children bullying working group. Bullying and symptoms among school aged children: international comparative cross sectional study in 28 countries. European Journal of Public Health, Oxford, v. 15, n. 2, p. 128-132, 2005.

DOMINGOS, B. Escola e violência: configurações da violência escolar segundo alunos, professores, pais e moradores da comunidade. 2005. 356 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

ESLIA, M. et al. Friendship and loneliness among bullies and victims: data from seven countries. Aggressive Behavior, Hoboken, v. 30, n. 1, p. 71-83, 2004.

FANTE, C. Fenômeno bullying: estratégias de intervenção e prevenção da violência entre escolares. São José do Rio Preto, SP: Ativa, 2003.

GONÇALVES, L. A.; SPOSITO, M. P. Iniciativas públicas de redução da violência escolar no Brasil. Cad. Pesqui., São Paulo, n. 115, p. 101-138, 2002.

LEME, M. I. S. Convivência, conflitos e educação nas escolas de São Paulo. São Paulo: ISME, 2006.

LIBERAL, E. F. et al. Escola segura. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, n. 81, p. 155-163, 2005.

NAMO DE MELLO, G.; ATHIÉ, L. Gestão escolar eficaz. 2003. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2008.

NEWMAN, M. L.; HOLDEN, G. W.; DELVILLE, Y. Isolation and the stress of being bullied. Journal of Adolescence, Amsterdam, v. 28, n. 3, p. 343-357, 2005.

RUOTTI, C. Prevenção da violência escolar. In: RUOTTI, C.; ALVES, R.; CUBAS, V. O. (Org.). Violência na escola: um guia para pais e professores. São Paulo: Imprensa Oficial, 2006. p. 209-228.

SAVIANI, D. Papel do diretor de escola numa sociedade em crise. In: ______. Educação: do senso comum à consciência filosófica. Campinas: Autores Associados, 2000. p. 207-210.

SPOSITO, M. Um breve balanço da pesquisa sobre violência escolar no Brasil. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 27, n. 1, 87-103, 2001.

TOBLIN, R. L. et al. Social-cognitive and behavioral attributes of aggressive victims of bullying. Journal of Applied Developmental Psychology, Amsterdam, v. 26, n. 3, p. 329-346, 2005.

VIENSTRA, R. et al. Bullying and victimization in elementary schools; a comparison of bullies, victims, bullies/victims and uninvolved adolescents. Developmental Psychology, Washington, v. 41, n. 4, p. 672-682, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v9i28.3322

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat