A rede de pesquisadores reunidos por Silvio Macedo sob o Lab QUAPÁ e os estudos de sistemas de espaços livres e formas urbanas no Brasil

Eugenio Fernandes Queiroga, Francine Gramacho Sakata

Resumo


No Brasil, Miranda Magnoli, nos anos 1970, estruturou o Grupo de Disciplinas Paisagem e Ambiente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo e seu conceito de espaços livres; com isso, abriu frente de estudos sobre relações entre espaços livres e formas urbanas. Silvio Macedo, ao longo de cinco décadas, vem reforçando a atenção às formas urbanas e sua articulação com os espaços livres. Passa-se a tomar os espaços livres como sistema e infraestrutura urbana. Macedo e equipe estruturam rede de pesquisadores em universidades de todo o país, difundindo esses conceitos e realizando novas pesquisas. A abordagem tem similitudes com outros autores, mas também busca por novos caminhos que deem conta do processo particular do expressivo crescimento de cidades brasileiras, onde fatores conjunturais são considerados ao lado dos estruturais. O artigo faz um relato da trajetória desse grupo, dos principais conceitos e métodos com que trabalha e de resultados gerais de 13 anos de pesquisa em rede, com ênfase no papel articulador do Prof. Silvio Macedo. Resultados apontam para a necessidade de novas estratégias de planejamento no país, que busquem articular a ação dos agentes que produzem os espaços livres e edificados, constitutivos das formas urbanas.


Palavras-chave


Sistemas de espaços livres. Forma urbana. Silvio Macedo. Lab QUAPÁ. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo

Texto completo:

PDF

Referências


Hough, M. (2004). Cities and nature process: a basis for sustainability. London: Routledge. http://dx.doi.org/10.4324/9780203643471.

Macedo, S. S. (1982). Mutação do espaço urbano: o bairro de Higienópolis (Dissertação de mestrado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Macedo, S. S. (1988). Habitação Verticalizada: os espaços livres como elementos de desenho urbano (Tese de doutorado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Macedo, S. S. (1993). Paisagem, urbanização e litoral: do Éden à cidade (Tese de livre docência). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Macedo, S. S. (2015). Quadro do Paisagismo no Brasil: 1783-2000. São Paulo: Edusp.

Macedo, S. S., Queiroga, E. F., Campos, A. C. A., Galender, F. C., & Custódio, V. (2018). Os sistemas de espaços livres e a constituição da esfera pública contemporânea no Brasil. São Paulo: Edusp.

Macedo, S. S., & Robba, F. (2002). Praças brasileiras. São Paulo: Edusp.

Macedo, S. S., & Sakata, F. G. (2002). Parques urbanos no Brasil. São Paulo: Edusp.

Magnoli, M. (1982). Espaços livres e urbanização: uma introdução a aspectos da paisagem metropolitana (Tese de livre docência). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo.

McHarg, I. (1969). Design with nature. Garden City: American Museum of Nature History.

Morin, E. (2008). O método 1: a natureza da natureza (2a ed.) Porto Alegre: Sulina.

Panerai, P., Depaule, J.-C., & Demorgon, M. (1999). Analyse Urbaine. Marseille: Parenthèses.

Queiroga, E. (2012). Dimensões públicas do espaço contemporâneo: resistências e transformações de territórios, paisagens e lugares urbanos brasileiros (Tese de livre docência). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Queiroga, E. F. (2016). Espaços livres, padrões morfológicos e apropriações públicas na metrópole paulistana. Pesquisa em Arquitetura e Construção, 7(3), 178-188. http://dx.doi.org/10.20396/parc.v7i3.8647244.

Santos, M. (1978). Por uma geografia nova: da crítica da geografia a uma geografia crítica (4a ed.) São Paulo: Hucitec.

Santos, M. (1985). Espaço e método. São Paulo: Nobel.

Santos, M. (1996). A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec.

Santos, M. (2005). Da totalidade ao lugar. São Paulo: Edusp.

Silva, A. C. (1986). As categorias como fundamentos do conhecimento geográfico. In M. Santos, & M. A. Souza (Eds.), Espaço interdisciplinar. São Paulo: Nobel.

Spirn, A. (1995). O jardim de granito: a natureza no desenho da cidade. São Paulo: Edusp.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.