Celebrações do saber: exames finais nas escolas da região colonial italiana, Rio Grande do Sul, 1875 a 1930

Terciane Ângela Luchese

Resumo


Resultado de pesquisa institucional sobre o processo escolar entre imigrantes italianos e seus descendentes, este artigo apresenta uma análise dos momentos de exames finais como elemento importante para pensarmos as práticas educativas e avaliativas. A partir de indícios documentais diversificados, o recorte espacial abrange a chamada região colonial italiana do Rio Grande do Sul (antigas colônias Dona Isabel, Caxias e Conde d’Eu). A análise privilegia o período de 1875 a 1930 e o referencial teórico-metodológico utilizado foi o da História Cultural. No cumprimento do calendário escolar um dos principais momentos, ao final do ano letivo, era o dos exames finais. Estes se constituíam no momento ápice da avaliação escolar. Eram celebrados e em torno de sua realização havia um ritual de relações de poder evidenciado pelos diversos registros – fotográficos, atas, jornais que publicavam os resultados e todo o conjunto de atividades de permeavam o ritual dos exames. Quem compunha a comissão examinadora? Por quem eram nomeados? Como procediam na aplicação dos exames? Quais os conhecimentos exigidos/valorizados? Como os professores preparavam a turma para os exames finais? O que eles dimensionam das relações de poder, das culturas escolares? Premiações, almoços festivos, que outros momentos eram preparados após os exames? Estas e algumas outras questões são o cerne deste estudo produzido a partir de fontes historiográficas diversificadas como relatórios, mapas de freqüência, correspondências diversas, cadernos de chamada, atas, jornais e fotografias. O estudo procura contribuir para o conhecimento da história da educação brasileira, considerando a multiplicidade cultural e étnica da Região.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMI, J. S. História de Caxias do Sul: 1877 a 1967. Porto Alegre: EST, 1981.

BENCOSTTA, M. L. A. (Org.). Culturas escolares, saberes e práticas educativas: itinerários históricos. São Paulo: Cortez, 2007.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes do fazer. Petrópolis: Vozes, 1994. v. 1.

FARIA FILHO, Luciano Mendes de. Dos pardieiros aos palácios: cultura escolar e urbana em Belo Horizonte na Primeira República. Passo Fundo: UPF, 2000.

FARIA FILHO, L. M. de. Escolarização e cultura escolar no Brasil: reflexões em torno de alguns pressupostos e desafios. In: BENCOSTTA, M. L. A. (Org.). Culturas escolares, saberes e práticas educativas: itinerários históricos. São Paulo: Cortez, 2007. p. 191- 211.

FARIA FILHO, L. M. de. Escolarização, culturas e práticas escolares no Brasil: elementos teórico-metodológicos de um programa de pesquisa. In: LOPES, A. C.; MACEDO, E (Org.). Disciplinas e integração curricular: história e políticas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 13-36

FARIA FILHO, L. M. de. O processo de escolarização em Minas Gerais: questões teórico-metodológicas e perspectivas de pesquisa. In: FONSECA, T. N. L.; VEIGA, C. G. (Org.). História e Historiografia da Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. p. 77-98.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Org. e trad. Roberto Machado. Rio de

Janeiro: Edições Graal, 1979.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

GASPERIN, A. Vão Simbora: relato de imigrantes italianos da Colônia Princesa Dona Isabel do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EST; Caxias do Sul: Educs, 1984.

KREUTZ, L. A educação de imigrantes no Brasil. In: LOPES, E. M. T. er al. (Org.). 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. p. 347-370.

KREUTZ, L. Escolas étnicas de imigrantes no Cone Sul: amplo repertório de fontes de pesquisa, ainda não trabalhados. In: SCHELBAUER, A. R; LOMBARDI, J. C.; MACHADO; M. C. G. (Org.). Educação em debate: perspectivas, abordagens, historiografia. Campinas: Autores Associados, 2006. p. 349-371.

KREUTZ, L. Imigrantes e projeto de escola pública no Brasil: diferenças e tensões culturais. In: SOCIEDADE BRASILEIRA DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO (Org.). Educação no Brasil: história e historiografia. Campinas: Autores Associados, 2001.

LUCHESE, T. A. O processo escolar entre imigrantes na região colonial italiana do Rio Grande do Sul, 1875 a 1930. Leggere, scrivere e calcolare per essere alcuno nella vita. 2007. Tese (Doutorado em Educação) — Universidade do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2007.

LUCHESE, T. Â. Relações de poder: autoridades regionais e imigrantes italianos nas colônias Conde d’Eu, Donas Isabel, Caxias e Alfredo Chaves, 1875 a 1889. Curitiba: CRV, 2009.

SOUZA, R. F. de. Templos de Civilização: a implantação da escola primária graduada no Estado de São Paulo (1890 a 1910). São Paulo: Editora Unesp, 1998.

VIDAL, D. G. Culturas Escolares: estudo sobre práticas de leitura e escrita na escola pública primária (Brasil e França, final do século XIX). Campinas: Autores Associados, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.14.041.AO03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat