Propriedade pública e função social: a destinação das terras da União na Operação Urbana Porto Maravilha

Orlando Alves dos Santos Junior, Mariana Werneck, Tuanni Rachel Borba, Ana Paula Soares Carvalho

Resumo


O argumento central do artigo é que a definição da função social da propriedade é inerentemente contraditória e conflitiva, podendo servir tanto aos agentes do mercado imobiliário quanto às classes populares. O Estado busca gerir este conflito por meio de mecanismos seletivos que definem, em cada situação, qual o seu conteúdo e desfecho. Para esta reflexão, toma-se como objeto a destinação dos terrenos públicos da União na Operação Urbana Consorciada (OUC) Porto Maravilha. Neste caso, busca-se mostrar que esse conflito foi resolvido em prol do mercado imobiliário, implicando a suspensão temporária da lógica arrecadatória, que marca a atuação da Secretaria de Patrimônio da União (SPU), para viabilizar o modelo financeiro da operação urbana, expressando-se na privatização de terras públicas na área portuária. Nesse contexto, a prevalência da lógica destinatória não foi capaz de viabilizar projetos destinados para Habitação de Interesse Social, que não saíram do papel. Não obstante, a privatização dos terrenos públicos ainda não se mostrou capaz de alavancar o interesse do mercado imobiliário na região, permanecendo incerto o futuro do Projeto Porto Maravilha.


Palavras-chave


Função Social da Propriedade. Patrimônio da União. Terrenos Públicos. Porto Maravilha.

Texto completo:

PDF

Referências


Belisário, A. (2018). Porto Maravilha corre o risco de parar novamente em 2018. Recuperado em 26 de fevereiro de 2018, de https://apublica.org/2018/02/porto-maravilha-corre-o-risco-de-parar-novamente -em-2018/

Borba, T. R. (2017). Políticas públicas e mudança institucional na Secretaria do Patrimônio da União (SPU): o caso do Porto Maravilha (Dissertação de mestrado). Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria do Patrimônio da União. (2010). Balanço de gestão 2003-2010. Recuperado em 1 de outubro de 2018, de http://www.planejamento.gov.br/assuntos/patrimonio-da-uniao/politica-nacional-de-gestao-do-patrimonio-da-uniao/relatorios-de-gestao/balanco_de_gestao_spu_2003-2010.pdf/view

Brasil. (2017, 1 de março). Instrução normativa nº 22, de 22 de fevereirode 2017. Brasília: Diário Oficial da União.

Brasil. Ministério da Economia. (2018). Balanço de gestão 2003-2010. Recuperado em 1 de outubro de 2018, de http://www.planejamento.gov.br/assuntos/patrimonio-da-uniao/legislacao/regimento-interno-spu-portaria-232-2005.pdf/@@download/file/Regimento%20Interno%20SPU%20Portaria%20232-2005.pdf

Denaldi, R., Brajato, D., Souza, C. V. C., & Frota, H. B. (2017). A aplicação do parcelamento, edificação ou utilização compulsórios. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 9(2), 172-186. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.009.002.ao02.

Di Pietro, M. S. Z. (2006). Função social da propriedade pública. Revista Eletrônica de Direito do Estado, 6, 1-13.

Fernandes, E., & Alfonsin, B. (Eds.). (2003). A lei e a ilegalidade na produção do espaço urbano. Belo Horizonte: Del Rey.

Fix, M. (2004). A “fórmula mágica” da parceria público-privada: operações urbanas em São Paulo. In M. C. Schicchi, & D. Benfatti Dênio (Eds.), Urbanismo: dossiê São Paulo-Rio de Janeiro (pp. 185-198). Campinas: PUCCAMP/PROURB.

Frota, H. B. (2015). Função social da propriedade: pesquisa analisa aplicação de instrumentos urbanísticos. Recuperado em 10 de outubro de 2018, de https://observasp.wordpress.com/2015/11/10/funcao-social-da-propriedade-pesquisa-analisa-aplicacao-de-instrumentos-urbanisticos/

Harvey, D. (1980). A justiça social e a cidade. São Paulo: Hucitec.

Moreira, F. (2018). Terras de exclusão, portos de resistência: um estudo sobre a função social das terras da União (Tese de doutorado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Offe, C. (1984). Problemas estruturais do Estado capitalista. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Offe, C., & Ronge, V. (1984). Teses sobre a fundamentação do conceito de “Estado Capitalista” e sobre a pesquisa política de orientação materialista. In C. Offe (Ed.), Problemas estruturais do Estado capitalista (pp. 122-137). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Oliveira, F. L., & Biasotto, R. (2011). O acesso à terra urbanizada nos planos diretores brasileiros. In O. A. Santos Jr., & D. T. Montandon (Eds.), Os planos diretores pós-estatuto da cidade: balanço crítico e perspectivas. Rio de Janeiro: Letra Capital; Observatório das Cidades: IPPUR/UFRJ.

Pereira, A. L. S (2015). Intervenções em centros urbanos e conflitos distributivos: modelos regulatórios, circuitos de valorização e estratégias discursivas (Tese de doutorado). Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo. Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Secretaria de Patrimônio da União – SPU. (2014, 17 de junho). Nota técnica 338/2014. Brasília: Diário Oficial da União.

Polanyi, K. (2000). A Grande Transformação: as origens da nossa época. Rio de Janeiro: Editora Campus.

Poulantzas, N. (2000). O estado, o poder, o socialismo. Rio de Janeiro, São Paulo: Edições Graal/Paz e Terra.

Reschke, A. (2010) O Estatuto da Cidade e o papel do patrimônio da união na democratização do acesso a terra e na democratização do estado (Monografia de especialização). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Ribeiro, L. C. Q., & Cardoso, A. L. (Eds.). (2003). Reforma urbana e gestão democrática: promessas e desafios do Estatuto da Cidade. Rio de Janeiro: Revan/FASE.

Santos, O. A., Jr., & Montandon, D. T. (Eds.). (2011). Os planos diretores pós-estatuto da cidade: balanço crítico e perspectivas. Rio de Janeiro: Letra Capital; Observatório das Cidades: IPPUR/UFRJ.

Santos, O. A., Jr., Lacerda, L., Werneck, M., & Ribeiro, B. (2018). Informalidade, Invisibilidade e vulnerabilidade dos cortiços: disputas pela centralidade na área portuária do Rio de Janeiro. O Social em Questão, 42, 83-118.

Schmidt, S. (2017). Sem repasses desde janeiro, concessionária suspende obras na zona portuária. O Globo. Recuperado em 26 de fevereiro de 2018, de https://oglobo.globo.com/rio/sem-repasses-desde-janeiro-concessionaria-suspende-obras-na-zona-portuaria-21489095

Torres Ribeiro, A. C. (2005). Território usado e humanismo concreto: o mercado socialmente necessário. In Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina (pp. 12458-12470). São Paulo: USP.

Werneck, M. (2016). Porto Maravilha: agentes, coalizões de poder e neoliberalização no Rio de Janeiro (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-graduação em Planejamento Urbano e Regional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Werneck, M., Novaes, P. R., Santos, O. A. S., Jr. (2018, 28 de dezembro). A estagnação da dinâmica imobiliária e a crise da operação urbana do Porto Maravilha Mariana da Gama e Silva Werneck (Informe crítico). Rio de Janeiro: IPPUR/UFRJ, Observatório das Metrópoles.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.