Uma introdução ao estudo da forma urbana no Brasil

Vitor Oliveira, Bruno Zaitter

Resumo


O número temático da revista Urbe dedicado ao estudo da forma urbana no Brasil reúne um conjunto de textos de alguns dos maiores especialistas Brasileiros em morfologia urbana. Cada um dos textos parte da investigação individual do autor (ou autores) para a pesquisa do seu grupo, da sua universidade e, em alguns casos, da sua cidade e do seu estado. Este texto introdutório pretende fornecer uma estrutura de integração relacionando, de modo necessariamente breve, cada um dos diversos contributos com outras atividades de outros investigadores nacionais e estrangeiros. O texto deve ser visto como parte de um processo, parte de uma obra coletiva estendida no tempo, não pretendendo constituir-se como um produto acabado.

Texto completo:

PDF

Referências


Botechia, F. R. (2017). A forma indelével: estudos morfológicos sobre a persistência elementar em Maruípe, Vitória (Tese

de doutoramento). Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo.

Botechia, F. R., Mendonça, E. M. S., & Pegoretti, M. S. (2020). O estudo da forma urbana no Espírito Santo. urbe. Revista

Brasileira de Gestão Urbana, 12, e20190273. https://doi.org/10.1590/2175-3369.012.e20190273.

Borges, H. F. (2018). A forma do informe: uma interpretação da morfogênese do território metropolitano da Grande

Vitória a partir dos padrões e processos de antropização (Tese de doutoramento). Universidade Presbiteriana

Mackenzie, São Paulo.

Cardoso, A. C. D., Lima, J. J. F., Ponte, J. P. X., Ventura Neto, R. S., & Rodrigues, R. M. (2020). Morfologia urbana das

cidades amazônicas: a experiência do Grupo de Pesquisa Cidades na Amazônia da Universidade Federal do Pará. urbe.

Revista Brasileira de Gestão Urbana, 12, e20190275. https://doi.org/10.1590/2175-3369.012.e20190275.

Cataldi, G., Maffei, G. L., & Vaccaro, P. (2002). Saverio Muratori and the Italian school of planning typology. Urban

Morphology, 6, 3-14.

Costa, S. A. P. (2006). Brazilian urban morphology. Urban Morphology, 10, 142-144.

Costa, S. A. P., & Teixeira, M. C. V. (2014). The study of urban form in Brazil. Urban Morphology, 18, 119-127.

Costa, S. A. P., & Gimmler Netto, M. M. (2015). Fundamentos da morfologia urbana. Belo Horizonte: C/Arte.

Costa, S. A. P., Teixeira, M. C. V., Salgado, M., & Netto, M. M. G. (2020). A investigação da forma urbana em Minas Gerais,

Brasil. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 12, e20200095. https://doi.org/10.1590/2175-3369.012.e20200095.

Figueiredo, L., & Amorim, L. (2005). Continuity lines in the axial system. In Proceedings of the 5th Space Syntax

International Symposium (p. 161-174). Delft: Delft University of Technology.

Figueiredo, L., & Amorim, L. (2007). Decoding the urban grid: or why cities are neither trees nor perfect grids. In

Proceedings of the 6th International Space Syntax Symposium (p. 01-16). Istanbul: ITU.

Hanson, J. (1998). Decoding homes and houses. Cambridge: Cambridge University Press.

Hillier, B. (1996). Space is the machine. Cambridge: Cambridge University Press.

Holanda, F. R. B. (2002). O espaço de excepção. Brasília: Editora UnB.

Holanda, F. R. B. (ed.) (2003). Arquitetura & urbanidade. Brasília: FRBH Edições.

Holanda, F. R. B. (2020). Inclusão e exclusão em Brasília. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 12, e20190306.

https://doi.org/10.1590/2175-3369.012.e20190306.

Krafta, R. (1994). Modelling intraurban configurational development. Environment and Planning B: Planning and

Design, 21, 67-82.

Krafta, R. (1996). Urban convergence: morphology and attraction. Environment and Planning B: Planning and

Design, 23, 37-48.

Krafta, R., & Silva, E. L. B. (2020). Detecção de padrões da forma urbana: quadro geral e um caso. urbe. Revista

Brasileira de Gestão Urbana, 12, e20190209. https://doi.org/10.1590/2175-3369.012.e20190209.

Macedo, S. S. (1999). Quadro do Paisagismo no Brasil. São Paulo: Edusp.

Macedo, S. S., & Robba, F. (2002). Praças brasileiras. São Paulo: Edusp.

Macedo, S. S., & Sakata, F. G. (2002). Parques urbanos no Brasil. São Paulo: Edusp.

Medeiros, V. (2013). Urbis Brasiliae – o labirinto das cidades Brasileiras. Brasília: Editora UnB.

Mendonça, E. M. S., Freitas, J. F. B., Campos, M. M., Prado, M. M., & Almeida, R. H. (2014). Cidade prospectiva - o projeto

de Saturnino de Brito para Vitória. Vitória: EDUFES.

Meneguetti, K. S. (2009). Cidade jardim, cidade sustentável – a estrutura ecológica urbana e a cidade de Maringá.

Maringá: EdUEM.

Meneguetti, K. S., & Costa, S. A. P. (2015). The fringe-belt concept and planned new towns: a Brazilian case study. Urban

Morphology, 19, 25-33.

Monteiro, E. Z., & Bernardini, S. P. (2017). Gincana de urbanismo: um instrumento pedagógico de leitura da paisagem.

ª Conferência da Rede Lusófona de Morfologia Urbana. Vitória: UFES.

Monteiro, E. Z., Pina, S. A. M. G., Freire, R. A., & Turczyn, D. T. (2020). O estudo da morfologia urbana na Região

Metropolitana de Campinas. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 12, e20190260. https://doi.org/10.1590/2175-

012.e20190260.

Netto, V. M. (2014). Cidade & sociedade – as tramas da prática e seus espaços. Porto Alegre: Sulina.

Netto, V. M. (2018). The social fabric of cities. Londres: Routledge.

Oliveira, V. (2013). The study of urban form: reflections on national reviews. Urban Morphology, 17, 85-92.

Oliveira, V. (ed.) (2019). JWR Whitehand and the historico-geographical approach to urban morphology, Cham: Springer.

Polidori, M. C. (2005) Crescimento urbano e ambiente: um estudo exploratório sobre as transformações e o futuro da

cidade (Tese de doutoramento). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Polidori, M. C., Peres, O. M., & Tomiello, F. (2020). Modelagem e morfologia urbana com o PeopleGrid. urbe. Revista

Brasileira de Gestão Urbana, 12, e20190234. https://doi.org/10.1590/2175-3369.012.e20190234.

Queiroga, E. F. (2001). A megalópole e a praça: o espaço entre a razão de dominação e a ação comunicativa (Tese de

doutoramento). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Queiroga, E. F., & Sakata, F. G. (2020). A rede de pesquisadores reunidos por Silvio Macedo sob o Lab QUAPÁ e os

estudos de sistemas de espaços livres e formas urbanas no Brasil. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 12,

e20190264. https://doi.org/10.1590/2175-3369.012.e20190264.

Rego, R. L. (2009). As cidades plantadas – os Britânicos e a construção da paisagem do norte do Paraná. Londrina:

Humanidades.

Rego, R. L., Meneguetti, K. S., & Beloto, G. E. (2020). Morfologia urbana como instrumento projetual. urbe. Revista

Brasileira de Gestão Urbana, 12, e20190266. https://doi.org/10.1590/2175-3369.012.e20190266.

Saboya, R. T. (1997). Concepção de um sistema de suporte à elaboração de planos diretores participativos (Tese de

doutoramento). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Saboya, R. T. (2020). O estudo da forma urbana em Santa Catarina, Brasil. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 12,

e20190269. https://doi.org/10.1590/2175-3369.012.e20190269.

Schlee, M., Nunes, M. J., Rego, A., Rheingantz, P., Dias, M. Ângela, & Tangari, V. (2009). Sistema de espaços livres nas

cidades Brasileiras – um debate conceitual. Paisagem e Ambiente, 26, 225-247.

Whitehand, J. W. R. (1981). Background to the urban morphogenetic tradition. In J. W. R. Whitehand (ed.) The urban

landscape: historical development and management; papers by MRG Conzen. Londres: Institute of British Geographers /

Academic Press.

Whitehand, J. W. R. (2012). Issues in urban morphology. Urban Morphology, 16, 55-65.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.