O caráter simbólico e prático da formação permanente para professores

Maria da Conceição Carrilho de Aguiar

Resumo


Este estudo traz uma discussão sobre a formação permanente de professores. Trata-se de uma pesquisa de cunho qualitativo, com enfoque na teoria das representações sociais, e teve como objetivo compreender o que pensam e o que sugerem os professores sobre formação permanente. Para captar esses sentidos, foi aplicado um questionário a sessenta e dois (62) professores que lecionam desde educação básica ao ensino superior nas redes pública e privada. As respostas às questões propostas foram analisadas com o apoio do software Alcaster®, cuja função é filtrar o essencial da mensagem contida em um texto. As análises apontam que as ações de formação não devem ser planejadas de forma isolada, uma vez que os professores são sujeitos ativos desse processo de construção pessoal e profissional. As representações sociais são, pois, um misto das ideias e crenças que os professores acumularam sobre o trabalho que desenvolvem e a formação permanente que buscam e que recebem, associam-se ao sentimento e à consciência de pertencerem a um grupo, de serem profissionais que interagem com o meio e os outros. Este estudo vem, portanto, confirmar a relevância da teoria das representações sociais como ferramenta apropriada para compreender os objetos educacionais como um todo e a formação dos professores, em particular.

Texto completo:

PDF

Referências


AMIGUINHO, A. J. M. Viver a formação, construir a mudança. Lisboa:

Educa, 1992.

CANÁRIO, R. Educação de adultos: um campo e uma problemática. Lisboa:Educa, 1999.

CARAMELO, J.; TEERASÊCA, M.; PACHECO, N. Formar/formar-se que

estratégias? In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE FORMAÇÃO DE

PROFESSORES NOS PAÍSES DE LÍNGUA E EXPRESSÃO PORTUGUESA,

, 1997, Porto. Texto policopiado... Porto: [s.n.], 1997. p. 1-10.

COELHO, N. N. Literatura: arte, conhecimento e vida. Petrópolis: Vozes, 2000.

ESTEVE, J. M. Mudanças sociais e função docente. In: NÓVOA, A. (Org.).

Profissão professor. Porto: Porto, 1995. p. 93-124.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

GHIGLIONER, R.; MATALON, B. O inquérito: teoria e prática. Oeiras: Celta, 1997. JODELET, D. Reprèsentation sociale: phenomênes, concep et theories. In: MOSCOVICI, S. (Coord.). Psichologie sociale. Paris: PUF, 1984. p. 357-378.

______. As representações sociais. Tradução de Lilian Vlup. Rio de Janeiro: Ed. da UERJ, 2001.

LUNA, S. V. de. O falso conflito entre tendências metodológicas. In: FAZENDA,I. C. A. (Org.). Metodologia da pesquisa educacional. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1994. p. 23-33.

MAGALHÃES, A. M. Nem todos podem ser doutores?! Porto: Profedições, MOSCOVICI, S. A representação social da psicanálise. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

NÓVOA, A. Os professores - Quem são? Donde vêm? Para onde vão? In: STOER, S. (Org.). Educação, ciências sociais e realidade portuguesa: uma abordagem Pluridisciplinar. Porto: Afrontamento, 1991. p. 59-130.

PACHECO, N. A. Interculturalismo e formação de professores. In: MILICE, S.; ANGELINA, C. (Org.). Interacção cultural e aprendizagem: correspondência escolar e classes de descobertos. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997.p. 86-97.

PLACCO, V. M. N.; SILVA, S. H. S. da. A formação do professor: reflexões, desafiose perspectivas. In: CHRISTOV, L. H. da S.; ALMEIDA, L. R. de.; BRUNO, E.B. G. (Org.). O coordenador pedagógico e a formação docente. 3. ed. SãoPaulo: Loyola, 2002. p. 25-32.2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v10i30.2428

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat