“Não estou preparado”: a construção da docência na educação inclusiva

Ana Cláudia Lopes Chequer Saraiva

Resumo


A inclusão escolar de alunos com necessidades especiais nos sistemas regulares de ensino é uma conquista dos movimentos sociais em prol de grupos marginalizados. Documentos nacionais e internacionais legislam sobre o arcabouço de recursos necessários para a concretização da premissa inclusiva, inclusive no que tange à formação dos docentes, haja vista as especificidades decorrentes da prática educativa com uma clientela especial. Nesse contexto, desenvolvemos uma pesquisa em que se buscou investigar o processo de formação dos professores que atuam em salas regulares na perspectiva de inclusão de alunos especiais. Utilizou-se como instrumento para coletas de dados entrevistas semiestruturadas com três professoras das séries iniciais do ensino fundamental de uma escola estadual do município de Viçosa, MG. A pesquisa apresentou os seguintes resultados: a carência de saberes teóricos, conceituais e de estratégias relacionadas ao processo de ensino e à aprendizagem de alunos com necessidades especiais; a concretização de práticas docentes intuitivas, fundamentadas na experiência cotidiana; a falta de incentivo à busca permanente de formação associada à existência de práticas docentes individualizadas; atitudes de resistências ao trabalho com alunos especiais; e a justificativa de ausência de investimento, por parte do profissional, alicerçada na não efetivação de políticas públicas direcionadas à formação de docentes para trabalharem na perspectiva da inclusão.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 23 dez. 1996. p. 27833. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2009.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB n. 2, de 11 de setembro de 2001. Institui as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC/SEESP, 2001. Disponível em: . Acesso em: 16 dez. 2009.

DECLARAÇÃO de Salamanca sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais. 1994. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2006.

GAUTHIER, C.; MARTINEAU, S. Imagens de sedução na pedagogia: a sedução como estratégia profissional. Educação Social, v. 20, n. 66, p. 13 54, 1999.

MANTOAN, M. T. E. O direito de ser, sendo diferente, na escola. R. CEJ, n. 26, p. 36-44, 2004.

MENDES, S. R. A Formação continuada de professores e o desafio de romper com os modelos padronizados. In: REUNIÃO DA ANPED, 25., 2002, Caxambu. Anais... Caxambu: GT 8, 2002. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2008.

MIZUKAMI, M. G. Casos de ensino e aprendizagem profissional da docência. In: ABRAMOWICZ, A., MELO, R. R. (Org.). Educação: pesquisa e práticas. Campinas: Papirus, 2000. p. 139-161.

NÓVOA, A. Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

NÓVOA, A. Diz-me como ensinas, dir-te-ei quem és e vice-versa. In: FAZENDA, I. A. (Org.). A pesquisa em educação e as transformações do conhecimento. 3. ed. Campinas: Papirus, 2001. (Coleção Práxis).

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v10i31.2470

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat