A estética na formação de professores

Adair de Aguiar Neitzel, Carla Carvalho

Resumo


Esta pesquisa aborda questões relacionadas à formação estética do professor. Partiu-se da hipótese de que a formação estética interfere na sua forma de agir em sala de aula, pois possibilita um olhar mais sensível aos problemas educacionais. Esta pesquisa investigou junto aos professores dos anos iniciais da rede municipal do Balneário Piçarras (SC), Brasil, como a sua participação em encontros de formação estética por meio das artes interferiu no seu fazer pedagógico. O objetivo geral foi analisar o impacto das atividades de formação estética promovidas na formação continuada de professores na sua prática pedagógica, utilizando a abordagem qualitativa. Na coleta dos dados, propuseram-se três ações: a) análise dos documentos norteadores do projeto; b) aplicação de um instrumento para delinear o perfil dos professores; c) aplicação de questionários aos professores. Esses dados demonstraram que, por meio do ensino de arte, houve contribuições no campo do conhecimento, sendo que 50% indicaram mudanças no currículo e 100%, no repertório. Ainda, 90% evidenciaram que as vivências artísticas favoreceram a construção de novas estratégias, possibilidades e subsídios para as atividades realizadas em sala de aula.

Texto completo:

PT EN

Referências


BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2013.

CARVALHO, C.; BUFREM, L. Arte como conhecimento/saber sensível na formação de professores. In: SCHLINDWEIN, L. M.; SIRGADO, A. P. Estética e pesquisa: formação de professores. Itajaí: Univali, 2006. p. 47-62.

DAYRELL, J. (Org.). Múltiplos olhares sobre a educação e a cultura. Belo

Horizonte: UFMG, 1996.

DUARTE Jr., J. F. O sentido dos sentidos: a educação (do) sensível. Curitiba: Criar, 2001.

JAEGER, W. W. Paidéia: a formação do homem grego. Trad. Artur M. Parreira. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

JOLY, I. Z. L. Educação e educação musical: conhecimentos para compreender a criança e suas relações com a música. In: HENTSCHKE, L.; DEL BEN, L. (Org.). Ensino de música: propostas para pensar e agir em sala de aula. São Paulo: Moderna, 2003. p. 113-126.

NEITZEL, A. A.; CARVALHO, C. Estética e arte na formação do professor de educação básica. Revista Lusófona de Educação, Lisboa, v. 17, n. 17, p. 103-121, jan./abr. 2011.

NEITZEL, A. A.; FERRI, C. Formação continuada para professores da educação básica: metodologia do currículo integrado e laboratório de vivências pedagógicas. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, DF, v. 92, n. 230, p. 52-69, jan./abr. 2011.

NÓVOA, A. Diz-me como ensinas, dir-te ei quem és e vice-versa. In: FAZENDA, I. C. A. (Org.). A pesquisa em educação e as transformações do conhecimento. Campinas: Papirus, 1995. p. 29-41.

OLIVEIRA, S. R. R. Sobre leitura de imagens. In: ZANELLA, A. V. et al. (Org.). Educação estética e constituição do sujeito: reflexões em curso. Florianópolis: UFSC, 2007. p. 37-55.

PEIXOTO, M. I. H. Arte e grande público: a distância a ser extinta. Campinas: Autores Associados, 2003.

PORTAL, L. L. F.; FRANCISCONE, F. Contribuições da educação continuada na construção da inteireza dos docentes da educação superior. Educação, v. 30, n. 3, p. 557-569, set./dez. 2007.

ROCHA, R. Este admirável mundo louco. Ruth Rocha, Histórias, 2011.

Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2011.

ROSE, D. Análise de imagens em movimento. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 343-364.

SCHAFER, R. M. O ouvido pensante. Trad. Marisa Trench de O. Fonterrada, Magda R. Gomes da Silva e Maria Lucia Pascoal. São Paulo: Unesp, 1991.

VEIGA, I. P. A. (Org.). Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. 26. ed. Campinas: Papirus, 2009.

VIGOTSKI, L. S. Psicologia da arte. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

ZIBETTI, M. L. T.; SOUZA, M. P. R. Apropriação e mobilização de saberes na prática pedagógica: contribuição para a formação de professores. Educação e Pesquisa, v. 33, n. 2. p. 247-262, maio/ago. 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.13.040.DS10

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat