Movimentos sociais em redes: uma análise do Ocupa Praça em Teresina – PI

Jaqueline de Oliveira Sousa, Olívia Cristina Perez, Masilene Rocha Viana

Resumo


Este trabalho analisa o Movimento Ocupa Praça (2015-2016), utilizando como referencial teórico a perspectiva das redes. O Ocupa Praça formou-se como resistência de moradores de um bairro de Teresina (capital do estado do Piauí) no confronto contra as investidas da Prefeitura local, que, para implementar parte do Plano de Mobilidade Urbana, pretendia suprimir uma Praça com ampla área verde. A pesquisa identificou como os distintos movimentos e organizações reforçaram o poder do Ocupa Praça na arena política. Para tanto, foram analisados documentos, informações da mídia corporativa e do Movimento em redes sociais. Também foram realizadas nove entrevistas com militantes que se configuraram como elos da rede de apoiadores e uma com representante do poder público. Como resultados, destaca-se a presença acentuada de “nós” de uma rede movimentalista que pautou a questão socioambiental no debate público e ampliou o poder de interlocução do Movimento, gerando impacto e influência sobre a política de mobilidade urbana, alterando-a conforme os interesses dos moradores.


Palavras-chave


Movimentos sociais. Movimento Ocupa Praça. Redes.

Texto completo:

PDF

Referências


Abers, R., & Von Bülow, M. (2011). Movimentos sociais na teoria e na prática: como estudar o ativismo através da fronteira entre Estado e sociedade? Sociologias, 13(28), 52-84. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-45222011000300004.

Abers, R., Serafim, L., & Tatagiba, L. (2014). Repertórios de interação Estado-sociedade em um Estado heterogêneo: a experiência na Era Lula. Dados, 57(2), 325-357. http://dx.doi.org/10.1590/0011-5258201411.

Alonso, A. (2009). As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, 76(76), 49-86. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-64452009000100003.

Andrade, L. R. A. (2016). Gênesis, direitos e revolução: Parque Piauí, 1968-2016. In Anais da I Semana Acadêmica de Ciência Política da UFPI. Teresina: ADUFPI. Recuperado em 24 de fevereiro de 2018, de https://drive.google.com/file/d/0B2P4fUu4q_52dFlONVVaUDNSY2M/view

Avritzer, L., & Costa, S. (2004). Teoria crítica, democracia e esfera pública: concepções e usos na América Latina. Dados, 47(4), 703-728. http://dx.doi.org/10.1590/S0011-52582004000400003.

Brasil. (1988, 5 de outubro). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Diário Oficial da União. Recuperado em 10 de abril de 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ConstituicaoCompilado.htm

Cardoso, R. C. L. (1987). Movimentos sociais na América Latina. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 1(3), 27-37. Recuperado em 24 de fevereiro de 2020, de http://www.anpocs.com/images/stories/RBCS/03/rbcs03_02.pdf

Carlos, E. (2017). Cooperação e conflito na relação movimentos sociais e estado. Política & Sociedade, 16(35), 321-350. http://dx.doi.org/10.5007/2175-7984.2017v16n35p321.

Castells, M. (2001). La Galaxia Internet: reflexiones sobre internet, empresa y sociedad. Barcelona: Areté. http://dx.doi.org/10.1007/978-3-322-89613-1.

Castells, M. (2005). A sociedade em rede (8. ed., Vol. 1). São Paulo: Paz e Terra.

Castells, M. (2013). Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar.

Cayres, D. (2017). Ativismo institucional e interações Estado-movimentos sociais. BIB: Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, (82), 81-104. Recuperado em 24 de fevereiro de 2020, de https://www.anpocs.com/index.php/bib-pt/bib-82/10586-ativismo-institucional-e-interacoes-estado-movimentos-sociais/file

Della Porta, D., & Diani, M. (2006). Social Movements: an introduction (2. ed.). Oxford: Blackwell Publishing.

Diani, M. (1992). The concept of social movement. The Sociological Review, 40(1), 1-25. http://dx.doi.org/10.1111/j.1467-954X.1992.tb02943.x.

Diani, M. (2003). Introduction: social movements, contentious actions, and social networks: ‘from metaphor to substance’? In M. Diani, & D. McAdam (Eds.), Social movements and networks: relational approaches to collective action: comparative politics. New York: Oxford University Press.

Diani, M., & Bison, I. (2010). Organizações, coalizões e movimentos. Revista Brasileira de Ciência Política, (3), 220-249. Recuperado em 24 de fevereiro de 2020, de https://periodicos.unb.br/index.php/rbcp/article/view/1681/1478

Doimo, A. M. (1995). A vez e a voz do popular: movimentos sociais e participação política no Brasil pós-70. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Dowbor, M. (2012). A arte da institucionalização: estratégias de mobilização dos sanitaristas (1974-2006) (Tese de doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Façanha, A. C. (2003). A evolução urbana de Teresina: passado, presente e.... Carta CEPRO, 22(1), 59-69. Recuperado em 24 de fevereiro de 2020, de https://www.google.com/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=2ahUKEwj_tL7ovurnAhWmHbkGHeLgBz0QFjAAegQIAxAB&url=https%3A%2F%2Fsigaa.ufpi.br%2Fsigaa%2FverProducao%3FidProducao%3D877156%26key%3D9fcac448d38db120e1f951238806e74d&usg=AOvVaw3dn-iC32ozfJmOUzSAL4y0

Gohn, M. G. (2000). 500 anos de lutas sociais no Brasil: movimentos sociais, ONGs e terceiro setor. Mediações, 5(1), 11-40. http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2000v5n1p11.

Gohn, M. G. (2010). Novas teorias dos movimentos sociais (3. ed.). São Paulo: Edições Loyola.

Gohn, M. G. (2011). Conselhos gestores e participação sociopolítica (4. ed., Vol. 32). São Paulo: Cortez.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2019). Cidades: Teresina. Recuperado em 24 de fevereiro de 2020, de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pi/teresina/panorama

Labra, M., & Figueiredo, J. (2002). Associativismo, participação e cultura cívica: o potencial dos Conselhos de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 7(3), 537-547. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232002000300011.

Lavalle, A. G. (2003). Sem pena nem gloria: o debate da sociedade civil nos anos 1990. Novos Estudos CEBRAP, (66), 91-110. Recuperado em 23 de fevereiro de 2020, de https://www.researchgate.net/publication/258220356_Sem_pena_nem_gloria_-_O_debate_da_sociedade_civil_nos_anos_1990

Lavalle, A. G., & Szwako, J. (2015). Sociedade civil, Estado e autonomia: argumentos, contra-argumentos e avanços no debate. Opinião Pública, 21(1), 157-187. http://dx.doi.org/10.1590/1807-0191211157.

Lavalle, A. G., Carlos, E., Dowbor, M., & Szwako, J. (2019). Movimentos sociais, institucionalização e domínios de agência. In A. G. Lavalle, E. Carlos, M. Dowbor, & J. Szwako (Eds.), Movimentos sociais e institucionalização: políticas sociais, raça e gênero no Brasil pós-transição. Rio de Janeiro: EdUERJ.

Matos, M., & Paradis, C. G. (2014). Desafios à despatriarcalização do Estado brasileiro. Cadernos Pagu, 43(43), 57-118. http://dx.doi.org/10.1590/0104-8333201400430057.

Melucci, A. (1989). Um objetivo para os movimentos sociais? Lua Nova: Revista de Cultura e Política, 17(17), 49-66. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-64451989000200004.

Pereira, R. (2015, 9 de julho). Viva Madalena: casarão permanece ocupado e jovens terão que depor. Cidade Verde. Recuperado em 19 de janeiro de 2020, de https://cidadeverde.com/noticias/197160/viva-madalena-casarao-permanece-ocupado-e-jovens-terao-que-depor

Perez, O. C., & Santos, G. G. C. (2019). A produção acadêmica sobre participação social no Brasil: trajetória e agendas de pesquisa. BIB: Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, (90), 1-22. http://dx.doi.org/10.17666/bib9005/2019.

Pires, R. R. C., & Vaz, A. C. N. (2014). Para além da participação: interfaces socioestatais no governo federal. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, 93(93), 61-91. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-64452014000300004.

Portal O Dia. (2015). Moradores da Zona Sul ocupam Praça para evitar retirada de arvores. Teresina: Portal O Dia. Recuperado em 1 de fevereiro de 2020, de https://www.portalodia.com/noticias/piaui/moradores-da-zona-sul-ocupam-praca-para-evitar-retirada-de-arvores-249191.html

Ribeiro, A. C. T. (2009). Cartografia da ação social, região latino-americana e novo desenvolvimento urbano. In H. Poggiese, & T. T. C. Egler (Eds.), Outro desarrollo urbano: ciudad incluyente, justicia social y gestión democratica (pp. 147-156). Buenos Aires: CLACSO.

Sader, E. (1988). Quando novos personagens entraram em cena: experiências, falas e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo: 1970-80. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Santos, O. A., Jr., Ribeiro, L. C. Q., & Azevedo, S. (2004). Governança democrática e poder local: a experiência dos Conselhos Municipais no Brasil. Rio de Janeiro: Revan/Fase.

Scherer-Warren, I. (1998). Movimentos em Cena: ... e as teorias por onde andam? Revista Brasileira de Educação, (9), 16-29. Recuperado em 24 de fevereiro de 2020, de http://anped.tempsite.ws/novo_portal/rbe/rbedigital/RBDE09/RBDE09_04_ILSE_SCHERER-WARREN.pdf

Scherer-Warren, I. (2003). Sujeitos e movimentos conectando-se através de Redes. Política & Trabalho, (19), 29-37. Recuperado em 24 de fevereiro de 2020, de https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/politicaetrabalho/article/view/6501/4066

Scherer-Warren, I. (2005a). Redes de movimentos sociais num mundo multicultural. Revista Katálysis, 8(1), 24-31.

Scherer-Warren, I. (2005b). Redes sociales y de movimientos en la sociedad de la información. Revista Nueva Sociedad, (196), 77-92. Recuperado em 24 de fevereiro de 2020, de https://nuso.org/articulo/redes-sociales-y-de-movimientos-en-la-sociedad-de-la-informacion/

Scherer-Warren, I. (2006). Das mobilizações às redes de movimentos sociais. Sociedade e Estado, 21(1), 109-130. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922006000100007.

Scherer-Warren, I. (2007). Fóruns e redes da sociedade civil: percepções sobre exclusão social e cidadania. Revista Política & Sociedade, 6(11), 19-40. http://dx.doi.org/10.5007/%25x.

Scherer-Warren, I. (2008). Movimentos sociais no Brasil contemporâneo. História: Debates e Tendências, 7(1), 9-21. Recuperado em 24 de fevereiro de 2020, de http://seer.upf.br/index.php/rhdt/article/view/2947/1994

Scherer-Warren, I. (2011). Redes de movimentos sociais (5. ed.). São Paulo: Loyola.

Scherer-Warren, I. (2013). Redes e movimentos sociais projetando o futuro. Revista Brasileira de Sociologia, 1(1), 187-217. http://dx.doi.org/10.20336/rbs.29.

Silva, M. R. F. (2000). Comerciários e Bancários: experiências coletivas no Novo Sindicalismo (Tese de doutorado). Faculdade de Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Tarrow, S. (2009). O poder em movimento: movimentos sociais e confronto político (1. ed.). Petrópolis: Vozes.

Tatagiba, L. (2002). Os Conselhos Gestores e a democratização das políticas públicas no Brasil. In E. Dagnino (Ed.), Sociedade civil e espaços públicos no Brasil (pp. 47-104). São Paulo: Paz e Terra.

Teresina. (1969). Plano de desenvolvimento local integrado de Teresina. COPLAN S.A. Construções e Planejamento.

Teresina. Prefeitura. (2008). Plano Diretor de Transporte e Mobilidade Urbana de Teresina. Recuperado em 20 de julho de 2020, de https://semplan.teresina.pi.gov.br/plano-diretor-de-transporte-e-mobilidade-urbana-de-teresina/

Teresina. Prefeitura. (2015). PMT apresenta propostas de compensação ambiental para o Parque Piauí. Recuperado em 25 de janeiro de 2020, de https://semplan.teresina.pi.gov.br/2015/11/06/pmt-apresenta-propostas-de-compensacao-ambiental-para-o-parque-piaui/

Tilly, C. (2010). Os movimentos sociais como política. Revista Brasileira de Ciência Política, 3, 133-160. Recuperado em 20 de julho de 2017, de https://periodicos.unb.br/index.php/rbcp/article/view/1677/1475

Toni, F. (2001). Novos rumos e possibilidades para o estudo dos movimentos sociais. BIB: Revista Brasileira de informação Bibliográfica em Ciências Sociais, (52), 79-104. Recuperado em 24 de fevereiro de 2020, de https://anpocs.com/index.php/bib-pt/bib-52/526-novos-rumos-e-possibilidades-para-os-estudos-dos-movimentos-sociais/file

Touraine, A. (1989). Os novos conflitos sociais para evitar mal-entendidos. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, 17(17), 5-18. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-64451989000200002.

Uchôa, G. (2015, 19 de julho). Movimento #vivamadalena alerta para preservação de prédios históricos. Teresina: Portal O Dia. Recuperado em 22 de janeiro de 2020, de https://www.portalodia.com/esporte/esporte/movimento-vivamadalena-alerta-para-preservacao-de-predios-historicos-241679.html

Viana, M. R., Oliveira, F. M., & Medeiros, L. B. (2019). Apresentação. In M. R. Viana, F. M. Oliveira, & L. B. Medeiros (Eds.), Sociedade civil e movimentos sociais no Piauí (pp. 7-17). Teresina: EDUFPI.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.