Mobilidade nos centros urbanos: estudo para implantar ruas completas no centro de João Pessoa, Paraíba, Brasil

Vivianne Lisbethe Bezerra Maropo, José Augusto Ribeiro da Silveira, Ana Gomes Negrão, Dimitri Costa Castor

Resumo


O conceito de Ruas Completas origina-se da necessidade de transformar o atual modelo de planejamento urbano das cidades, em que o transporte motorizado individual é considerado o protagonista do espaço público. Atualmente, são lançados inúmeros conceitos que levantam a questão de fazer cidades para pessoas, que tragam benefícios ao meio urbano e ao bem-estar da população, pois o pedestre passa a ser a prioridade no planejamento, e que incentivem o uso de transportes sustentáveis. Este artigo consiste na construção de um diagnóstico quanto aos aspectos físico-espaciais do bairro Centro de João Pessoa, na Paraíba, para, assim, obter conhecimento sobre as peculiaridades e demandas do local, a fim de aplicar os objetivos das Ruas Completas e aferir sua pertinência. Utilizou-se da sintaxe espacial para definição das ruas a serem trabalhadas e, em seguida, dos métodos counting, mapping, photographing e keeping a diary – contando, mapeando, fotografando e mantendo um diário –, que se compatibilizaram no escopo do trabalho e auxiliaram no levantamento mais preciso dos fluxos e comportamentos da população do bairro, viabilizando a elaboração da proposta. Com os resultados, percebeu-se que existe uma série de ruas no Centro que precisam de grandes intervenções a favor dos pedestres e que o bairro necessita de ações que incentivem a ocupação dos lotes vazios/subutilizados com usos mistos e fachadas ativas, para garantir a movimentação do local ao longo do dia.


Palavras-chave


Ruas Completas, Planejamento Urbano, Mobilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, P. A. F., Ribeiro, E. L., & Silveira, J. A. R. (2009). Centralidade urbana na cidade de João Pessoa-PB: uma análise dos usos comerciais e de serviços entre o centro tradicional e o centro seletivo-1970/2006 (Vol. 9). São Paulo: Arquitextos.

Brito, H. C. (2012). A receptividade do traffic calming no Bairro de Manaíra, João Pessoa-PB. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-graduação em Engenharia Urbana e Ambiental, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

Corrêa, R. (1989). O espaço urbano. São Paulo: Ática.

Figueiredo, L. (2010). Desurbanismo: um manual rápido de destruição de cidades. In Anais do I ENANPARQ. Rio de Janeiro: ANPARQ.

Gehl, J. (2013). Cidades para pessoas. São Paulo: Perspectiva.

Gehl, J., & Svarre, B. (2013). How to study public life. Washington: Island Press. http://dx.doi.org/10.5822/978-1-61091-525-0.

Guedes, K. A., Tinem, N., & Vidal, W. (2013). Rua do Tambiá: transformações contemporâneas no Centro Histórico de João Pessoa. In Anais do 4º Arquimemória. Salvador: IAB.

Hillier, B., & Hanson, J. (1984). The social logic of space. Cambridge: Cambridge University Press. http://dx.doi.org/10.1017/CBO9780511597237.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2010). Censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 20 de março de 2018, de www.ibge.gov.br

Jacobs, J. (2013). Morte e vida das grandes cidades (3. ed.). São Paulo: WMF Martins Fontes.

João Pessoa. Prefeitura Municipal. (1992). Plano diretor da cidade de João Pessoa. Recuperado em 20 de março de 2018, de http://www.joaopessoa.pb.gov.br/secretarias/seplan/plano-diretor/

João Pessoa. Prefeitura Municipal. (2009). Decreto N. 6.499 de 20 de março de 2009. Recuperado em 22 de julho de 2020, de http://antigo.joaopessoa.pb.gov.br/portal/wpcontent/uploads/2012/04/planodiretor2009.pdf/.

João Pessoa. Prefeitura Municipal. (2012). Plano cicloviário de João Pessoa. Recuperado em 20 de março de 2018, de http://www.joaopessoa.pb.gov.br/secretarias/semob/pac-mobilidade-urbana/

João Pessoa. Prefeitura Municipal. (2014). Plano de ação João Pessoa sustentável. Recuperado em 20 de março de 2018, de http://polis.org.br/wp-content/uploads/Plano_de_Acao_Joao_Pessoa_ICES.pdf

Karssenberg, H., Laven, J., Glaser, M., & Hoff, M. V. (2015). A cidade ao nível dos olhos: lições para os plinths. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Negrão, A. G., & Silveira, J. A. R. (2016). Conjuntos habitacionais populares e periferização: a produção e apropriação do setor sudeste de João Pessoa/Paraíba. In A. Silva, M. D. Silva, & J. A. R. Silveira (Eds.), Lugares e suas interfaces intraurbanas: transformações urbanas e periferizações. João Pessoa: UFPB.

São Paulo. (2014). Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo. Recuperado em 20 de março de 2018, de https://gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br/arquivos/PDE-Suplemento-

Scocuglia, J. B. C. (1999). A política habitacional do BNH no Brasil pós-64 e seus reflexos na expansão urbana de João Pessoa. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB.

Scocuglia, J. B. C. (2017). Cidades, intervenções e práticas urbanas: usos do espaço público e qualidade sociourbanística nos centros de João Pessoa e Recife. Recuperado em 20 de março de 2018, de https://leccur.wordpress.com/2017/08/23/page/2

Silva, E. R. (2016). Centro Antigo de João Pessoa: forma, uso e patrimônio edificado (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Silva, G. J. A., & Romero, M. A. B. (2015). Sustentabilidade urbana aplicada: análise dos processos de dispersão, densidade e uso e ocupação do solo para a cidade de Cuiabá, Estado de Mato Grosso, Brasil. EURE. Revista Latinoamericana de Estudios Urbano Regionales, 41(122), 209-237. http://dx.doi.org/10.4067/S0250-71612015000100010.

Silva, G. J. A., Silva, S. E., & Nome, C. A. (2016). Densidade, dispersão e forma urbana: dimensões e limites da sustentabilidade habitacional. Arquitextos, 16(189.07). Recuperado em 20 de março de 2018, de http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/16.189/5957

Speck, J. (2017). Cidade caminhável (A. Dimarco, & A. Natividade, Trad.). São Paulo: Perspectiva.

Universidade Federal da Paraíba – UFPB. Laboratório do Ambiente Urbano e Edificado – LAURBE. (2010). Relatório do índice de qualidade de vida urbana de João Pessoa, Paraíba (IQVU/JP/PB). João Pessoa.

Vaughan, L. (2001). Space Syntax observation manual. London: Space Sintax.

Villaça, F. (2001). Epaço intraurbano no Brasil: esse desconhecido. São Paulo: Studio Nobel.

WRI Brasil. (2017). Ruas completas dão vida e segurança aos espaços urbanos. Recuperado em 24 de agosto de 2017, de http://wricidades.org/noticia/ruas-completas-dao-vida-e-seguranca-aos-espacos-urbanos

WRI Cidades. (2017). Afinal, o que são ruas completas? Recuperado em 24 de dezembro de 2017, de http://wricidades.org/noticia/afinal-o-que-sao-ruas-completas

Zavestoski, S., & Agyeman, J. (2015). Complete streets: what is missing? In S. Zavestoski, & J. Agyeman (Eds.), Incomplete streets: processes, practices, possibilities. New York: Routledge.

Zmitrowicz, W., De Angelis, G., No. (1997). Infra-estrutura urbana (Textos Técnicos). São Paulo: POLI-USP.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.