ECOEDUCAÇÃO: um desafio permanente

Sérgio R. Junqueira

Resumo


A Educação é um desafio permanente, seja por questões da política de organização e operacionalização, seja pelo desenvolvimento das questões relacionadas ao ensino aprendizagem. O pensar e o atuar na área da educação tornam-se um convite a um envolvimento num estar em movimento (“EDUCERE”). Com o avanço das técnicas, da complexidade da sociedade, novas variáveis estão sendo acentuadas, sobretudo no que se refere ao TEMPO e ao ESPAÇO. O movimento da educação ocorre em contextos diversificados, tanto no espaço (“OIKOS”) concreto, como no virtual. Queremos propor uma reflexão a partir do movimento que ocorre em espaços diferentes, que subsidiem a discussão sobre a formação do pedagogo para este novo tempo, para que se supere a perspectiva de profissionais tarefeiros, dando lugar a indivíduos que assumam com maior intensidade uma ação-reflexiva capaz de real intervenção pedagógica, de maneira privilegiada no campo da escola. São destes pressupostos que nasce o termo ECOEDUCAÇÃO1, ou a provocação, fazendo com que o pedagogo assuma o movimento como característica de sua ação, de modo que esta seja operacionalizada nos diversos espaços dentro da sociedade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, G. Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional. 1999. Brasília: Mimeo.

CARNEIRO, M. LDB – leitura crítico-compreensiva. 1998. Petrópolis: Vozes.

CASTRO, C. O momento atual da educação e a LDB. 1997. Brasília: Mimeo.

FULLAN, M – HARGREAVES, A. A escola como organização aprendente. Buscando uma educação de qualidade. 2000. Porto Alegre: ARTMED.

GUTIÉRREZ, F. Ecopedagogia e cidadania planetária. 1999. São Paulo: Autores Associados.

HERNÁNDEZ, F. (Org.). Aprendendo com as inovações nas escolas. 2000. Porto Alegre: ARTMED.

IMBERNÓN, F. (Org.). A educação no século XXI. 2000. Porto Alegre: ARTMED.

KULLOK, M. Formação de professores para o próximo milênio: novo lócus? 2000. São Paulo: Annablume.

MACHADO, N. Anotações sobre o Seminário – Ensino Médio da ABEC. 2000. Campinas: Mimeo.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DESPORTO. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1997. Rio de Janeiro: Qualitymark.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Proposta de Diretrizes para a formação inicial de professores da Educação básica em cursos de nível superior. 2000. Brasília: MEC.

MORAES, W. E a lei sai da gaveta, in: “VISÃO” 19(1993)52.

PRELLEZO, J. – NANNI, C. –MALIZIA, G. (Org.). Dizionario di Scienze

dell’Educazione. 1997. Torino: Elle Di CI – SEI.

SACRISTÃ, J. Consciência e ação sobre a prática como libertação profissional dos professores. 1991. Porto: Porto.

SANCHO, J. O Currículo e os temas transversais: misturar água e azeite e ou procurar uma nova solução? In: “PÁTIO” 2(1996)5.

SCHÖEN, D. Educando o profissional reflexivo, um novo design para o ensino e a aprendizagem. 2000. Porto Alegre: ARTMED.

TERRIE, A. Trabalho docente. Uma incursão no imaginário social brasileiro. 1998. São Paulo: EDUC.

TORRES, C. (Org.). Educação, poder e biografia pessoal. Diálogos com educadores críticos. 2000. Porto Alegre: ARTMED.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v1i2.3265

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat