Sociometrias territoriais de participação cidadã: mapas de Kernel como ferramenta de apoio ao planejamento estratégico municipal

Paulo Castro Seixas, Luís Baptista, Ricardo Cunha Dias

Resumo


Partindo do pressuposto da necessidade de participação cidadã para um planejamento estratégico municipal mais efetivo, este artigo analisa a perceção e participação dos jovens na construção de sociometrias territoriais como novos mapas sociais. A pesquisa centra-se no concelho de Cascais como estudo de caso, recorrendo a um formulário espacial de Participação Pública com Sistema de Informação Geográfica (PPSIG) para explorar mobilidades, topofilias, topofobias, toponegligências e propostas de mudança. Para além de propor e evidenciar a aplicação de mapas de Kernel como instrumento de PPSIG, esta pesquisa corporizou os desafios que ainda se colocam à utilização destas ferramentas na passagem para Planos Diretores Municipais de 3ª geração em Portugal.

Palavras-chave


Planejamento Participativo; Sociometrias Territoriais; Mapas de Kernel; PPSIG.

Texto completo:

PDF

Referências


Abadia, M., Dias, R. C., & Seixas, P. C. (2019). Smart Cities no Brasil e em Portugal: o estado da arte. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 11, 1-15.

Arnstein, S. R. (1969). A ladder of citizen participation. Journal of the American Planning Association, 35(4), 216-224.

Atzmanstorfer, K., Resl, R., Eitzinger, A., & Izurieta, X. (2014). The GeoCitizen-approach: community-based spatial planning: an Ecuadorian case study. Cartography and Geographic Information Science, 41(3), 248-259. http://dx.doi.org/10.1080/15230406.2014.890546. PMid:27019644.

Babelon, I., Ståhle, A., & Balfors, B. (2017). Toward Cyborg PPGIS: exploring socio-technical requirements for the use of web-based PPGIS in two municipal planning cases, Stockholm region, Sweden. Journal of Environmental Planning and Management, 60(8), 1366-1390. http://dx.doi.org/10.1080/09640568.2016.1221798.

Brown, G., & Kyttä, M. (2014). Key issues and research priorities for public participation GIS (PPGIS): a synthesis based on empirical research. Applied Geography (Sevenoaks, England), 46, 122-136. http://dx.doi.org/10.1016/j.apgeog.2013.11.004.

Bugs, G., & Reis, A. T. L. (2016). Planejamento urbano participativo por meio da utilização de novas tecnologias: uma avaliação por especialistas. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 9(1), 110-123. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.009.001.ao06.

Bunch, M. J., Kumaran, T. V., & Joseph, R. (2012). Using Geographic Information Systems (GIS) for spatial planning and environmental management in India: critical considerations. International Journal of Applied Science and Technology, 2(2), 40-54.

Cohen, B. (2015, 8 de outubro). The 3 generations of Smart Cities: inside the development of the technology driven city. Fast Company. Recuperado em 20 janeiro de 2020, de https://www.fastcompany.com/3047795/the-3-generations-of-smart-cities

Degbelo, A., Granell, C., Trilles, S., Bhattacharya, D., Casteleyn, S., & Kray, C. (2016). Opening up Smart Cities: citizen-centric challenges and opportunities from GIScience. International Journal of Geo-Information, 5(2), 16. http://dx.doi.org/10.3390/ijgi5020016.

Ferrão, J. (2010). Governança e ordenamento do território: reflexões para uma governança territorial eficiente, justa e democrática. Prospetiva e Planejamento, 17, 129-139.

Ferrão, J. (2014). Ambiente e território: para uma nova geração de políticas públicas com futuro. In V. Soromenho-Marques, & P. T. Pereira (Eds.), Afirmar o futuro: políticas públicas para Portugal, desenvolvimento sustentável, economia, território e ambiente (pp. 328-343). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Ferreira, F., & Seixas, P. C. (2017). Portugal 2020 e o novo glossário de desenvolvimento territorial: territorialização ou neoinstitucionlização? Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 9(3), 487-499. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.009.003.ao08.

Ghilardi, L. (2001). Cultural planning and cultural diversity. In T. Bennett (Ed.), Differing diversities: transversal study on the theme of cultural policy and cultural diversity (pp. 1-17). Strasbourg: Council of Europe Publications.

Goodspeed, R. (2015). Smart Cities: moving beyond urban cybernetics to tackle wicked problems. Cambridge Journal of Regions, Economy and Society, 8(1), 79-92. http://dx.doi.org/10.1093/cjres/rsu013.

Lúcio, J., & Rosa, G. (2004). A terceira vaga dos PDM’s e as questões estratégicas. In Atas do V Congresso da Geografia Portuguesa “Portugal: Territórios e Protagonistas. Lisboa: Associação Portuguesa de Geógrafos.

Portugal. (2014, 30 de maio). Lei nº 31/2014 de 8 de novembro. Lisboa: Diário da República, n. 104, série I.

Portugal. (2015, 14 de maio). Decreto-Lei nº 80/2015, de 14 de maio. Lisboa: Diário da Républica, n. 93, série I.

Portugal. (2017, 16 de agosto). Lei nº 74/2017, de 16 de agosto. Lisboa: Diário da Républica, n. 157, série I.

Rzeszewski, M., & Kotus, J. (2019). Usability and usefulness of internet mapping platforms in participatory spatial planning. Applied Geography, 103, 56-69. http://dx.doi.org/10.1016/j.apgeog.2019.01.001.

Seixas, P. C. (2017). Planejamento cultural e cultura do planejamento. In F. M. Cruz (Ed.), Cultura e cidade: abordagem multidisciplinar da cultura urbana (pp. 75-122). Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Seixas, P. C., Dias, R. C., & Pereira, P. (2017). Uma cidade boa para viver: planejamento cultural e ciência cidadã no desenvolvimento urbano sustentável. A Obra Nasce, 12, 9-25.

Silva, G. A. B., David, P. L. D., & Bianchi, G. (2017). A utilização do SIG para o planejamento urbano. ANAP Brasil, 10(21), 70-89. http://dx.doi.org/10.17271/19843240102120171675.

Souza, M. L. (2004). Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e à gestão urbanos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Tuan, Y. F. (1979). Landscapes of fear. New York: Pantheon.

Tuan, Y. F. (1990). Topophilia: a study of environmental perceptions, attitudes, and values. Columbia: Columbia University Press. Original work published 1974.

Tuan, Y. F. (2013). Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Londrina: Eduel. Original work published 1977.

Vaz, M. J. M., & Pereira, É. M. (2010). Imagens urbanas: diretrizes de planejamento e desenho urbano baseadas na leitura popular de espaços públicos. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 2(1), 29-42.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.