Análise da verticalização urbana no eixo estruturador de Passo Fundo – RS

Evanisa Fátima Reginato Quevedo Melo, Sidnei Matana Júnior

Resumo


O processo de verticalização das cidades produz impactos que beneficiam ou prejudicam a qualidade do espaço urbano, sendo assim, analisar os seus desdobramentos constitui uma ferramenta no planejamento das cidades. O objetivo do estudo foi analisar o processo de verticalização no eixo estruturador da cidade de Passo Fundo, no norte do Rio Grande do Sul. O estudo compreendeu a análise de um trecho de 7,62km, sendo os levantamentos in loco realizados em duas etapas, a primeira em 2013 e a segunda em 2018. Os dados coletados são referentes ao gabarito de altura e à presença ou ausência de recuos prediais nas edificações. Os levantamentos apontaram o crescimento no número de edificações, em especial as edificações com mais de 13 pavimentos, cerca de 78%; também foi apontado o crescimento de 17% das edificações com recuos frontais e/ou laterais, em relação ao primeiro levantamento. A Avenida Brasil segue sua tendência histórica de verticalização, induzida pelos instrumentos de planejamento e pelo setor imobiliário, ao substituir tipologias de gabarito baixo e sem recuos por gabaritos altos com presença de recuos, mantendo a característica comercial e retomando a característica residencial através de edificações de uso misto, contribuindo assim com a criação de uma cidade compacta.


Palavras-chave


Verticalização. Densidade urbana. Plano Diretor. Morfologia Urbana

Texto completo:

PDF

Referências


Acosta, S. (2018). Análise teórica para desvendar o lento aceite da recente verticalização residencial em San José, Costa Rica. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 10(3), 677-694. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.010.003.ao14.

Ascher, F. (2010). Os novos princípios do urbanismo. São Paulo: Romano Guerra.

Barros, M. F. D., & Carriço, J. M. (2019). Esvaziamento e transformação morfológica da área central de Santos/SP: gênese e perspectivas. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 11, e20180100. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.011.e20180100.

Batista, A. J., Brito, D. M. C., & Pantoja, G. M. T. (2016). O processo de verticalização urbana em Macapá/AP. GeoAmazônia, 4(8), 46-63.

Borgman, A. (2019). Foto aérea de Passo Fundo em 2019. Recuperado em 28 de setembro de 2020, de https://guaiba.com.br/wp-content/uploads/2020/04/passo-fundo-1.jpg

Czamanski, D. (1966). Foto aérea de Passo Fundo em 1966. Recuperado em 11 de agosto de 2018, de https://scontent.fpfb2-1.fna.fbcdn.net/v/t31.0-8/13320410_1216065518411979_2450212141271992822_o.jpg?_nc_cat=108&_nc_sid=9267fe&_nc_eui2=AeHBeZ7P7Lw7mHMdRAreYPHngrENLUw-hQKCsQ0tTD6FAiGtez7o5jht3pWUqw9-yiK4zsT1D6qpoQstA9R39Elr&_nc_ohc=2JXP9lOMFSsAX_ppXDU&_nc_ht=scontent.fpfb2-1.fna&oh=f26e26622a637fa0ae9137f040bb5435&oe=5F96A2E1

Czamanski, D. (1970). Foto aérea de Passo Fundo em 1970. Recuperado em 11 de agosto de 2018, de https://scontent.fpfb2-1.fna.fbcdn.net/v/t31.0-8/1980004_1090637444288121_948478054196313640_o.jpg?_nc_cat=103&_nc_sid=9267fe&_nc_eui2=AeFHuolV2z_Q58mW_tB2l01sU8dYyRS9hZJTx1jJFL2FkgWMaH3B_dMpxGK52OSGeiAklzbvkHHwLgdmBG4zy5zN&_nc_ohc=LHpIi5Ll_bYAX_pZzun&_nc_ht=scontent.fpfb2-1.fna&oh=a91f4ce2cf6d2b709a498416005dcd0f&oe=5F9773F2

Ferreto, D. (2012). Passo Fundo: estruturação urbana de uma cidade média gaúcha (Dissertação de mestrado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Gelpi, A., Gosch, L. R. M., & Kalil, R. M. L. (2005). Avenida Brasil: do comércio tropeiro ao shopping center. In Anais do I Colóquio Internacional sobre o Comércio e Cidade. São Paulo: USP.

GOOGLE (2018). Google Earth Pro versão 7.3.3.7786. USA: Google Inc..

Gosch, L. R. M. (2002). Passo Fundo: de Saturnino de Brito ao Mercosul (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-graduação em Urbanismo, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2018). Panoroma do municipio de Passo Fundo. Recuperado em 20 de agosto de 2018, de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/passo-fundo/panorama

Jourda, F. H. (2013). Pequeno manual do projeto sustentável. São Paulo: Gustavo Gilli.

Keeler, M., & Burke, B. (2010). Fundamentos de projeto de edificações sustentáveis. Porto Alegre: Bookman.

Leonelli, G. C. V., & Campos, E. F. R. (2018). Leis expansivas para a expansão urbana: campinas sem limites. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 10(Supl. 1), 36-48. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.010.supl1.ao03.

Lima, C. F. V. (2018). A legislação urbana e as alturas construídas: a verticalização no município de Torres/RS de 1962-2017 (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-graduação em Planejamento Urbano e Regional, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Martins, T. A. L., Bonhomme, M., & Adolphe, L. (2013). Análise do impacto da morfologia urbana na demanda estimada de energia das edificações: um estudo de caso na cidade de Maceió, AL. Ambiente Construído, 13(4), 213-233. http://dx.doi.org/10.1590/S1678-86212013000400015.

Mascaró, J. (2010). O custo das decisões arquitetônicas (5. ed.). Porto Alegre: Masquatro.

Nakano, A. K. (2018). A produção da “Cidade Oca” nos padrões recentes de verticalização e adensamento construtivo do município de São Paulo. Oculum Ensaios, 15(1), 33-50. http://dx.doi.org/10.24220/2318-0919v15n1a3373.

Nogueira, A. M. P., Araújo, I. Á. L., Bittencourt, L. S., & Restaino, G. (2018). Impacto da verticalização no microclima urbano: o caso do bairro Guaxuma, em Maceió-AL, Brasil. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, 9(2), 72-85. http://dx.doi.org/10.20396/parc.v9i2.8650267.

Oliveira, T., Neumann, M., & Wieczorek, L. (2018). Verticalização urbana: um quantitativo de edificações verticais na rua do comércio. Revista CIATEC-UPF, 10(1), 86-94. http://dx.doi.org/10.5335/ciatec.v10i1.6563.

Passo Fundo. (2006, 9 de outubro). Lei complementar n. 170, de 9 de outubro de 2006. Dispõe sobre o plano diretor de desenvolvimento integrado - PDDI do município de Passo Fundo. Passo Fundo: Diário Oficial. Recuperado em 10 de agosto de 2018, de https://leismunicipais.com.br/plano-diretor-passo-fundo-rs.pdf

Passo Fundo. (2020). Revisão do Plano Diretor. Recuperado em 26 de abril de 2020, de http://www.pmpf.rs.gov.br/secretaria.php?c=1353

Paula, K. A. (2019). O processo de verticalização na zona central da cidade de Viçosa-MG: uma análise a partir da expansão da Universidade Federal de Viçosa e do seu impacto na estruturação do espaço urbano. GeoTextos, 15(1), 65-87. http://dx.doi.org/10.9771/geo.v15i1.30473.

Rego, R. L., & Meneguetti, K. S. (2011). A respeito da morfologia urbana: tópicos básicos para estudos da forma da cidade. Acta Scientiarum. Technology, 33(2), 123-127. http://dx.doi.org/10.4025/actascitechnol.v33i2.6196.

Scussel, M. C. B., & Sattler, M. A. (2010). Cidades em (trans)formação: impacto da verticalização e densificação na qualidade do espaço residencial. Ambiente Construído, 10(3), 137-150. http://dx.doi.org/10.1590/S1678-86212010000300009.

Silva, G. J. A., & Romero, M. A. B. (2013). Cidades sustentáveis: uma nova condição urbana a partir de estudos aplicados a Cuiabá, capital do estado de Mato Grosso, Brasil. Ambiente Construído, 13(3), 253-266. http://dx.doi.org/10.1590/S1678-86212013000300015.

Silva, I., Santos, R., Lopes, A., & Araújo, V. (2018). Morphological indices as urban planning tools in northeastern Brazil. Sustainability, 10(12), 4358. http://dx.doi.org/10.3390/su10124358.

Vargas, H., & Araujo, C. (2014). Arquitetura e mercado imobiliário. São Paulo: Manole.

Vilela, J., Durante, L. C., & Amorim, A. E. B. (2017). Morfologia urbana e propagação do ruído: influência do gabarito e de elementos arquitetônicos. In Anais do XIV Encontro Nacional de Conforto no Ambiente Construído (ENCAC)/Encontro Latino-Americano de Conforto no Ambiente Construído (ELACAC) (pp. 1750-1759). Balneário Camboriú: ANTAC.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.