Mobilidade e a atração de viagens de ônibus da área central de Belo Horizonte

Daniela Antunes Lessa, Carlos Lobo

Resumo


As questões que envolvem o planejamento e a gestão do espaço urbano têm relação direta com o sistema de transportes. Existe uma interdependência entre crescimento urbano e a demanda por mobilidade, de maneira que deficiências de transportes interferem diretamente no cotidiano da população. Com base em métodos de análise espacial e no uso de ferramentas disponíveis em SIGs, avaliou-se para o caso de Belo Horizonte o nível de centralização e o poder de atração de viagens exercido pela área central, tendo como base os fluxos identificados nas últimas duas pesquisas “Origem e Destino”. Diferentemente dos estudos que sugerem um forte processo de descentralização e rompimento do tradicional modelo centro-periferia, os resultados apresentados nesse trabalho indicam que a estrutura espacial de Belo Horizonte se manteve altamente concentrada na área central, embora novos fluxos pareçam convergir para novas centralidades no município.


Palavras-chave


Mobilidade. Centralidades. Área Central. Ônibus.

Texto completo:

PDF

Referências


Anderson, N. B., & Bogart, W. T. (2001). The structure of sprawl: identifying and characterizing employment centers in polycentric metropolitan areas. American Journal of Economics and Sociology, 60(1), 147-169. http://dx.doi.org/10.1111/1536-7150.00058.

Balbim, R. (2016). Mobilidade: uma abordagem sistêmica. In R. Balbim, C. Krause, & C. Linke (Org.), Cidade e movimento: mobilidades e interações no desenvolvimento urbano (pp. 23-42). Brasília: IPEA.

Barbosa, J. L. (2014). A mobilidade urbana como expressão do Direito à Metrópole. In E. Limonad & E. Castro (Org.), Um novo planejamento para um novo Brasil? (pp. 43-56). Rio de Janeiro: Letra Capital.

Batty, M. (2005). Cities and complexity. Cambridge: The MIT Press.

Belo Horizonte. (2006). Centro Vivo: Programa de Requalificação da Área Central de Belo Horizonte. In Anais do I Encontro de Planejamento Estratégico para Centros Urbanos. Porto Alegre: Procempa. Belo Horizonte. (2011). Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado da Região Metropolitana de Belo Horizonte – PDDI-RMBH (Vol. 1, Relatório Técnico, Produto 6). Belo Horizonte: UFMG. Belo Horizonte. Prefeitura Municipal. (1996, 27 de agosto). Lei 7.165, de 27 de agosto de 1996. Plano Diretor de Belo Horizonte. Belo Horizonte: Diário Oficial do Município. Belo Horizonte. Prefeitura Municipal. (2019, 8 de agosto). Lei 11.181, de 8 de agosto de 2019. Plano Diretor de Belo Horizonte. Belo Horizonte: Diário Oficial do Município. Berman, M. (2007). Tudo o que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia de Bolso. Bertaud, A. (2004). The spatial organization of cities: deliberate outcome or unforeseen consequence? (IURD Working Paper Series, pp. 1-32). Washington: World Bank. Botechia, F. R. (2001). Áreas centrais em transformação os tempos e os espaços no centro tradicional de Vitória (Dissertação de mestrado). Escola de Arquitetura, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. Button, K., & Nijkamp, P. (1997). Social change and sustainable transport. Journal of Transport Geography, 5(3), 215-218. http://dx.doi.org/10.1016/S0966-6923(97)00018-5.Calvet, J. V. (1970). Transportes urbanos. Madrid: Editorial Dossat. Campos, V. B. G. (2013). Planejamento de transportes: conceitos e modelos. Rio de Janeiro: Interciência. Cardoso, L. (2007). Transporte público, acessibilidade urbana e desigualdades socioespaciais na Região Metropolitana de Belo Horizonte (Tese de doutorado). Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Castells, M. (2003). A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra.

Corrêa, R. L. (1995). O espaço urbano. São Paulo: Editora Ática.

Costa, P. B., Morais, G. C., No., & Bertolde, A. I. (2017). Urban mobility indexes: a brief review of the literature. Transportation Research Procedia, 25C, 3649-3659. http://dx.doi.org/10.1016/j.trpro.2017.05.330.

Chen, W., Gao, Q., & Xiong, H.-G. (2017). Uncovering urban mobility patterns and impact of spatial distribution of places on movements. International Journal of Modern Physics C, 28(1), 1-3. http://dx.doi.org/10.1142/S0129183117500048.

Diniz, L. S., & Véras, M. P. B. (2017). Belo Horizonte/MG: práticas de desenvolvimento do Vetor Norte Metropolitano. Geo UERJ, (30), 169-195. http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2017.28465.

Giuliano, G., & Small, K. A. (1991). Subcenters in the Los Angeles region. Regional Science and Urban Economics, 21(2), 163-182. http://dx.doi.org/10.1016/0166-0462(91)90032-I.

Gottdiener, M. (1993) A produção social do espaço urbano (Tradução de G. G. de Souza). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Grillet-Aubert, A., Guth, S., & Clément, P. (2001). Transports et architecture du territoire: état des lieux et perspectives de recherche (Relatório de pesquisa). Paris: Institut Parisien de Recherche: Architecture Urbanistique Sociétés (IPRAUS).

Guimarães, H. A. L., Cardoso, L., Matos, R. E. S., & Magalhães, D. J. A. V. (2005). Fatores recentes que atuam na dispersão espacial do trabalho em Belo Horizonte e Região Metropolitana. In Anais do I Congresso Luso-Brasileiro para o Planejamento Urbano, Regional, Integrado e Sustentável. São Carlos: PLURIS.

Gutiérrez, J., Condeço-Melhorado, A., & Martin, J. C. (2010). Using accessibility indicators and GIS to assess spatial spillovers of transport infrastructure investment. Journal of Transport Geography, 18(1), 141-152. http://dx.doi.org/10.1016/j.jtrangeo.2008.12.003.

Haesbaert, R. (2004). Dos múltiplos territórios à multiterritorialidade. In Anais do I Seminário Nacional sobre Múltiplas Territorialidades. Porto Alegre: UFRGS.

Handy, S. (1994). Highway blues - nothing a little accessibility can’t cure. Access Magazine, 1(5), 3-7. Recuperado em 30 de maio de 2017, de https://escholarship.org/uc/item/66k8b8bz

Kloosterman, R., & Musterd, S. (2001). The polycentric urban region: towards a research agenda. Urban Studies (Edinburgh, Scotland), 38(4), 623-633. http://dx.doi.org/10.1080/00420980120035259.

Kneib, E. C., & Silva, P. C. M. (2014). Identificação de subcentros urbanos para planejamento de transportes e mobilidade: contribuição metodológica baseada em especialistas. In E. C. Kneib (Org.), Projeto e cidade: centralidades e mobilidade urbana (pp. 45-68.). Goiânia: FUNAPE.

Lefebvre, H. (1972). Le droit à la ville suivi d’éspace et politique. Paris: Anthropos.

Lefebvre, H. (2008). A revolução urbana. Belo Horizonte: UFMG.

Lessa, D. A., Góes, P. H., Oliveira, L. K., Oliveira, R. L. M., Lobo, C., Barros, T., Moura, R., Mercier, J., Queiroz, E., & Souza, I. A. (2018). Relações espaciais e a atratividade territorial dos lugares centrais em Belo Horizonte, Brasil. In Anais do VIII Congresso Luso-Brasileiro para o Planeamento Urbano, Regional, Integrado e Sustentável. Coimbra: PLURIS.

Lessa, D. A., Lobo, C., & Cardoso, L. (2019). Accessibility and urban mobility by bus in Belo Horizonte/Minas Gerais – Brazil. Journal of Transport Geography, 77, 1-10. http://dx.doi.org/10.1016/j.jtrangeo.2019.04.004.

Litman, T. (2017). Evaluating transportation land use impacts: considering the impacts, benefits and costs of different land use development patterns (Relatório de pesquisa). Victoria: Victoria Transport Policy Institute (VTPI). Recuperado em 30 de maio de 2017, de http://www.vtpi.org/landuse.pdf

Lobo, C., & Cardoso, L. (2018). Eficiência do transporte público por ônibus em Belo Horizonte/Mg: análise com base na Pesquisa Origem e Destino de 2012. Caderno de Geografia, 28(52), 25-41. http://dx.doi.org/10.5752/p.2318-2962.2018v28n52p25.

Magagnin, R. C., & Silva, A. N. (2008). A percepção do especialista sobre o tema mobilidade urbana. Transportes, 16(1), 25-35. http://dx.doi.org/10.14295/transportes.v16i1.13.

McDonald, J. F. (1987). The Identification of Urban Employment Subcenters. Journal of Urban Economics, 21(2), 242-258. http://dx.doi.org/10.1016/0094-1190(87)90017-9.

McMillen, D. P. (2001). Polycentric urban structure: the case of Milwaukee. Economic Perspectives, 25(2), 15-25.

Mendonça, J. G. (2008). Estrutura socioespacial da RMBH nos anos 2000: há algo de novo? In J. G. Mendonça, L. T. Andrade & C. A. Faria (Orgs.), Metrópole: território, sociedade e política. O caso da Região Metropolitana de Belo Horizonte (pp. 45-104). Belo Horizonte: PUC-Minas: Observatório das Metrópoles.

Mitra, S. K., & Saphores, J. D. M. (2016). The value of transportation accessibility in a least developed country city - The case of Rajshahi City, Bangladesh. Transportation Research Part A, Policy and Practice, 89, 184-200. http://dx.doi.org/10.1016/j.tra.2016.05.002.

Morris, J. M., Dumble, P. L., & Wigan, M. R. (1979). Accessibility indicators for Transport planning. Transportation Research Part A, Policy and Practice, 13(2), 91-109. http://dx.doi.org/10.1016/0191-2607(79)90012-8.

Raia, A. A., Jr. (2000) Acessibilidade e mobilidade na estimativa de um índice de potencial de viagens utilizando redes neurais artificiais e sistema de informações geográfica (Tese de doutorado). Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos.

Rochefort, M. (1998). Redes e sistemas: ensinando sobre o urbano e a região. São Paulo: Hucitec.

Rodrigue, J. P., Comtois, C., & Slack, B. (2006). The geography of transport systems. London: Routledge.

Schoenau, M., & Müller, M. (2017). What affects our urban travel behavior? A GPS-based evaluation of internal and external determinants of sustainable mobility in Stuttgart (Germany). Transportation Research Part F: Traffic Psychology and Behaviour, 48, 61-73. http://dx.doi.org/10.1016/j.trf.2017.05.004.

Shaw, J., Knowles, R., & Docherty, I. (2008). Introducing transport geographies. In R. Knowles, J. Shaw, & I. Docherty (Eds.), Transport geographies: mobilities, flows and spaces (pp. 3-9.). Hoboken: Wiley-Blackwell.

Soja, E. W. (2000). Postmetropolis: critical studies of cities and regions. Malden: Blackwell Publishers.

Thill, J.-C. (2000). Geographic information systems for transportation in perspective. Transportation Research Part C, Emerging Technologies, 8(1-6), 3-12. http://dx.doi.org/10.1016/S0968-090X(00)00029-2.

Tonucci, J. B. M., Jr. (2009). Cidade fractal - transformações recentes na Região Metropolitana de Belo Horizonte. In Anais do XIII Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional. Florianópolis: ENANPUR.

Vargas, J. C. B. (2006). O fenômeno da centralidade - Teoria e Prática (em Porto Alegre). In Anais do X Encontro de História e Teoria da Arquitetura do Rio Grande do Sul. Caxias do Sul: UCS.

Vasconcellos, E. A. (1996). Transporte urbano, espaço e equidade. São Paulo: FAPESP.

Villaça, F. (2017). Espaço intra-urbano no Brasil (2a ed.) São Paulo: Studio Noel, FAPESP, Lincoln Institute.

Wiel, M. (2005). Qu’est ce que la mobilité? In M. Wiel (Ed.), Questions de moilité: la moilité em question. Brest: Institut de Géoarcitecture de Brest.

Wilson, A. (2014). Complex spatial systems. The modelling foundations of urban and regional analysis. New York: Routledge. http://dx.doi.org/10.4324/9781315838045.

Zhong, C., Arisona, S. M., Huang, X., Batty, M., & Schmitt, G. (2014). Detecting the dynamics of urban structure through spatial network analysis. International Journal of Geographical Information Science, 28(11), 2178-2199. http://dx.doi.org/10.1080/13658816.2014.914521.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.