Letramento e escrituras: as professoras no contexto do simbólico das práticas de formação e profissionalização docente

Jane Soares de Almeida

Resumo


O artigo procede a uma análise acerca da simbolização da imagem feminina no imaginário social no tocante à carreira docente, com base nas práticas de formação, profissionalização docente e coeducação dos sexos, numa perspectiva histórica. A educação feminina, desde o Brasil Colonial, sempre foi permeada de expectativas quanto à domesticidade como papel principal a ser desempenhado pelas mulheres. A abertura das possibilidades de exercício de uma profissão remunerada que se harmonizasse com esse papel fez com que o magistério de crianças fosse, desde o princípio, a orientação vocacional das mulheres na educação. Atualmente, esse panorama se ampliou e novas perspectivas profissionais foram abertas ao sexo feminino, embora ainda não se tenha atingido patamaresigualitários em comparação ao sexo oposto.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, J. S. de. Mulher e educação: a paixão pelo possível. São Paulo: Ed. da Unesp, 1998.

ALMEIDA, J. S. de. Ler as letras: por que educar meninas e mulheres? Campinas: Autores Associados, 2007.

SÃO PAULO (Estado). Annuario do ensino do Estado de São Paulo 1907-1908. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 1908.

ARAÚJO, E. A arte da sedução: sexualidade feminina na Colônia. In: DEL PRIORE, M. (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto; Ed. da Unesp, 1997.

COSTA, J. F. da. Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

CUÉLLAR, J. P. de. (Org.). Nossa diversidade criadora: Relatório da Comissão Mundial de Cultura e Desenvolvimento. Campinas: Papirus/Unesco, 1997.

HILSDORF, M. L. S. Francisco Rangel Pestana: jornalista, político, educador. 1986.

Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1986.

MANOEL, I. A. Igreja e educação feminina: uma face do conservadorismo. São Paulo: Ed. da Unesp, 1996.

MOACYR, P. A instrução pública no Estado de São Paulo: primeira década republicana – 1890/1893. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1942. (Brasiliana, v. 213).

MURARO, R. M.; BOFF, L. Feminino e masculino. Rio de Janeiro: Sextante, 2002.

REIS FILHO, C. dos. A educação e a ilusão liberal. São Paulo: Cortez, 1989.

RODRIGUES, L. M. P. A instrução feminina em São Paulo: subsídios para sua história até a proclamação da República. São Paulo: Faculdade de Filosofia Sedes Sapientiae; Escolas Profissionais Salesianas, 1962.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.14.043.AO04

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat