A organização do território urbano a partir da relação porto-cidade e seu reflexo na forma urbana

Rafael Rossetto Ribeiro, Gislaine Elizete Beloto

Resumo


Do ponto de vista funcional, porto e cidade constituem um conjunto cujas interações e complementariedades variam no tempo sob influência das dinâmicas econômicas, produtivas, tecnológicas e sociais. Considerando essa gama de variáveis, modelos analíticos apontam para a ocorrência de fases comuns e recorrentes em todas as cidades portuárias. Dentro desse cenário, o presente trabalho objetiva demonstrar como as mutações nas relações funcionais entre a cidade e a atividade portuária influenciaram na configuração urbano-territorial. Dublin, capital da República da Irlanda, é o estudo de caso apresentado neste artigo por meio da leitura de sua forma urbana ao longo de uma linha temporal. Neste estudo, o porto é tido como o equipamento-chave das mudanças ocorridas na forma da cidade por associar-se diretamente às alterações no processo produtivo e econômico em escala local e mundial. Ao estabelecer o paralelo entre a atividade portuária e a forma urbana, conclui-se que os diferentes estágios de aproximação e principalmente de afastamento entre a cidade e a atividade portuária criaram centralidades, dispersões e obsolescências no tecido urbano, corroborando na formação de novas organizações territoriais.


Palavras-chave


forma urbana. modelo de expansão urbana. cidade portuária. modelo conceitual. Dublin

Texto completo:

PDF

Referências


Abercrombie, P. (1943). Town and country planning (2nd ed., Vol. 1). London: Oxford University Press.

Adams, J. (1970). Residential structure of midwestern cities. Annals of the Association of American Geographers, 60(1), 37-62. http://dx.doi.org/10.1111/j.1467-8306.1970.tb00703.x.

Arellano, A. F. (2007). Dispersão e difusão na região metropolitana de Barcelona. In N. Portas, N. G. Reis & M. S. Tanaka (Eds.), Dispersão urbana: diálogo sobre pesquisas Brasil-Europa (Vol. 1, pp. 61-74). São Paulo: FAPESP-CNPQ.

Beloto, G. E. (2015). Da região à metrópole: o território desenhado pelos modelos conceituais (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Beloto, G. E. (2019). Regional cities: international references in Brazilian regional planning in the 1950s and 1960s. Planning Perspectives, 35(3), 457-476. http://dx.doi.org/10.1080/02665433.2019.1597759.

Bertz, S. (2002). The peripheralisation of office development in the Dublin metropolitan area‐ the interrelationship between planning and development interests. Irish Geography, 35(2), 197-212. http://dx.doi.org/10.1080/00750770209555805.

Bird, J. (1963). The major seaports of United Kingdom (Vol. 1). Londres: Hutchison.

Boubacha, E. (1997). Ciudad y puerto: mutación y recomposición. Le Havre: Association Internationale Villes et Ports (AIVP).

Burkle, N. T. (1972). Dublin 1600-1800: a study in urban morphogenesis (Tese de doutorado). Trinity College Dublin, Dublin.

Castells, M. (1989). The informational city: economic restructuring and urban development (Vol. 1). Cambridge: Basil Blackwell.

Conzen, M. R. G. (2004). Thinking about urban form: papers on urban morphology, 1932-1998. Bern: Peter Lang.

Corboz, A. (2004). El territorio como palimpsesto. In A. Ramos (Ed.), Lo urbano em 20 autores contemporáneos (Vol. 1, pp. 25-34). Barcelona: UPC.

Corrêa, R. L. (2003). Região e organização espacial (7th ed., Vol. 1). São Paulo: Editora Ática.

Costa, N. M. S. M. (2007). Mobilidade e transporte em áreas urbanas. O caso da área metropolitana de Lisboa (Tese de doutorado). Universidade de Lisboa, Lisboa.

Ducruet, C. (2004). Les villes-ports laboratoires de la mondialisation (Tese de doutorado). Université du Havre, Havre.

Garreau, J. (1991). Edge city: life on the new frontier (Vol. 1). Nova Iorque: Doubleday.

Google (2019). Mapa de Dublin, Irlanda, em Google Earth. Recuperado em 20 de setembro de 2019, de https://earth.google.com/web/.

Hall, P., & Pain, K. (2006). The polycentric metropolis: learning from mega-city regions in Europe (Vol. 1). Londres: Earthscan.

Hayuth, Y. (1982). The port-urban interface: an area in transition. Area, 14(3), 219-224. Recuperado em 20 de setembro de 2019, de www.jstor.org/stable/20001825

Hein, C. (2011). Port cities: dynamic landscapes and global networks (Vol. 1). Nova Iorque: Routledge.

Horner, A. A. (1979). Change in the urban hinterland: a long‐term perspective for Dublin. Irish Geography, 12(1), 82-91. http://dx.doi.org/10.1080/00750777909555745.

Howard, E. (1902). Garden cities of tomorrow. Londres: S. Sonnenschein.

Hoyle, B. S. (1989). The port-city interface: trends, problems and examples. Geoforum, 20(4), 429-435. http://dx.doi.org/10.1016/0016-7185(89)90026-2.

Indovina, F. (2009). Dalla città difusa all’arcipelago metropolitano (Vol. 1). Milão: Franco Angeli.

MacLaran, A. (1993). Dublin: the shaping of a capital. London: Belhaven.

MacLaran, A., & Punch, M. (2004). Tallaght: the planning and development of an Irish New Town. Journal of Irish Urban Studies, 3(1), 17-39. Recuperado em 20 de setembro de 2019, de http://hdl.handle.net/2262/67680

Meyer, H. (1999). City and Port: transformation of port cities – London, Barcelona, New York, Rotterdam. Rotterdam: International Books.

Monclús, F. J., & Dematteis, G. (1998). La ciudad dispersa: suburbanización y nuevas periferias (Vol. 1). Barcelona: Centre de Culture Contemporánea de Barcelona.

Moore-Cherry, N., & Vinci, I. (2012). Urban regeneration and economic crisis: past development and future challenges in Dublin, Ireland. Planum – Journal of Urbanism, 25(2), 1-16. Recuperado em 20 de setembro de 2019, de http://hdl.handle.net/10197/4355

Notteboom, T. E., & Rodrigue, J. P. (2005). Port regionalization: towards a new phase in port development. Maritime Policy & Management, 32(3), 297-313. http://dx.doi.org/10.1080/03088830500139885.

Panerai, P. (2006). Análise urbana (Vol. 1). Brasília: EdUnB.

Purdom, C. B. (1949). The building of satellite towns: a contribution to the study of town development and regional planning (2nd ed., Vol. 1). London: J M Dent & Sons.

Redmond, D., Crossa, V., Moore, N. & Williams, B. (2007). Dublin as an emergent global gateway: pathways to creative and knowledge-based regions. Amsterdã: AMIDSt.

Reis, N. G. (2006). Notas sobre urbanização dispersa e novas formas de tecido urbano. São Paulo: Via das Artes.

Solà-Morales i Rubió, M. (1997). Las formas de crecimiento urbano (Vol. 1). Barcelona: UPC.

Tourinho, A. O. (2007). Do centro às novas centralidades: uma trajetória de permanências terminológicas e rupturas conceituais. In M. L. C. Gitahy & J. T. C. Lira (Orgs.), Cidade: impasses e perspectivas (Vol. 2, Arquiteses, pp. 11-28). São Paulo: Annablume Editora.

Van den Berg, L., et al (1982). Urban Europe: a study of growth and decline. Oxford: Pergamon.

Vasconcelos, F. N. (2011). O desenvolvimento da interface cidade-porto em Vitória (ES) do período colonial ao início do século XXI: uma cidade portuária? (Tese de doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Williams, B., & Shiels, P. (2002). The expansion of Dublin and the policy implications of dispersal. Journal of Irish Urban Studies, 1(1), 1-20. Recuperado em 20 de setembro de 2019, de http://hdl.handle.net/2262/68480

Zaremba, P. (1962). Les príncipes du développement des villes portuaires. Académie Polonaise des Sciences, 32(1), 1-33.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.