Política Municipal de Saneamento Básico e a ocorrência de doenças nos municípios brasileiros

Natássia Molina Bayer, Paulo Ricardo Ricco Uranga, Adelar Fochezatto

Resumo


O saneamento básico inadequado pode ocasionar uma série de doenças endêmicas e epidêmicas. O objetivo é analisar a influência da Política Municipal de Saneamento Básico (PMSB) na ocorrência de doenças relacionadas ao saneamento básico inadequado nos municípios brasileiros. Utilizando dados da Pesquisa de Informações Básicas Municipais (MUNIC) de 2017, a análise empírica é dividida em duas etapas. Primeiro, utiliza-se o modelo probit espacial para identificar se a presença da PMSB influencia a probabilidade dos municípios apresentarem doenças. Segundo, utiliza-se o modelo logit para verificar as chances de ocorrência de doenças, levando em consideração o tipo de cluster espacial de PMSB que os municípios pertencem. Os resultados da primeira etapa detectaram a presença de dependência espacial e não permitem afirmar que possuir a PMSB diminui a probabilidade de ocorrência de doenças. Os resultados da segunda etapa mostraram que há uma diminuição das chances de ocorrência de doenças em municípios que pertencem a clusters do tipo HH (municípios com PMSB, cercados por municípios com PMSB) e LH (municípios sem PMSB, cercados por municípios com PMSB). Conclui-se que para a PMSB ser efetiva na redução da ocorrência de doenças, ela deve ser planejada em um contexto espacial mais amplo que os limites municipais.


Palavras-chave


saneamento básico, doenças, probit espacial, logit

Texto completo:

PDF

Referências


Anselin, L. (1995). Local Indicators of Spatial Association-LISA. Geographical Analysis, 27(2), 93-115.

Anselin, L. (1988). Spatial econometrics: Methods and models. Springer Science & Business Media, Berlim/Alemanha.

Araújo, A. F. V., Lima, J. C. M., Paixão, A. N. da, & Picanço, A. P. (2010). Avaliação da Eficiência dos Serviços de Saneamento Básico no Combate às Endemias nos Municípios do Estado do Tocantins. Informe Gepec, 14, 166–181.

Borja, P. C. (2014). Política pública de saneamento básico: Uma análise da recente experiência brasileira. Saude e Sociedade, 23(2), 432–447.

Bradley, A. P. (1997). The use of the area under the ROC curve in the evaluation of machine learning algorithms. Pattern Recognition, 30 (7), 1145–1159. https://doi.org/10.1016/S0031-3203(96)00142-2

Brasil (2007, 05 de janeiro). Lei nº 11.445 de 05 de janeiro de 2007. Estabelece as diretrizes nacionais para o saneamento básico e para a política federal de saneamento básico. Brasília: Diário Oficial da União.

Câmara, G., Carvalho, M. S., Cruz, O. G., & Correa, V. (2002). Análise de Dados de Área. In S. Druck, M. S. Carvalho, G. Câmara, & A. M. V. Monteiro (Eds.), Análise Espacial de Dados Geográficos. Brasília: EMBRAPA. Recuperado em 7 de setembro de 2018. http://www.dpi.inpe.br/gilberto/livro/analise

Cairncross, S., & Feachem, R. (1993). Environmental Health Engineering in the Tropics: an introductory text. Chichester : Wiley.

Cutler, D., & Miller, G. (2005). The Role of Public Health Improvements in Health Advances: The 20th Century United States. Demography, 42 (1), 1-22. Recuperado em 11 de agosto de 2018. https://www.jstor.org/stable/1515174.

de Menezes, T. A., & Uchoa, F. (2011). Mortalidade infantil, saneamento básico e o impacto da saúde sobre o crescimento econômico brasileiro. In Anais do XXXIX Encontro Nacional de Economia (p.1–16). Foz do Iguaçu/Paraná: ANPEC.

Esrey, S. A., & Habicht, J.-P. (1986). Epidemiologic evidence for health benefits from improved water and sanitation in developing countries. Epidemiologic Reviews, 8, 117–128.

Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro – FIRJAN. (2016). Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal (IFDM) – 2016. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 13 de março de 2018, de https://www.firjan.com.br/ifdm/

Freitas, C. M. de. (2003). Problemas ambientais, saúde coletiva e ciências sociais. Ciência & Saúde Coletiva, 8(1), 137–150.

Fundação Nacional de Saúde - Funasa (2013). 1o caderno de pesquisa em engenharia da saúde pública. In Estudos e Pesquisas. Brasília: Ministério da Saúde, 244 p. Recuperado em 8 de agosto de 2018. http://www.funasa.gov.br/biblioteca-eletronica/publicacoes/estudos-e-pesquisas1/-/asset_publisher/qGiy9skHw4ar/content/1-caderno-de-pesquisa-em-engenharia-de-saude-publica?inheritRedirect=false.

Fundação Nacional de Saúde - Funasa (2014). Política e plano municipal de saneamento básico. In Convênio Funasa/Assemae. Brasília: Ministério da Saúde, 188 p. Recuperado em 8 de agosto de 2018. http://www.funasa.gov.br/biblioteca-eletronica/publicacoes/engenharia-de-saude-publica/-/asset_publisher/ZM23z1KP6s6q/content/politica-e-plano-municipal-de-saneamento-basico-convenio-funasa-assemae?inheritRedirect=false.

Getis, A., & Ord, J. K. (1992). The Analysis of Spatial Association by Use of Distance Statistics. Geographical Analysis, 24(3), 189-206.

Getis, A., & Ord, J. K. (1996). Local spatial statistics: an overview. In: P. Longley, P. & Batty, M. (eds). Spatial analysis: modelling in a GIS environment (p. 261-277). New York: John Wiley & Sons.

Gujarati, D. (2006). Econometria Básica (4 ed.). Elsevier.

Heller, L. (1998). Relação entre saúde e saneamento na perspectiva do desenvolvimento. Ciência & Saúde Coletiva, 3 (2), 73–84.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2016a). Estimativas Populacionais – 2016. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 13 de março de 2018, de www.ibge.gov.br

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2017a). Estimativas Populacionais – 2017. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 13 de março de 2018, de www.ibge.gov.br

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2017b). Pesquisa de Informações Básicas Municipais (MUNIC) – 2017. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 11 de março de 2018, de www.ibge.gov.br

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. (2016b). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: Síntese de indicadores 2015. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 18 de junho de 2018, de www.ibge.gov.br.

Leoneti, A. B., Prado, E. L. do, & Oliveira, S. V. W. B. de. (2011). Saneamento básico no Brasil: considerações sobre investimentos e sustentabilidade para o século XXI. Revista de Administração Pública, 45 (2), 331–348. https://doi.org/10.1590/s0034-76122011000200003.

Lopez, D., & Manogaran, G. (2017). Parametric Model to Predict H1N1 Influenza in Vellore District, Tamil Nadu, India. In: A. Rao, S. Pyne & C. Rao (Eds.), Handbook of Statistics. (1ª ed., Vol. 37), p.301-316.

Martinetti, D., & Geniaux, G. (2017). Approximate likelihood estimation of spatial probit models. Regional Science and Urban Economics, 64, 30–45. https://doi.org/10.1016/j.regsciurbeco.2017.02.002

Mendonça, M., & Motta, R. (2007). Saúde e Saneamento no Brasil. In Planejamento e Políticas Públicas (Vol. 30).Okawara, J. M. (2018). Avaliação de impacto da política de resíduos sólidos na saúde (Dissertação de Mestrado). Escola de Economia de São Paulo, Fundação Getulio Vargas - FGV, São Paulo.

