Do Unbedingte de Kant ao Wille de Schopenhauer: Da ausência de uma condição formal à falta de razão suficiente

Fabio Ciracì

Resumo


No presente ensaio, pretendemos mostrar qual é o relacionamento conceitual e histórico-genético que une a definição de Unbedingte de Kant, como negação do condicionado, ao Wille de Schopenhauer, como uma negação do princípio da razão. Definiremos as declinações conceituais e oscilações semânticas atribuídas por Kant, de acordo com o uso teórico, lógico ou prático, ao incondicionado. Em seguida, mostraremos o papel mediador entre a filosofia crítica de Kant e a metafísica da vontade de Schopenhauer pela Elementarphilosphie de K. L. Reinhold em relação à dedução de predicados negativos da coisa em si mesma e à oposição entre a coisa em si e o pensamento. Finalmente, tentaremos mostrar que, a partir da evidência do mal iminente, Schopenhauer deriva o mal metafísico, em virtude de um círculo entre aplicação moral e teórica.


Texto completo:

PDF

Referências


SPINOZA, B. Tutte le Opere, organizadas por A. Sangiacomo, Bompiani, 2014.

D’ALFONSO, M. V. Schopenhauers Kollegnachschriften der Metaphysik – und Psychologievorlesungen von G. E. Schulze,´[Göttingen 1810-11], Würzbur: Königshausen & Neumann,, 2008.

FINSTER, R. Spontaneität, Freiheit und unbedingte Kausalität bei Leibniz, Crusius und Kant. «Studia Leibnitiana», Bd. XIV, Hefte 2, 1982. p. 267-277.

KAMATA, Y. Der Einfluster de G. E. Schulze e Schelling auf Schopenhauers Theorie der Willensverneinung. Zur Standortbestimmung von Schopenhauers Philosophie, In: L. Hühn (Hrsg.), Die Ethik Arthur Schopenhauers im Ausgang vom Deutschen Idealismus. Fichte/Schelling: Würzburg, 2006.

KANT, I. Crítica da razão pura. Tradução e notas de Manuela P. Dos Santos e Alexandre F. Morujão. Lisboa: Gulbekian, 2001.

KANT, I. Crítica da razão pura. Tradução e notas de Fernando Costa Mattos. Petrópolis: Vozes: 2016a.

KANT, I. Crítica da razão prática. Tradução e notas de Monique Hulshof. Petrópolis: Vozes: 2016b.

KANT, I. Ideia de uma história universal com um propósito cosmopolita. In: A paz perpétua e outros opúsculos. Lisboa: Edições 70, 2004.

MALTER, R. Der eine Gedanke, Hinfürung zur Philosophie Arthur Schopenhauers, Wissenschaftliche Buchhandlung: Darmstadt, 1988.

MARCOLUNGO, F. L. Kant e l’essere necessario: un confronto con la tradizione wolffiana. In: «Philosophical Readings», 2001, n. 3. p. 3-10. (Edição especial sobre “The sources of the Kritik der Reinen Vernunft”).

MARCUCCI, S. Guida alla lettura della Critica della ragion pura di Kant, Bari, Roma: Laterza, [1997] 2a ed. 1999.

MORAES, D. O pessimismo moral schopenhaueriano, em Étic@. Florianópolis, v. 16, n. 2, p. 347-374, nov. 2017a.

MORAES, D. A inocência da Vontade. In: Hegel e Schopenhauer. Aracajú: ANPOF, 2017b.

NOVEMBRE, A. Il giovane Schopenhauer. L’origine della metafisica della volontà, Mimesis: Milano/Udine, 2017.

OMRI, B. Kant’s idea of the unconditioned and Spinoza’s: the fourth Antinomy and the Ideal of Pure Reason. In: Eckart F.-Yitzhak Y. M., Spinoza and German Idealism, Cambridge University Press, 2012. p. 27-43.

REINHOLD, K. L. Beyträge zur Berechtigung bisherigen Missverständnisse der Philosophen, v. hrsg. v. Mauke, J.M., jen. 1790.

REINHOLD, K. L. Concetto e fondamento della filosofia, a c. Faustino Fabbianelli, Ed. di Storia e Letteratura, 2002.

RUFFING, M. 2.7 »Kritik der Kantischen Philosophie«. In: Schopenhauer-Handbuch. Leben, Werk, Wirkung, hrsg. v. M. Koßler u. D. Schubbe: Metzler, 2014.

SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e representação: Complementos. Em dois volumes. Tradução e notas de Eduardo Ribeiro da Fonseca. Curitiba: Editora UFPR, 2014.

SCHOPENHAUER, A. Scritti postumi, 2 voll., a c. di A. Hübscher, ed. italiana diretta da Franco Volpi, Adelphi, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1980-5934.30.049.DS04

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.