Vazios urbanos: a não utilização dos imóveis municipais em Campina Grande e o descumprimento da função social da propriedade

Gilberto Rodrigues Carneiro, Edjane Esmerina Dias da Silva

Resumo


Os bens imóveis que compõem o patrimônio do Estado são instrumentos de execução de políticas públicas e devem servir à sociedade. Entretanto é extremamente comum encontrar terrenos baldios, prédios fechados ou até edifícios, todos públicos, que não utilizam o total de suas respectivas áreas. Este fato caracteriza uma verdadeira violação aos princípios constitucionais da função social da propriedade e da eficiência. Como consequência dessa malversação dos bens públicos, nasce um problema comum a grandes cidades brasileiras: os “vazios urbanos”. Diante deste cenário, esta pesquisa propõe, através de um estudo de caso, investigar os desusos de imóveis públicos municipais e a mapear “vazios urbanos” no perímetro urbano do município de Campina Grande, segundo maior município do estado da Paraíba, Brasil. Como resultado desta pesquisa foram encontrados um total de 19 imóveis públicos esvaziados. A maioria destes “vazios urbanos” localizam-se em bairros periféricos, comprometendo a função social de interesse da população carente.


Palavras-chave


Administração Pública. Vazios Urbanos. Direito á cidade. Bens públicos. Imóveis Públicos.

Texto completo:

PDF

Referências


Abe, N. C. (2008). Notas sobre a inaplicabilidade da função social à propriedade pública. Revista Brasileira de Direito Constitucional, 7(18), 135-154. http://dx.doi.org/10.25109/2525-328X.v.7.n.18.2008.314.

Borde, A.P.L. (2006). Vazios urbanos: perspectivas contemporâneas (Tese de doutorado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro.

Brasil. (1988, 5 de outubro). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Diário Oficial da União.

Brasil. (2001, 11 de julho). Lei n. 10.257, de 10 de julho de 2001. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, seção 1.

Campina Grande. (2006, 9 de outubro). Lei Complementar n. 003, de 8 de outubro de 2006. Promove a revisão do Plano Diretor do Município de Campina Grande. Campina Grande: Diário Oficial do Município, seção 1.

Carvalho, W. C. (2012). Bens dominicais: um anacronismo na administração pública. Revista Controle: Doutrinas e Artigos, 10(2), 158-169. http://dx.doi.org/10.32586/rcda.v10i2.240.

Castells, M. (2009). A questão urbana (4. ed.). São Paulo: Paz e Terra.

Clemente, J. C. (2012). Vazios urbanos e imóveis subutilizados no centro histórico tombado da cidade de João Pessoa – PB (Dissertação de mestrado). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

Di Pietro, M. S. Z. (2006). Função social da propriedade pública. Revista Eletrônica de Direito do Estado, (6), 1-13.

Dittmar, A. C. C. (2006). Paisagem e morfologia de vazios urbanos: análise da transformação dos espaços residuais e remanescentes urbanos ferroviários em Curitiba - PR (Dissertação de mestrado). Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba.

Harvey, D. (2012). O direito à cidade. Lutas Sociais, (29), 73-89.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE (2019). População Estimada. Rio de Janeiro: IBGE.

Janeiro, P. A. (2009). Cheios inúteis: a imagem do vazio na cidade. Artitextos, (8), 181-193. Recuperado em 28 de dezembro de 2017, de http://hdl.handle.net/10400.5/1488

Lefebvre, H. (2010). O direito a cidade (5. ed.). São Paulo: Centauro.

Morgado, S. (2005). Protagonismo de la ausencia, Interpretación urbanística de la formación metropolitana de Lisboa desde lo desocupado (Tese de doutorado). Universidade Politécnica da Catalunha, Catalunha.

Portas, N. (2000). Do vazio ao cheio: vazios e o planejamento das cidades (Caderno de Urbanismo, No. 2). Rio de Janeiro: SMU. Recuperado em 28 de dezembro de 2017, de www.rio.rj.gov.br/smu

Santana, L. S. (2006). Os vazios urbanos nos centros de cidades como lugar para habitação de interesse social: o caso de Maceió/AL (Dissertação de mestrado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Alagoas, Maceió.

Santos, S. C. S. (2011). Espaços urbanos expectantes como oportunidades para a requalificação: entre a cidade e o rio (envolvente da Cordoaria) (Dissertação de mestrado). Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa.

Sousa, C. A. (2010). Do cheio para o vazio: metodologia e estratégia na avaliação de espaços urbanos obsoletos (Dissertação de mestrado). Universidade de Lisboa, Lisboa.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.