Sustentabilidade do desenvolvimento urbano de Campinas-SP: uma abordagem multicritério

Camila Frandi Cecagno, Vinícius Marques Müller Pessôa, Danilo Mangaba de Camargo, Mara Lúcia Marques

Resumo


O objetivo consistiu na integração dos indicadores de sustentabilidade urbana pela abordagem multicritério de Programação por Compromisso (CP), a partir do modelo Pressão-Estado-Resposta, com vistas a  avaliação do potencial de intervenção dos fatores socioeconômicos, ambientais e políticos no processo de urbanização. Essa abordagem foi aplicada na região norte-noroeste do município de Campinas – SP, empregando os componentes Pressão (uso do solo, expansão urbana e densidade populacional), Estado (áreas verdes, equipamentos urbanos e vulnerabilidade social) e Resposta (zoneamento 2004 e zoneamento 2018) para modelagem em SIG pelo método multicritério CP. Observou-se que ~49% da área analisada apresentou bons indicativos de sustentabilidade, que foi reduzida a ~29%  com a implementação do plano de zoneamento 2018. Provavelmente, a exclusão de zonas de conservação seja o fator determinante dessa redução, como demonstram os indicadores de pressão sobre a unidade de conservação Mata de Santa Genebra e o crescimento dendrítico nas áreas periurbanas. Porém, salienta-se que avaliação envolveu o estágio inicial do zoneamento 2018, sendo prematura uma análise conclusiva sobre modificações do ambiente decorrentes do desenvolvimento. Assim, recomenda-se que esse método de avaliação da sustentabilidade seja uma ferramenta permanente para análise das ações de planejamento e gestão do uso do solo urbano.

Palavras-chave


Desenvolvimento Sustentável. Sistemas de Informação Geográfica. Tomada de Decisões. Programação por Compromisso. Planejamento Urbano

Texto completo:

PDF

Referências


Acselrad, H. (2001). A Duração das Cidades: sustentabilidade nas políticas urbanas. Rio de Janeiro: DP&A.

Adami, S. F., Francisco, C. E. S., Coelho, R. M., & Torres, R. B. (2013). Análise multicriterial aplicada à priorização para recuperação de áreas de preservação permanente: uma implantação em Sistemas de Informações Geográficas. Boletim Campineiro de Geografia, 2(3), 465-478.

Agência Nacional das Águas – ANA. (2018). Base Hidrográfica Ortocodificada Multiescalas de Bacias do Atlântico Sul e Sudeste. 2018. Recuperado em 12 de julho 2018, de

Baeninger, R. (2001). Região Metropolitana de Campinas: expansão e consolidação do urbano paulista. In D. J. Hogan, R. L. do Carmo, M. P. da Cunha, & R. Baeninger (Eds), Migração e ambiente nas aglomerações urbanas (p. 321-348). Campinas: Nepo/Unicamp.

Baja, S., Chapman, D.M., & Dragovich, D., 2007. Spatial based compromisse programming for multiple criteria decision making in land-use planning. Environ. Model. Assess. 12 (3), 171–184.

Bana Costa, C. A. (2005). On the Mathematical Foundations of Macbeth. In: J. Figueroa, S. Grecco, M. Ehrgott, (Eds.). Multiple Criteria decision analysis: state of art surveys (p. 409-442). Boston, USA: Springer Science, Business Media.

Batty, M. (2002). A decade of GIS: what next? Environmental and Planning B: Planning and Design,.29, 127-158.

Berg, A. G., & Ostry, J. D. (2017). Inequality and unsustainable growth: Two sides of the same coin?. IMF Economic Review, 65(4), 792-815.

Berry, B. J. (1964). Approaches to Regional Analysis: a synthesis. Annals of the Association of American Geographers, 54, 2-11.

Braga, T. M. (2006). Sustentabilidade e condições de vida em áreas urbanas: medidas e determinantes em duas regiões metropolitanas brasileiras. EURE (Santiago), 32(96), 47-71.

Braga, T. M., Freitas, A. P. G., Duarte, G. S. & Carepa-Sousa, J. (2009). Índices de sustentabilidade municipal: o desafio de mensurar. Nova Economia, 14 (3), 11-33.

CAMPINAS (2014) Cobertura Aerofotogrametrica do Município de Campinas. Recuperado em 16 de fevereiro 2018, de http://wms2.campinas.sp.gov.br/wmsmap/wms_ortofoto_2014.map

CAMPINAS (2018) Projeto de Lei de Parcelamento, Ocupação e Uso do Solo do município de Campinas. Prefeitura Municipal de Campinas. Recuperado em 10 de março 2018, de https://zoneamento.campinas.sp.gov.br/

Chelleri, L. (2012). From the «Resilient City» to Urban Resilience. A review essay on understanding and integrating the resilience perspective for urban systems. Documents d'Anàlisi Geogràfica, 58(2), 287-306.

Congalton, R. G., & Green, K. (2009). Assessing the accuracy of remotely sensed data: principles and practices (2ª ed). New York: Lewis Publishers.

ESRI (2015). ArcGIS Desktop, Versão 10.4. Environmental Systems Research Institute. Redlands, California.

Franca, L. P. (2001) Indicadores Ambientais Urbanos. Manual Geo Cidades. Brasília: MMA/Consórcio Parceria 21.

Fritzsche, K., Schneiderbauer, S., Bubeck, P., Kienberger, S., Buth, M., Zebisch, M., & Kahlenborn, W. (2014). The vulnerability sourcebook: concept and guidelines for standardised vulnerability assessments [s.n.].

Gaspar, J. (1996). O novo ordenamento do território: geografia e valores” In J. Gaspar (Ed). Dinamismos sócio-economicos e reorganização territorial: processos de urbanização e reestruturação produtiva (p. 707-718). Coimbra: Instituto de Estudos Geográficos.

Gershon, M. & Duckstein, L. (1983). Multiobjective approaches to river basin planning. Journal of Water Resources Planning and Management, 109(1), 13-28.

Gobbetti, L. & Braba, B. (1997). Análise Multiobjetivo. In R. L.L. Porto (Ed.) Técnicas quantitativas para o gerenciamento de recursos hídricos (p.361-418). Porto Alegre: ABRH, Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Goerl, R. F., Kobiyama, M., & Pellerin, J. R. G. M. (2012). Proposta metodológica para mapeamento de áreas de risco a inundação: estudo de caso do município de Rio Negrinho–SC. Boletim de Geografia, 30(1), 81-100.

Herculano, S., Porto, M.F. Souza & Freitas. C.M. (2000). Calidad de vida y riesgos ambientales, Niteroi: EdUFF.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2015) Malhas Territoriais - 2015. Malhas Municipais, 2015. Recuperado em 07 fevereiro de 2018, de http://geoftp.ibge.gov.br/organizacao_do_territorio/malhas_territoriais/malhas_municipais/municipio_2015/

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2011). Censo Demográfico - 2010. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 20 de agosto de 2018, de www.ibge.gov.br

Kemerich, P. D. C., Ritter, L. G. & Borba, W. F. (2014). Indicadores de sustentabilidade ambiental: métodos e aplicações. Revista Monografias Ambientais – REMOA, 13(5), 3723-3736.

Köksalan, M., Wallenius, J. & Zionts, S. (2013) An Early History of Multiple Criteria Decision Making. Journal of Multi-Criteria Decision Analysis, 20, 87–94.

Kronemberger, D. M. P, Clevelario Junior, J, do Nascimento, J. A. S; Collares, J. E. R & da Silva, L. C. D. (2008). Desenvolvimento Sustentável no Brasil: uma Análise a partir da Aplicação do Barômetro da Sustentabilidade. Revista Sociedade & Natureza, 20(1), 25-50.

Lopes, A. F. A., & Guerra, M. E. A. (2016). Uma análise dos Instrumentos Metodológicos que utilizam Indicadores e Índices para avaliar a Sustentabilidade em Ambientes Urbanos. Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, 4(28), 1-14.

Macêdo, H. C. & Torres, M. F. A. (2018) Utilização do Modelo Pressão-Estado-Resposta na avaliação de indicadores ambientais do Municípios de Brejo da madre de Deus-PE. Revista Geografia, 35(5), 224-246.

Mahiny, A. S., & Clarke, K. C. (2012). Guiding SLEUTH land-use/land-cover change modeling using multicriteria evaluation: towards dynamic sustainable land-use planning. Environment and planning B: planning and design, 39(5), 925-944.

Marques, A. P. (2017). Os caminhos sinuosos do desenvolvimento. Desenvolvimento e Sociedade, 2(2), 31-49.

Marques, M. L., Silva, M. C. & Camargo, D. M. (2018). Análise Espacial da Vulnerabilidade Socioambiental no Município de Campinas. Revista Brasileira de Cartografia, 69(9), 1711-1723.

Martins, M. F & Cândido, G. A. (2013). Analise da Sustentabilidade Urbana no contexto das Cidades: proposição de critérios e indicadores. In Anais do XXXVII Encontro Anual da ANPAD (p. 1-16). Rio de Janeiro: ANPA.

Meneses, P. R., & Almeida, T. D. (2012). Introdução ao processamento de imagens de sensoriamento remoto. Brasília: Universidade de Brasília.

Muñoz, J., & Anguita, F. (2018). Los peajes urbanos como factor determinante de sostenibilidad y competitividad en el transporte urbano: un estudio aplicado a Madrid. EURE (Santiago), 44(131), 53-74.

Nguyen, T. T., Verdoodt, A., Van Y, T., Delbecque, N., Tran, T. C., & Van Ranst, E. (2015). Design of a GIS and multi-criteria based land evaluation procedure for sustainable land-use planning at the regional level. Agriculture, Ecosystems & Environment, 200, 1-11.

OpenStreetView (2015), Recuperado em 20 de fevereiro 2015, de https://openstreetview.org

Organization for Economic Cooperation and Development – OCDE (1993). Organization for economic cooperation and develop-ment: coreset of indicators for environmental performance reviews; a synthesis report by the group on the state of the environment. Paris: OCDE.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD (2011). Relatório do Desenvolvimento Humano de 2011, Sustentabilidade e Equidade: Um Futuro Melhor para Todos. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, New York: PNUD.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD (2013).. Ranking IDHM Municípios 2010, Brasília: PNUD.

Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA (2017). Projeto Geo Cidades: relatório ambiental urbano integrado. Rio de Janeiro: PNUMA/MMA/IBAM/ISER/REDEH.

Santos, J. O. (2015) Relações entre Fragilidade Ambiental e Vulnerabilidade Social na Susceptibilidade aos Riscos. Mercator, 14 (2), 75-90.

Sepe, P. M.& Braga, R. (2009). Indicadores de Sustentabilidade e o Planejamento Urbano-Ambiental: uma contribuição para a aplicação na cidade de São Paulo. In Anais do IX Seminário de Pós-Graduação em Geografia da Unesp Rio Claro (p. 225-240). Rio Claro: UNESP.

Silva, M. G., Cândido, G. A., & Martins, M. D. F. (2009). Método de construção do índice de desenvolvimento local sustentável: uma proposta metodológica e aplicada. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, 11(1), 55-72.

Silva, A. M., Correia, A. M. M. & Cândido, G. A. (2010). Ecological Footprint Method: Avaliação da Sustentabilidade no Município de João Pessoa, PB. In G. A. CÂNDIDO (Ed.). Desenvolvimento Sustentável e Sistemas de Indicadores de Sustentabilidade: Formas de aplicações em contextos geográficos diversos e contingências específicas (p. 236-271). Campina Grande: UFCG.

Valeriano, M. M. & Rossetti, D. F. (2012) Topodata: Brazilian full coverage refinement of SRTM data. Applied Geography, 32, 300-309.

Van Maarseveen, M., Martinez, J., & Flacke, J. (2019). GIS in Sustainable Urban Planning and Management: a Global Perspective. CRC Press.

Wang, S., Sun, C., Li, X. & Wei, Z. (2016) Sustainable Development in China’s Coastal Area: Based on the Driver-Pressure-State-Welfare-Response Framework and the Data Envelopment Analysis Model. Sustainability, 8(9), 958. https://doi.org/10.3390/su8090958

Wu, J. (2014). Urban ecology and sustainability: The state-of-the-science and future directions. Landscape and Urban Planning, 125, 209-221.

Zeleny, M., & Cochrane, J. L. (1982). Multiple criteria decision making. New York:McGraw-Hill Book Company.

Zuffo, A. C., Reis, L. F. R., Santos, R. D., & Chaudhry, F. H. (2002). Aplicação de métodos multicriteriais ao planejamento de recursos hídricos. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, 7(1), 81-102.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.