Novas tendências de metropolização em cidades médias do Brasil: um estudo de caso no Estado do Rio Grande na possível Região Metropolitana de Passo Fundo – RMPF

Fabricio Longhi Bernardes, Alcindo Neckel, Henrique Aniceto Kujawa, Laércio Stolfo Maculan

Resumo


O projeto de metropolização em cidades médias torna-se uma nova realidade no Brasil, a medida que as políticas públicas incentivam a aprovação de projetos de lei voltados a criação de regiões metropolitanas. O objetivo geral da pesquisa é analisar a configuração espacial da viabilidade ou impossibilidade de metropolização da RMPF. Metodologicamente, foi analisada a configuração espacial da RMPF, por meio do método da sintaxe espacial da malha viária dos 23 municípios da RMPF. A pesquisa foi realizada com os líderes do segmento dos 23 municípios que compõem o projeto RMPF. Para coleta de dados foram entrevistados 159 líderes de segmentos (industrial, educação, saúde, bancários, empregatício e arquitetos e urbanistas), sobre a possibilidade de Passo Fundo se tornar uma metrópole. Os dados foram tratados estatisticamente pelo modelo matemático de regressão linear. Os resultados da possível Característica de Metropolização (CM) da RMPF, numa escala de 1 a 10, apresentou o valor de 4,1438, indicando que o projeto de metropolização apresenta debilidades. A constituição da metropolização em cidades médias requer mais do que um marco regulatório e condições objetivas, necessita uma construção social e política.


Palavras-chave


Metropolização; cidades médias; sintaxe espacial; líderes de segmentos.

Texto completo:

PDF

Referências


Assembleia Legislativa (2015, 5 de fevereiro). Projeto de Lei Complementar n. 18 de 5 fevereiro de 2015. Cria a Região Metropolitana de Passo Fundo Porto Alegre: Rio Grande do Sul: Diário Oficial da Assembleia Legislativa.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo (3a ed. Vol. 3). São Paulo: Edições 70.

Batistella, A., & Knack, E. R. J. (2007). Antologia do município de Passo Fundo: a cidade e a região durante os séculos XVII, XVIII e XIX. In: Batistella, A. (org.). Passo Fundo sua história (p. 28-63). Passo Fundo: Editora Méritos.

Bernardes, F. L. (2018). Análise urbana a partir dos indicadores capazes de avaliar projetos para condição de metrópole em cidade de porte médio (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Faculdade Meridional - IMED, Passo Fundo.

Brandão, C. A. (2017). Crise e rodadas de neoliberalização: impactos nos espaços metropolitanos e no mundo do trabalho no Brasil. Cadernos Metrópole, 19(38), 45–69. https://doi.org/10.1590/2236-9996.2017-3802

Brasil (2015, 12 de janeiro). Lei n. 13.089 de 12 de janeiro de 2015. Institui o Estatuto da Metrópole. Brasília: Diário Oficial da União, seções 1 e 2.

Campos, M. V. L. (2019). Os “altos círculos” no mercado de transportes em São Paulo. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 11, 1-12. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.011.e20170213

Carmo, J. C. B. do. (2017). Planejamento da Região Metropolitana de Curitiba como objeto de estudo: análise sobre a produção bibliográfica no período de 1974-2006. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 9(1), 7-18. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.009.001.ao01

Clementino, M. do L. M., & Almeida, L. de. S. B. (2015). Construção técnico-política de governança metropolitana. Cadernos Metrópole, 17(33), 201–224. https://doi.org/10.1590/2236-9996.2015-3309

Clout, H. (2020). Metropole d'Equilibre. International Encyclopedia of Human Geography, 65-71, 2020. http://dx.doi.org/10.1016/b978-0-08-102295-5.10106-4

Corazza, R., Neckel, A., & Cambrussi, L. P. (2018). Avaliação das mudanças no uso do solo em áreas rurais no município de Passo Fundo/RS entre 1989 e 2011 com uso de imagens Landsat TM-5. Revista de Arquitetura Imed, 7(1), 68-83. http://dx.doi.org/10.18256/2318-1109.2018.v7i1.2688

Dadashpoor, H., & Ahani, S. (2019). A conceptual typology of the spatial territories of the peripheral areas of metropolises. Habitat International, 90, 1-15. http://dx.doi.org/10.1016/j.habitatint.2019.102015.

Dadon, J. R., & Oldani, J. I. (2017). Interjurisdictional coastal management in metropolitan areas. Ocean & Coastal Management, 148, 260–271. https://doi.org/10.1016/j.ocecoaman.2017.08.002

Ferreira, A. (2016). Caminhando em direção da metropolização do espaço. Geousp: Espaço e Tempo, 20(3), 441-450. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2016.123824

Fuga, T. M. (2019). Análise dos índices de mobilidade urbana das capitais da região sul do Brasil (Dissertação de mestrado). 2019. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Faculdade Meridional - IMED, Passo Fundo.

