Arborização de acompanhamento viário e parâmetros de ocupação do solo: método para levantamento de dados qualiquantitativos

Ricardo Massulo Albertin, Frederico Fonseca da Silva, Fabio Angeoletto, Bruno Luiz Domingos De Angelis

Resumo


O projeto de arborização vinculado ao planejamento urbano possibilita um ambiente mais saudável e, com isso, a redução de impactos negativos, tanto para as árvores quanto para o entorno. O objetivo deste trabalho foi estudar a relação entre os parâmetros de ocupação do solo e a arborização de acompanhamento viário na cidade de Maringá, no Paraná, Brasil. Para a pesquisa de levantamento em campo, estruturou-se uma planilha desenhada a partir de duas vertentes: parâmetros de ocupação do solo e arborização de acompanhamento viário. Desenvolveu-se um método de avaliação de 52 parâmetros. Com isso, determinou-se o grau de compatibilidade das árvores com a ocupação na zona de comércio central (ZCC), na qual o plantio de árvores de acompanhamento viário não se realiza de acordo com os parâmetros de ocupação do solo. Essa incompatibilidade resulta em uma gestão da arborização menos eficaz e ao mesmo tempo mais custosa em razão do incremento das podas.


Palavras-chave


arborização urbana, gestão ambiental, planejamento urbano.

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. (2015). ABNT NBR 9050: acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro: ABNT.

Castello, I. R. (2008). Bairros, loteamentos e condomínios: elementos para o projeto de novos territórios habitacionais (1a ed.). Porto Alegre: UFRGS.

Companhia Paranaense de Energia – COPEL. (2009). Manual de arborização. Curitiba: COPEL. Recuperado em 23 de novembro de 2019, de http://www.copel.com/hpcopel/guia_arb/como_planejar_a_arborizacao.html

De Angelis, B. L. D., De Angelis Neto, G., Barros, G. A., & Barros, R. A. (2005). Praças: história, usos e funções (1a ed.). Maringá: EDUEM.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2010, 14 de dezembro). País migrou para o interior e urbanização já atinge 80% da população. Rio de Janeiro: Portal Brasil. Recuperado em 22 de fevereiro de 2019, de http://www.brasil.gov.br/governo/2010/12/ibge-pais-migrou-para-o-interior-e-urbanizacao-ja-atinge-80-da-populacao

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2014). Cidades. Rio de Janeiro. Recuperado em 28 de março de 2019, de http://www.ibge.gov.br/home/default.php

Instituto de Terras, Cartografia e Geologia do Paraná – ITCG. (2016). Dados e informações geoespaciais temáticos: divisão político administrativa (Escala 1:50.000). Curitiba: Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Paraná. Recuperado em 27 de julho de 2019, de http://www.itcg.pr.gov.br/modules/faq/category.php?categoryid=9

Lorenzi, H. (2002). Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil (2a ed., Vol. 2). Nova Odessa: Instituto Plantarum.

Lorenzi, H. (2008). Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil (5a ed., Vol. 1). Nova Odessa: Instituto Plantarum.

Lorenzi, H., Souza, H. M., Torres, M. A. V., & Bacher, L. B. (2003). Árvores exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas. Nova Odessa: Instituto Plantarum.

Maack, R. (1968). Geografia física do Paraná. Curitiba: BRDE/IBPT/UFPR, Editora Max Roesner.

Maringá. (2011). Lei Complementar nº 889, de 27 de julho de 2011. Substitui a lei complementar nº 334/99, que dispõe sobre o parcelamento do solo no município de Maringá. Maringá: Diário Oficial. Recuperado em 1 de agosto de 2019, de http://www2.maringa.pr.gov.br/sistema/arquivos/geo/leis/lc_889_2011_parcelamento_solo_lei_original.pdf

Maringá. (2016a). Lei Complementar nº 10.45, 23 de março de 2016. Instituí o código de edificações e posturas básicas para projeto, implantação e licenciamento de edificações no municipio de Maringá e dá outras providências: Maringá: Diário Oficial. Recuperado em 11 de abril de 2020, de http://www2.maringa.pr.gov.br/sistema/arquivos/geo/leis/LC_1045_2016_edificacoes_lei_consolidada_20180530.pdf

Maringá. Prefeitura Municipal. (2016b). NRM U-20001: das calçadas: desenho, acessibilidade e mobilidade. Maringá: PMM.

Meneguetti, K. S. (2009). Cidade-jardim, cidade sustentável: a estrutura ecológica urbana e a cidade de Maringá. Maringá: Eduem.

Milano, M. S. (1988). Avaliação quali-quantitativa e manejo da arborização urbana: exemplo de Maringá-PR (Tese de doutorado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Nowak, D. J., Rowntree, R. A., McPherson, E. G., Sisinni, S. M., Kerkmann, E. R., & Stevens, J. C. (1996). Measuring and analyzing urban tree cover. Landscape and Urban Planning, Michigan, 36(1), 49-57. http://dx.doi.org/10.1016/S0169-2046(96)00324-6.

Paraná. Instituto Ambiental do Paraná. (2015, maio). Portaria nº 59, de 25 de abril de 2015. Reconhece como espécies exóticas invasoras no estado do Paraná as espécies relacionadas nos Anexos 1 (Plantas), 2 (Vertebrados) e 3 (Invertebrados) da presente portaria (pp. 85). Curitiba: Diário Oficial Executivo.

Perkins, H. A., Heynen, N., & Wilson, J. (2004). Inequitable access to urban reforestation: the impact of urban political economy on housing tenure and urban forests. Cities, 21(4), 291-299. http://dx.doi.org/10.1016/j.cities.2004.04.002.

Sampaio, A. C. F. (2006). Análise da arborização de vias públicas das principais zonas do Plano Piloto de Maringá-PR (Dissertação de mestrado). Universidade Estadual de Maringá, Maringá.

Sampaio, A. C. F. (2013). O processo de degradação e o estado de conservação da flora nos fragmentos florestais da área rural do Município de Maringá, Paraná (Tese de doutorado). Universidade Estadual de Maringá, Maringá.

São Paulo. (2019, 25 de janeiro). Decreto nº 58.611 de 24 de janeiro de 2019. Consolida os critérios para a padronização das calçadas, bem como regulamenta o disposto nos incisos VII e VIII do “caput” do artigo 240 do Plano Diretor Estratégico, o Capítulo III da Lei nº 15.442, de 9 de setembro de 2011, e a Lei nº 13.293, de 14 de janeiro de 2002. São Paulo: Diário Oficial da Cidade. Recuperado em 25 de novembro de 2019, de http://legislacao.prefeitura.sp.gov.br/leis/decreto-58611-de-24-de-janeiro-de-2019

Shafer, E. L., & Moeller, G. H. (1979). Urban forestry: its scope and complexity. Journal of Arboriculture, 5, 206-209. Recuperado em 15 de março de 2019, de http://joa.isa-arbor.com/request.asp?JournalID=1&ArticleID=1600&Type=2

Silva, A. P. (2017). Sistema infravia: integração em desenho urbano e redes de infraestrutura (Tese de doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Silva, J. R. F. (2014). Zoneamento e forma urbana: ausências e demandas na regulação do uso e ocupação do solo (Dissertação de mestrado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo.

United Nations. Departament of Economic and Social Affairs, Population Division. (2014). world urbanization prospect: the 2014 revision. Recuperado em 22 de novembro de 2019, de http://esa.un.org/unpd/wup/highlights/wup2014-highlights.pdf

Whitney, G. G., & Adams, S. D. (1980). Man as a maker of new plant communities. Journal of Applied Ecology, 17(2), 431-448. http://dx.doi.org/10.2307/2402338.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.