Modelagem e morfologia urbana com o PeopleGrid

Mauricio Couto Polidori, Otávio Martins Peres, Fernanda Tomiello

Resumo


Modelagem urbana tem sido uma das maneiras para compreender a cidade, capturando parte da realidade e realizando experimentos, o que pode ser feito com sucesso em estudos em morfologia urbana. Com o uso crescente da internet, popularização e aumento da velocidade de transmissão de dados, modelos com operação on line representam uma alternativa interessante, o que pode trazer avanços na sua popularização, angariando participação e integrando com sistemas de informações geográficas. O objetivo deste artigo é apresentar a plataforma PeopleGrid, a qual consiste numa ferramenta para realizar perguntas e obter respostas sobre aspectos urbanos que têm como fundamento a localização, permitindo desenhar em mapas disponíveis na internet, sobre grids com células quadradas, com temas e níveis de desagregação espacial decididos pelos pesquisadores. Nos estudos de morfologia urbana, a plataforma oferece uma possibilidade de elaborar mapas mediante um processo colaborativo, os quais podem vir a representar desejos coletivos, obtidos pelo somatório das opiniões individuais. Desse modo, a plataforma PeopleGrid captura aspectos da realidade através do conhecimento parcial da cidade que cada pessoa possui, valorizando subjetividades e construindo uma nova informação, que pode ser reconhecida como uma intersubjetividade.

Palavras-chave


Modelagem urbana. Morfologia urbana. Mapeamento colaborativo.

Texto completo:

PDF

Referências


Alberti, M., Marzluff, J. M., Shulenberger, E., Bradley, G., Ryan, C., & Zumbrunnen, C. (2003). Integrating humans into ecology: opportunities and challenges for studying urban ecosystems. Bioscience, 53(12), 1169-1179. http://dx.doi.org/10.1641/0006-3568(2003)053[1169:IHIEOA]2.0.CO;2.

Batty, M. (1998). Urban evolution on the desktop: simulation with the use of extended cellular automata. Environment & Planning A, 30(11), 1943-1967. http://dx.doi.org/10.1068/a301943.

Batty, M. (2003). Experiments is Web-based PPGIS: multimedia in urban regeneration. In P. A. Longley, & M. Batty (Eds.), Advanced spatial analysis (Chap. 8). California: ESRI.

Batty, M., & Torrens, P. (2001). Modeling complexity: the limits to prediction. London: Casa, UCL. Recuperado em 10 de julho de 2019, de https://www.ucl.ac.uk/bartlett/casa/sites/bartlett/files/migrated-files/paper36_0.pdf

Bugs, G. (2010). Uso da cartografia digital interativa para a participação popular na gestão e planejamento urbano (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-graduação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Recuperado em 10 de julho de 2019, de https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/112006/000953046.pdf

Buzai, G. D. (2003). Mapas sociales urbanos. Buenos Aires: Lugar.

Campo, M. R. (1997). Compreensão visual de frameworks através da introspeção de exemplos (Tese de doutorado). Programa de Pós-graduação em Ciência da Computação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Recuperado em 10 de julho de 2009, de https://lume.ufrgs.br/handle/10183/17972

Forman, R. T. T. (1995). Land mosaics: the ecology of landscapes and regions. New York: Cambridge University Press. http://dx.doi.org/10.1017/9781107050327.

Gabardo, A. C. (2010). CodeIgniter framework PHP. São Paulo: Novatec.

Hillier, B., & Hanson, J. (1984). The social logic of space. Cambridge: Cambridge University Press. http://dx.doi.org/10.1017/CBO9780511597237.

Lamas, J. M. (1993). Morfologia urbana e desenho da cidade. Lisboa: Dinalivro.

Lucas, C. (2000). Complexity and artificial life: what are they? Manchester: CALResCo.Group. Recuperado em 10 de julho de 2019, de http://calresco.org/cal.htm

McGarigal, K., & Marks, B. J. (1994). Fragstats: spatial pattern analysis program for quantifying landscape structure, version 2.0. Amherst, MA: University of Massachusetts. Recuperado em 10 de julho de 2019, de http://www.umass.edu/landeco/pubs/mcgarigal.marks.1995.pdf

O’Sullivan, D., Martin, D., & Ioannis, C. (2001). Complex spatial systems: the modelling foundations of urban and regional analysis. Environment and Planning. B, Planning & Design, 28(3), 475-478. http://dx.doi.org/10.1068/b2803rvw.

Oliveira, V. (Ed.). (2018). Diferentes abordagens em morfologia urbana: contributos luso-brasileiros. Porto: FEUP. Recuperado em 10 de julho de 2019, de https://vitoroliveira.fe.up.pt/pdf/diferentes-abordagens-em-morfologia-urbana.pdf

Pascual, V., Aguilera, F., Gómez, M., Barreira, P., Santos, J. M., & Sendra, J. B. (2011). Métodos de comparación de mapas simulados del crecimiento urbano con los mapas reales. In XII CONFIBSIG - Conferencia Iberoamericana en Sistemas de Información Geográfica (pp. 47-65). Toluca, México: Instituto Literario, Universidad Autónoma del Estado de México. Recuperado em 10 de julho de 2019, de https://www.academia.edu/7519011/Libro_CONFIBSIG

Pena-Vega, A. (2003). O despertar ecológico: Edgar Morin e a ecologia complexa (R. Nascimento & E. Nascimento, trad.). Rio de Janeiro: Garamond.

PeopleGrid. (2019). Recuperado em 10 de julho de 2019, de http://www.peoplegrid.com.br/

Pesci, R. (2000). Del Titanic al Velero. La Plata: Cepa.

Polidori, M. (2004). Crescimento urbano e ambiente: um estudo exploratório sobre as transformações e o futuro da cidade (Tese de doutorado). Programa de Pós-graduação em Ecologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Recuperado em 10 de julho de 2019, de http://hdl.handle.net/10183/6191

Portugali, J. (2000). Self-organization and the city. Berlin: Springer. http://dx.doi.org/10.1007/978-3-662-04099-7.

Presmann, R. S. (1995). Engenharia de software: uma abordagem profissional (8. ed.). São Paulo: AMGH.

Saaty, T. L. (1980). The analytic hierarchy process. New York: McGraw-Hill.

Toralles, C. P. (2012). Cidade e crescimento periférico: modelagem e simulação da formação de periferias urbanas com autômatos celulares (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas. Recuperado em 10 de julho de 2019, de https://wp.ufpel.edu.br/prograu/dissertacoes-urbanismo-contemporaneo/2/

Universidade Federal de Pelotas – UFPel. (2019a). UrbanMetrics. Pelotas. Recuperado em 10 de julho de 2019, de https://wp.ufpel.edu.br/urbanmetrics/

Universidade Federal de Pelotas – UFPel. (2019b). CityCell. Pelotas. Recuperado em 10 de julho de 2019, de https://wp.ufpel.edu.br/citycell/


Apontamentos

  • Não há apontamentos.