Continuing teachers formation: the partnership between university and school to leadership and the recognition of teaching work

Mari Margarete dos Santos Forster, Tatiane Costa Leite

Resumo


University and school have rehearsed some experiences in partnership towards a more qualified teacher training. The research group has been experimenting this since 2001 through various investigative projects. The object of study is the initial and continuing training of teachers, reflecting on the knowledge produced in the practice of the craft of these professionals. Investigations have ethnographic character, are qualitative, highlighting the critical action-collaborative research; make use of discussion groups, records of experiences, documentary analysis, observation and interviews. Findings of the research: university and school spaces are rich in contradictions; subjects that take part in there have what to say, produce knowledge that need to be recorded, valued, publicized; the way how institutions work can be facilitators or cause difficulties on learning and professional development; professionals graduate in their workspace and change it; dialogue and reflection are presented as primordial in achieving learning spaces; shared spaces for reflection and questioning facilitate the professional development process, are formative and can result in professional learning; the continued educational work and the identification of its benefits to the classes and the students favor learning and professional development; the positive and purposeful welcoming from directive team to the teacher's work, listening and valuing it favors the development of professionals learning; change of representations and discourses of teachers may be accompanied by changes in teaching practices and the partnership University/ College/University may maximize more qualified teaching actions.

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, J. G. (Org.). Autoridade e autonomia na escola. São Paulo: Summus, 1999. Continuing teachers formation

BARBIER, R. A pesquisa-ação. Brasília: Plano, 2002. (Série Pesquisa em Educação, v. 3).

BARROSO, J. Trajetórias e perspectivas da formação de educadores. São Paulo: Ed. da Unesp, 2004.

BARROSO, J.; CANÁRIO, R. Centros de formação das associações de escolas: das expectativas às realidades. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1999.

BEHRENS, M. A. O paradigma emergente e a prática pedagógica. Petrópolis: Vozes, 2005.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Lisboa; Rio de Janeiro: Difel; Bertrand Brasil, 1989.

BRANDÃO, C. R. Pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1982.

CABRERA, F. A. Evaluación de la formación. Madrid: Síntesis, 2000.

CANÁRIO, R. O professor entre a reforma e a inovação. Acervo Digital Unesp. 1999. Available at:

/1/u1_d27_v2_t05.pdf>. Access on: 17 nov. 2014.

CARR, W.; KEMMIS, S. Teoría crítica de la enseñanza. Barcelona: Martínez, 1988.

CUNHA, M. I. Pedagogia universitária: energias emancipatórias em tempos neoliberais. São Paulo: Junqueira & Marin, 2006.

DEWEY, J. Como pensamos. 3 ed. São Paulo: Nacional, 1959.

ESTRELA, M. T. Relação pedagógica, disciplina e indisciplina na aula. Porto: Porto Ed., 1994.

FIORENTINI, D.; GERALDI, C. G.; PEREIRA, E. M. (Org.). Cartografias do trabalho docente. Campinas: Mercado de Letras, 1998.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 1993.

FRANCO, M. A. S. Apresentação da sessão Em Foco: a pesquisa-ação e a prática docente. Educação e Pesquisa: Revista da Faculdade de Educação da USP, v. 31, n. 3, p. 439-443, dez. 2005.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Ed. Da Unesp, 2000.

FREIRE, P.; SHOR, I. Medo e ousadia, o cotidiano do professor. 11. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

GARRIDO, E., PIMENTA, S. G.; MOURA, M. O. A pesquisa colaborativa na escola como abordagem facilitadora para o desenvolvimento da profissão do professor. In: MARIN, A. J. Educação continuada. Campinas: Papirus, 2000.

GHEDIN, E. Professor reflexivo: da alienação da técnica à autonomia da crítica.

In: PIMENTA, S.; GHEDIN, E. Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002. p. 129-149.

GIROUX, H. Freire e a política de pós-colonialismo. In: MCLAREN, P.; LEONARD, P.;

GADOTTI, M. Freire: poder, desejo e memórias de libertação. Porto Alegre: ArtMed, 1999.

GHIGGI, G. A disciplina e o processo pedagógico: considerações a partir da proposta de Anton S. Makarenko. Cadernos de educação, Pelotas, n. 1, p. 27-30, nov. 1992.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 1968.

HABERMAS, J. Conhecimento e interesse. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

KINCHELOE, J. A formação do professor como compromisso político: mapeando o pós-moderno. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

LARROSA, J. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, 2002.

LISTON, D. P.; ZEICHNER, K. M. Formación del profesorado y condiciones sociales de la escolarización. Madrid: Morata, 1997.

LOUREIRO, W. N. Formação de professores: realidades e perspectivas. In: LISITA, V. M. S.; PEIXOTO, A. J. (Org.). Formação de professores: políticas, concepções e perspectivas. Goiânia: Alternativa, 2001. p. 11-19.

GARCÍA, M. C. Formação de professores para uma mudança educativa. Porto: Porto Ed., 1999.

MARIN, A. J. A construção do conhecimento sobre o trabalho docente e a didática e suas várias funções. In: MARIN, A. J. Didática e trabalho docente. Araraquara: J. M., 1996. p. 125-139.

MIRANDA, M. G.; RESENDE, A. C. A. Sobre a pesquisa-ação na educação e as armadilhas do praticismo. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 33, 2006.

NOGUEIRA, C. M. M.; NOGUEIRA, M. A. A sociologia da educação de Pierre Bourdieu: limites e contribuições. Educação & Sociedade, Campinas, n. 78, p. 15- 36, abr. 2002.

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão decente. In: NÓVOA, A. (Coord.) Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

PIMENTA, S. G. Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências na formação e na atuação docente. PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E., FRANCO, M. A. S. (Org.). Pesquisa em educação: alternativas investigativas com objetos complexos. São Paulo: Loyola, 2006.

RIOS, T. A. Competência ou competências – o novo e o original na formação de professores. In: ROSA, D. E. G.; SOUZA, V. C. Didática e práticas de ensino: interfaces com deferentes saberes e lugares formativos. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

SOUSA SANTOS, B. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2009.

STRECK. D. R.; REDIN, E.; ZITKOSKI, J. J. (Org.) Dicionário Paulo Freire. 2.ed. rev. amp. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

TARDIF, M.; RAYMOND, D. Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação e sociedade, Campinas, v. 21, n. 73, p. 209-244, dez. 2000.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes, 2005.

UNDA, M. P.; CHAPARRO, C. I.; ESPINOZA, H. F. Red de cualificación de educadores en ejercício. In: ARIAS, M. D.; FLORES, A.; PORLÁN, R. (Org.). Redes de maestros: una alternativa para la transformación escolar. Sevilla: Díada, 2001. p. 115-137.

ZEICHNER, K. El maestro como profesional reflexivo. Cuadernos de Pedagogia, Lisboa, n. 220, p. 44-49, 1993.

ZEICHNER, K. Para além da divisão entre professor-pesquisador e pesquisador-acadêmico. In: GERALDI, C. M. G; FIORENTINI, D., PEREIRA, E. M. A. (Org.). Cartografia do trabalho docente. Campinas: Mercado das Letras, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v14i43.2074

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat