A EDUCAÇÃO NO TEMPO DA ÉTICA - Conexões entre Paradigmas Divergentes

Deoclécio Antonio Scherer

Resumo


A ética é a prática de reconciliação do homem consigo mesmo, tanto quanto com os outros. Por isso Sócrates (469-399 a.C.), “o mais sábio dos homens” segundo o oráculo de Delfos e o primeiro grande filósofo moralista do ocidente, sustentava em seus ensinamentos o dístico existente no frontispício do templo dedicado a Apolo: “Conhece-te a ti mesmo”. Agia assim movido pela convicção de que os deuses não sofriam das paixões humanas e que o homem, ao conhecer-se, saber-se-ia unido àqueles e, portanto, liberto de seus tormentos. Não é sem motivo, pois, que Aristóteles (384-322 a.C), herdeiro indireto da filosofia socrática, afirmava1 que a ética deveria investigar o referencial de escolha para a emoção e a ação, através do uso da reta razão.

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. 2.ª ed., Brasília, Edunb, 1992.

MARITAIN, Jaques. A Filosofia Moral. 2ª ed., Rio de Janeiro, Agir, 1973, p.52.

MORAES, João Quartin de. O Liceu e o Jardim: Eudaimonismo e Hedonismo. Boletim do CPA. Campinas, Unicamp, Ano III, n. 5/6, Jan/dez 1998, p. 98.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. 2ª ed., Brasília, Edunb, 1992, p.21.

Idem Ibidem

Idem p. 22

Idem p. 23

Idem p. 26

Idem p. 20

Idem ibidem

Idem ibidem

Idem ibidem

SÁNCHEZ VÁZQUEZ, Adolfo. Ética.18ª ed., Rio de Janeiro, Civilizações Brasileira,1998, p.12

A associação da “excelência moral”com “phrônesis” vai sendo estabelecida ao longo da reflexão de

Aristóteles, num trabalho progressivo de aproximação.

A nosso ver “prudência” e “discernimento” são termos associados na tradução de “phrônesis”: como vemos na É tica a Nicômaco, discernimento é, para Aristóteles, o meio termo por excelência, ou seja,

a capacidade de discernir entre os excessos, entre os vícios, e, agindo assim, a pessoa torna-se prudente. Além do que a “phrônesis” , como discernimento, aproxima a excelência moral da excelência intelectual, que, conquanto distintas, não são inconciliáveis, visto que tanto a orientação ética é racional quanto o Bem Supremo em Aristóteles é a Vida Contemplativa.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. 2ª ed., Brasília, 1992, p. 41

Ao discutir o Bem Supremo, Aristóteles à vezes relaciona felicidade-prazer (hedonismo), às felicidade sofrimento ascetismo), visando demonstrar (especialmente nos Livros II e X) que a felicidade não é

nem uma nem outra coisa.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. 2ª ed., Brasília, 1992, p.41

Idem Ibidem




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v1i1.3247

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat