A EXPERIÊNCIA DAS CLASSES-PILOTO ORGANIZADAS PELO GEEMPA, AO TEMPO DA MATEMÁTICA MODERNA

Maria Cecília Bueno Fischer

Resumo


O texto aborda o estudo, em desenvolvimento, da experiência realizada nas classes-piloto, organizadas pelo Grupo de Estudos sobre o Ensino da Matemática de Porto Alegre – GEEMPA, em 1972. O estudo investiga a experiência realizada nessas classes e, por meio de procedimentos envolvendo documentos orais e escritos, procura analisar as práticas desenvolvidas que, segundo se sabe, marcaram a história da Educação Matemática nas escolas de Porto Alegre. Este estudo integra a pesquisa que busca traços dos cotidianos escolares deixados por professores, durante um tempo que correspondia a um movimento internacional de renovação do ensino da matemática. A metodologia da pesquisa transita entre a pesquisa documental e a história oral, dado que as fontes são professoras das classes e os arquivos do GEEMPA, onde se encontram documentos relativos ao planejamento e desenvolvimento de tais classes, entre outros. Até o momento, pelos depoimentos das professoras, pode-se verificar que a experiência representou uma importante contribuição, tanto na formação docente como na dos alunos das classes. A investigação busca responder a algumas questões: como a escola acolhia a experiência, realizada numa de suas classes? Como era a relação com as demais turmas da mesma série? Foi possível socializar os resultados da experiência com outras turmas e escolas de Porto Alegre ou do Estado? Como é que se desenvolveu uma experiência tão positiva – numa análise preliminar – quando o Movimento da Matemática Moderna já dava sinais de fracasso mundialmente?

Texto completo:

PDF

Referências


BÜRIGO, Elizabete Zardo. Movimento da matemática moderna no Brasil:

estudo da ação e do pensamento de educadores matemáticos nos anos 60. 1989.208 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 1989.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Tradução de Maria de Lourdes

Menezes. Rio de Janeiro,RJ: Forense Universitária, 1982.

DIENES, Z. P. As seis etapas do processo de aprendizagem em matemática.Tradução de Maria Pio de Macedo Chartier e René François Joseph Chartier. São Paulo,SP: Helder, 1972.

FISCHER, Beatriz T. Daudt. Professoras: histórias e discursos de um passado presente. Pelotas: Seiva, 2005.

GOODSON, I. Dar voz ao professor: as histórias de vida dos professores e o seu desenvolvimento profissional. IN: NÓVOA, A. (Org.) Vida de professores.Porto, Portugal: Porto, 1995. p. 63-78.

GROSSI, Esther Pillar. O GEEMPA, uma vivíssima ONG. Em Aberto. Brasília, v. 14, n.62, p. 97-99, abr./jun. 1994.

______. Uma arqueologia dos saberes do Geempa. Revista GEEMPA (35

anos). Porto Alegre, n. 10, p. 11-39, set. 2005.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História & História Cultural. 2.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

ROCHA, Ana Luiza Carvalho da. GEEMPA 30 anos. Publicação Especial. Porto Alegre: [s.n.], 2000.

VALENTE, Wagner Rodrigues. A matemática na escola: um tema para a história da educação. In: MOREIRA, Darlinda; MATOS, José Manuel. (Orgs.). História do Ensino da Matemática em Portugal. Lisboa: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação, 2005a. p. 21-32.

______. A Matemática Moderna nas escolas do Brasil: um tema para estudos históricos comparativos. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 5., 2005. Actas... Porto, Portugal: Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, 2005b. CD-ROM.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v6i18.3319

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat