O desenvolvimento do pensamento histórico na Educação Infantil: possibilidades do trabalho com arquivos familiares[

Geyso Dongley Germinari

Resumo


O artigo problematiza o uso de documentos históricos de arquivos familiares como caminho para o desenvolvimento do pensamento histórico de crianças na Educação Infantil. Ele está inserido no campo de pesquisa do ensino de História denominado Educação Histórica, que analisa o processo de ensino e aprendizagem com base na epistemologia da história. A relação entre Educação Infantil e Educação Histórica está referenciada na teoria da consciência histórica do filósofo da história JörnRüsen e nas pesquisas sobre ensino e aprendizagem histórica para crianças, desenvolvidas pela pesquisadora Hilary Cooper. As reflexões apresentadas são parte do projeto de pesquisa “O Pensamento histórico de jovens e crianças de escolas localizadas no município de Irati-PR”, desenvolvido no Departamento de História da Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro), Câmpus Irati. Como resultado de maior relevância, aponta-se a possibilidade da aprendizagem histórica no âmbito da Educação Infantil, por meio do trabalho sistemático com fontes históricas oriundas de arquivos familiares.

Texto completo:

PDF

Referências


ARTIÈRES, P. Arquivar a própria vida. Estudos históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 9-34, 1998.

BARCA, I. Educação Histórica: uma nova área de investigação? In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES DE ENSINO DE HISTÓRIA, 6., 2005, Londrina. VI Encontro Nacional de Pesquisadores de Ensino de História. Londrina: Atrito Art, 2005. p. 15-25.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei 9.394/96). 5 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

CAMARGO, A. M. de A. O público e o privado: contribuição para o debate em torno da caracterização de documentos e arquivos. Arquivo: Boletim Histórico e Informativo, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 57-64, jul./dez. 1988.

CEVASCO, M. E. E. Para ler Raymond Williams. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

COOPER, H. Aprendendo e ensinando sobre o passado a crianças de três a oito anos. Educar em revista, Curitiba, v. Especial, p. 171-190, 2006.

COOPER, H. Ensino de história na educação infantil e anos iniciais: um guia para

professores. Curitiba: Base, 2012.

EVANGELISTA, O.; TRICHES, J. Ensino de história, didática da história, educação

histórica: alguns dados de pesquisa (2000-2005). Educar em revista, Curitiba,

Especial, p. 33-55, 2006.

FERRAZ, F. C. A. O uso escolar de fontes históricas. In: ENCONTRO

PERSPECTIVAS DO ENSINO DE HISTÓRIA, 3., 1998, Curitiba. Anais... Curitiba: Aos Quatro Ventos, 1999.

FORQUIN, J. C. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

LEE, P. Progressão da compreensão dos alunos em história. In: BARCA, I. (Org.) Perspectivas em educação histórica: actas das primeiras Jornadas Internacionais de Educação Histórica. Braga: Centro de Estudos em Educação e Psicologia, 2001. p. 13-27.

LEE, P. Em direção a um conceito de literacia histórica. Educar em revista, Curitiba, Especial, p. 131-150, 2006.

PAES, M. L. Arquivo: teoria e prática. Rio de Janeiro: Ed. da FGV, 1997.

SCHMIDT, M. A.; GARCIA, T. M. F. B. Consciência histórica e crítica em aulas de história. Fortaleza: Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, 2006. (Cadernos Paulo Freire, v. 4).

WILLIAMS, R. Cultura e materialismo. São Paulo: Ed. da Unesp, 2011a.

WILLIAMS, R. Cultura e sociedade: de Coleridge a Orwell. Petropólis: Vozes, 2011b.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.14.043.DS08

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat