A regeneração urbana na política de cidades: inflexão entre o fordismo e o pós-fordismo

Luís Mendes

Resumo


Inicialmente, este artigo apresenta algumas considerações sobre a definição do conceito de regeneração urbana, apresentando uma revisão da literatura científica sobre a origem do conceito e situando-o relativamente aos restantes fenómenos e processos “re” que decorrem como tendência no espaço urbano: reurbanização, revitalização, reestruturação, recomposição, renovação, reabilitação, requalificação etc. Num segundo ponto, serão discutidos alguns pressupostos e características do processo da regeneração urbana e que são simultaneamente princípios que orientam a teoria e a prática do processo no planeamento urbano, nomeadamente o facto de ser abrangente, integradora, estratégica, flexível, apoiada em parcerias e promotora de sustentabilidade/resiliência. Nessa linha de problematização será traçada a evolução do conceito ao longo das últimas cinco décadas, em função de várias alterações que se verificaram no contexto socioeconómico e político-ideológico do espaço urbano, desde o fordismo até ao pós-fordismo, tendo em atenção os principais atores-chave e stakeholders, bem como as principais estratégias e preocupações de política urbana.

Palavras-chave


Regeneração urbana; Reurbanização; Redesenvolvimento urbano; Políticas urbanas

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.