Ghasemi, K., Hamzenejad, M., & Meshkini, A. (2018). The spatial analysis of the livability of 22 districts of Tehran Metropolis using multi-criteria decision making approaches. Sustainable Cities and Society, 38, 382-404. http://dx.doi.org/10.1016/j.scs.2018.01.018.

Grub, J., & Neckel, A. (2015). Arquitetura da hospitalidade: cidade New Babylon e os espaços infraestruturais urbanos. In Anais do XVI ENANPUR (p. 1-17). Belo Horizonte: ENANPUR.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2018). Regiões de Influência das Cidades. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 12 de janeiro de 2018, de www.ibge.gov.br

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2020). Censo Demográfico - 2010. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 26 de fevereiro de 2020, de www.ibge.gov.br

HOSHINO, T. de A. P.; MOURA, R. Politizando as escalas urbanas: jurisdição, território e governança no Estatuto da Metrópole. Cadernos Metrópole, v. 21, n. 45, p. 371–392, ago. 2019

Hillier, B. (2007). Space is the machine: a configurational theory of architecture (1a ed., Vol. 5). Heneage Street London: United Kingdom.

Jaeger, S. R., Vidal, L., Kam, K., & Ares, G. (2017). Can emoji be used as a direct method to measure emotional associations to food names? Preliminary investigations with consumers in USA and China. Food Quality and Preference, 56, 38-48. http://dx.doi.org/10.1016/j.foodqual.2016.09.005

Jayasinghe, A., Sano, K., & Rattanaporn, K. (2017). Application for developing countries: Estimating trip attraction in urban zones based on centrality. Journal of Traffic and Transportation Engineering, 4(5), 464–476. https://doi.org/10.1016/j.jtte.2017.05.011

Karimi, K. (2017). Space syntax: consolidation and transformation of an urban research field. Journal of Urban Design, 23(1), 1-4. https://doi.org/10.1080/13574809.2018.1403177

Kujawa, H. A. (1998). Formação étnica de Passo Fundo e região: Passo Fundo: uma história, várias questões (1a ed., Vol. 1). Passo Fundo: EDIUPF.

Lansdall-Welfare, T., Sudhahar, S., Thompson, J., Lewis, J., & Cristianini, N. (2017). Content analysis of 150 years of British periodicals. Proceedings of The National Academy of Sciences, 114(4), 1-9. http://dx.doi.org/10.1073/pnas.1606380114

Li, Q., Zhou, S., & Wen, P. (2019). The relationship between centrality and land use patterns: empirical evidence from five chinese metropolises. Computers, Environment and Urban Systems, 78, 1-13. http://dx.doi.org/10.1016/j.compenvurbsys.2019.101356

Lobo, M. A. A., Tourinho, H. L. Z., & Costa, É. F. N. da. (2017). Urbanização, dispersão urbana e estrutura intraurbana de cidades intermediárias da Amazônia: o caso de Altamira (PA). Boletim de Geografia, 35(1), 43-63. https://doi.org/10.4025/bolgeogr.v35i1.30668

Maculan, L. S., & Tângari, V. R. (2020). Elementos estruturadores do território e os efeitos na borda urbana de Passo Fundo/RS. Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, 8(57), 18-35. https://doi.org/10.17271/2318847285720202284

Maricato, E. (2011). Brasil, cidades: alternativas para a crise urbana (5a ed., Vol. 1). Petrópolis: Vozes.

Martínez, C. F., & Santibáñez, N. W. (2015). Movilidad femenina en Santiago de Chile: reproducción de inequidades en la metrópolis, el barrio y el espacio público. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 7(1), 48-61. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.007.001.ao03

Meyer, M. A. (2017). Elderly Perceptions of Social Capital and Age-Related Disaster Vulnerability. Disaster Medicine and Public Health Preparedness, 11(1), 48–55. https://doi.org/10.1017/dmp.2016.139

Moura, R. Arranjos urbano-regionais: uma categoria complexa na metropolização brasileira. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 10, n. 2, p. 29, 30 nov. 2008

Moura, R.; LIBARDI, D.; BARION, M. I. Institucionalização de regiões metropolitanas: qual o sentido? Revista Paranaense de Desenvolvimento, v. 111, p. 129–143, 2006.

Moura, R. et al. Brasil Metropolitano: uma configuração heterogênea. Revista Paranaense de Desenvolvimento, v. 105, p. 33–56, 2003.

Neckel, A. (2014). A questão ambiental nos cursos de Geografia do Brasil e o pensamento geográfico sobre a concepção de ambiente (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Nunes, D. B. (2016). Proposição de um modelo de regressão linear para avaliação do valor de mercado de apartamentos residenciais (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil: Estruturas e Construção Civil, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

OJIMA, R.; MONTEIRO, F. F.; NASCIMENTO, T. C. L. do. Urbanização dispersa e mobilidade no contexto metropolitano de Natal: a dinâmica da população e a ampliação do espaço de vida. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 7, n. 1, p. 9–20, abr. 2015

Ojima, R. (2006). A produção e o consumo do espaço nas aglomerações urbanas brasileiras: desafios para uma urbanização sustentável. In Anais do XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais (p. 1-19). São Paulo: ABEP.

Ossandón, A. M. O., Lanata, P. B., Arce, L. A. F., Peralta, H. G., & Casale, K. P. (2013). Huellas del proceso de metropolización en Chile. Revista Invi, 28(77), 17-66. http://dx.doi.org/10.4067/s0718-83582013000100002

PERES, J. L. P. et al. O Estatuto da Metrópole e as regiões metropolitanas: uma análise teórico-conceitual à luz do conceito miltoniano de “território usado”. Cadernos Metrópole, v. 20, n. 41, p. 267–288, abr. 2018.

Prunzel, J., Toebe, M., Lopes, A. B., & Moreira, V. S. (2016). Modelos de regressão linear múltipla aplicados à avaliação de terrenos urbanos - caso do município de Itaqui-RS. Boletim de Ciências Geodésicas, 22(4), 651-664. http://dx.doi.org/10.1590/s1982-21702016000400037

Raposo, I. S., Jorge, S., Viegas, S., & Melo, V. (2012). Luanda e Maputo: inflexões suburbanísticas da cidade socialista à cidade-metrópole neoliberal. Urbe - Revista Brasileira de Gestão Urbana, 4(446), 189-205. http://dx.doi.org/10.7213/urbe.7395

Reis, N. G. (2006). Notas sobre urbanização dispersa e novas formas de tecido urbano (1a ed., Vol. 1). São Paulo: Via das artes.

Ribeiro, L. C. de Q. (2012). As metrópoles brasileiras no milênio: resultados de um programa de pesquisa (1a ed., Vol. 1). Rio de Janeiro: Letra capital.

Rosaneli, A. F., Fróes, A. C. S., Furlan, D. L. S., Gonçalves, F. T., & Senger, S. (2016). Apropriação do espaço livre público na metrópole contemporânea: o caso da Praça Tiradentes em Curitiba/PR. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 8(3), 359-374. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.008.003.ao06

Rückert, A. A. (2007). Metamorfoses do território. A agricultura de trigo/soja no planalto médio rio-grandense, 1930/1990 (9a ed., Vol. 9). Porto Alegre: UFRGS.

Ruiz, C. A. (2015). Metropolización y gobernanza económica: bases para una propuesta de análisis económico. Suma de Negocios, 6(13), 52-65. http://dx.doi.org/10.1016/j.sumneg.2015.04.003

Sá, R. A. M. de., Carvalho, A. L. S., Barbosa, Y. M., Barsch, B., & Araðjo Filho, A. R. de. (2017). Estatuto da Metrópole: a governança interfederativa. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 9(2), 203-215. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.009.002.ao04

Santos, A. M. S. P. (2010). Urbanização brasileira: um olhar sobre o papel das cidades médias na primeira década do século XXI. RBEUR. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 12(2), 103-119. http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2010v12n2p103

Scott, A. J. (2019). City-regions reconsidered. Environment and Planning A: Economy and Space, 51(3), 554-580. http://dx.doi.org/10.1177/0308518x19831591.

Silva, M. V. G. da., Peron, A. C. P., Meza, M. L. F. G. de., Nascimento, D. E. do., & Sacoman, C. (2018). A governança metropolitana e o desafio da integração na lei nº 13.089/2015. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 10(1), 186-198. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.010.001.ao13

Srinurak, N., & Mishima, N. (2017). Urban Axis and City shape evaluation through spatial configuration in ‘Lan Na’ Northern Thailand Historic city. City, Territory and Architecture, 4(1), 1-18. http://dx.doi.org/10.1186/s40410-017-0067-z

Tedesco, J. C. (2020). Madeireiros, Comerciantes e Granjeiros: lógicas e contradições no processo de desenvolvimento socioeconômico de Passo Fundo (1900-1960) (1a ed., Vol. 1). Porto Alegre: EST Edições.

Teixeira, J. S., Stutz, L. T., Knupp, D. C., & Silva Neto, A. J. (2020). A new adaptive approach of the Metropolis: Hastings algorithm applied to structural damage identification using time domain data. Applied Mathematical Modelling, 82, 587-606. http://dx.doi.org/10.1016/j.apm.2020.01.021

USGS. United States Geological Survey (2018). Remote Sensing and Landsat. Recuperado em 10 de setembro de 2019, de https://www.usgs.gov

Villaça, F. (2012). La estructura urbana de Buenos Aires. RBEUR. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 14(1), 167-185. http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2012v14n1p167

Zhu, H., Liu, J., Liu, H., Wang, X., & Ma, Y. (2017). Recreational Business District boundary identifying and spatial structure influence in historic area development: a case study of Qianmen area, China. Habitat International, 63, 11-20. http://dx.doi.org/10.1016/j.habitatint.2017.03.003

Wang, Z., Zhang, H., & Zheng, H. (2019). Estimation of Lorenz curves based on dummy variable regression. Economics Letters, 177, 69-75. http://dx.doi.org/10.1016/j.econlet.2019.01.021


Apontamentos

  • Não há apontamentos.