Organização das Nações Unidas - ONU. (2015). Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Nova YorK: ONU. Recuperado em 10 de maio de 2018, de www.undp.org/content/dam/brazil/Agenda2030-completo-site (1).pdf

Paiva, R. F. da P. de S., & Souza, M. F. da P. de. (2018). Associação entre condições socioeconômicas, sanitárias e de atenção básica e a morbidade hospitalar por doenças de veiculação hídrica no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 34 (1), 1–11. https://doi.org/10.1590/0102-311X00017316.

Rood, E. J. J., Goris, M. G. A., Pijnacker, R., Bakker, M. I., & Hartskeerl, R. A. (2017). Environmental risk of leptospirosis infections in the Netherlands: Spatial modelling of environmental risk factors of leptospirosis in the Netherlands. PLoS ONE, 12 (10), 1–11. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0186987.

Scriptore, J. S. (2010). A parceria público-privada no saneamento básico brasileiro: uma proposta para o desenvolvimento do setor (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo - USP, Ribeirão Preto.

Silva, L. J. da. (1997). O conceito de espaço na epidemiologia das doenças infecciosas. Cadernos de Saúde Pública, 13 (4), 585–593. https://doi.org/10.1590/s0102-311x1997000400002.

Silva, V. A., & Esperidião, F. (2017). Saneamento básico e seus impactos na mortalidade infantil e no desenvolvimento econômico da região Nordeste. Scientia Plena, 13 (10), 1–7. https://doi.org/10.14808/sci.plena.2017.109905.

Siqueira, M. M., & Moraes, M. S. de. (2009). Saúde coletiva, resíduos sólidos urbanos e os catadores de lixo. Ciência & Saúde Coletiva, 14 (6), 2115–2122. https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000600018.

Teixeira, J. C., Oliveira, G. S. de, Viali, A. de M., & Muniz, S. S. (2014). Estudo do impacto das deficiências de saneamento básico sobre a saúde pública no Brasil no período de 2001 a 2009. Engenharia Sanitaria e Ambiental, 19 (1), 87–96. https://doi.org/10.1590/s1413-41522014000100010.

Teixeira, L. (2011). Evidências empíricas das políticas de saneamento básico sobre indicadores de saúde para municípios brasileiros (Dissertação de Mestrado). Escola de Economia de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas - FGV, São Paulo,.

Tipayamongkholgul, M. (2013). Spatial Analysis of Social Determinants for Tuberculosis in Thailand. J Med Assoc Thai, 96 (5), 116–121.

Turolla, F. A. (1999). Provisão e operação de infraestrutura no Brasil: o setor de saneamento (Dissertação de Mestrado). Escola de Administração de Empresas, Fundação Getúlio Vargas - FGV, São Paulo.

Uhr, J. G. Z., Schmechel, M., & Uhr, D. D. A. P. (2016). Relação entre saneamento básico no Brasil e saúde da população sob a ótica das internações hospitalares por doenças de veiculação hídrica. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace, 7 (2), 1-16. https://doi.org/10.13059/racef.v7i2.104.

Venson, A. H., Rodrigues, K. C. T. T., & Camara, M. R. G. da. (2017). Evolução da distribuição espacial do acesso aos serviços de saneamento básico nos municípios do Estado da Bahia, nos anos de 2006 e 2012. Ensaios FEE, Porto Alegre, 38, 107–134.

Vieira, G. B. (2017). Saúde Pública e Meio Ambiente: uma correlação com o saneamento básico. (Trabalho de Conclusão de MBA). Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Wilhelm, S., & Godinho De Matos, M. (2013). Estimating Spatial Probit Models in R. The R Journal, 5 (1), 130–143. Recuperado em 21 de outubro de 2018 http://rjournal.github.io/Wooldridge, J. M. (2014). Introdução à econometria: uma abordagem moderna (4a ed.). Cengage Learning.

World Health Organization - WHO (2018). Guidelines on sanitation and health. Recuperado em 16 de maio de 2018. https://www.who.int/water_sanitation_health/publications/guidelines-on-sanitation-and-health/en/


Apontamentos

  • Não há apontamentos.