Inclusão e exclusão em Brasília

Frederico Holanda

Resumo


Os estudos de morfologia urbana são influenciados pela literatura pregressa, pela formação disciplinar dos pesquisadores e pela cidade onde sua instituição está localizada. No caso de Brasília, isso é ainda mais verdadeiro. Este artigo discute os trabalhos realizados no âmbito de um grupo de pesquisa estruturado há 35 anos e mostra como as peculiaridades da capital brasileira são desveladas. Aflora uma cidade peculiar, onde fragmentação, baixas densidades, dispersão no território e forte estratificação socioespacial são atributos fundamentais.


Palavras-chave


Brasília, morfologia urbana, fragmentação, dispersão, segregação socioespacial

Texto completo:

PDF

Referências


Bertaud, A. (2001). The costs of utopia. Recuperado em 1 de julho de 2007, de http://alain-bertaud.com/

Bertaud, A., & Malpezzi, S. (1999). The spatial distribution of population in 35 world cities: the role of markets, planning, and topography. Wisconsin: Centre of Urban Land Economics Research. Working draft.

Botton, A. (2003). A arte de viajar. Rio de Janeiro: Rocco.

Brasil. (2019, 28 agosto). Estimativas da população de Brasília, tendo por referência 1º de julho de 2019. Brasília: Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. IBGE.

Coelho, J. M. (2017). Na riqueza e na pobreza: o papel da configuração para o estudo de centralidades e desigualdades socioespaciais em Brasília (Tese de doutorado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, Brasília.

Costa, L. (1985). Brasília 57-85 (do plano-piloto ao Plano Piloto). Brasília: Terracap, Convênio SVO/DAU - Terracap/DITEC.

Costa, L. (1995). Lucio Costa: registro de uma vivência. São Paulo: Empresa das Artes.

Ferreira, M. M., & Gorovitz, M. (2009). A invenção da Superquadra: o conceito de Unidade de Vizinhança em Brasília. Brasília: IPHAN.

Ficher, S., & Palazzo, P. P. (2009). Paradigmas urbanísticos de Brasília. Revista da Biblioteca Mário de Andrade, (65), 93-121.

Garcia, C. C. (2009). Os desígnios da arquitetura: sobre a qualificação estética do desenho (Tese de doutorado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, Brasília.

Giddens, A. (1984). The constitution of society. Outline of a theory of structuration. Cambridge: Polity Press.

Harari, Y. N. (2018). 21 lições para o século 21. São Paulo: Companhia das Letras.

Hillier, B. (1996). Space is the machine. Cambridge: Cambridge University Press.

Hillier, B., & Hanson, J. (1984). The social logic of space. Cambridge: Cambridge University Press. http://dx.doi.org/10.1017/CBO9780511597237.

Holanda, F. (2015). 10 mandamentos da arquitetura (2. ed.). Brasília: FRBH.

Holanda, F. (2018). O espaço de exceção (2. ed.). Brasília: FRBH.

Holanda, F. (2019). Construtores de mim. Brasília: FRBH.

Holanda, F., & Barcellos, V. (2011). Permanência e inovação: SQN-109, Brasília. In F. Holanda (Ed.), Arquitetura e urbanidade (2. ed., pp. 120-139). Brasília: FRBH.

Holanda, F., Ribeiro, R., & Medeiros, V. (2008). Brasília, Brazil: economic and social costs of dispersion. In Proceedings of the 44th ISOCARP Congress. Dalian: Dalian Publishing House.

Holston, J. (1993). A cidade modernista: uma crítica de Brasília e sua utopia. São Paulo: Companhia das Letras.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2002). Base de informações por setor censitário: censo 2000: resultados do universo: Distrito Federal. Rio de Janeiro: IBGE.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2011). Base de informações do Censo Demográfico 2010: resultados da Sinopse por setor censitário. Rio de Janeiro: IBGE.

Kohlsdorf, M. E. (1996). A apreensão da forma da cidade. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Kohlsdorf, G., & Kohlsdorf, M. E. (2017). Ensaio sobre o desempenho morfológico dos lugares. Brasília: FRBH.

Mancini, G. A. (2008). Avaliação dos custos da urbanização dispersa no Distrito Federal (Dissertação de mestrado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, Brasília.

Medeiros, V. A. S. (2006). Urbis Brasiliae, ou sobre cidades do Brasil: inserindo assentamentos urbanos do país em investigações configuracionais comparativas (Tese de doutorado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, Brasília.

Medeiros, V. A. S. (2013). Urbis Brasiliae: o labirinto das cidades brasileiras. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Melo, J. C., No. (1968). Poesias completas (1940-1965). Rio de Janeiro: Sabiá.

Miragaya, J. (2013). Perfil da distribuição dos postos de trabalho no distrito federal: concentração no plano piloto e déficits nas cidades-dormitório. Brasília: CODEPLAN.

Ocaranza Pacheco, M. E. (2015). Os limites da gentrificação na Vila Planalto (Dissertação de mestrado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, Brasília.

Peponis, J. (1989). Space, culture and urban design in late modernism and after. Ekistics, 56(334-335), 93-108.

Pérez de Arce, R. (2015). Urban transformations and the architecture of additions. London: Routledge.

Ribeiro, R. J. C. (2008). Índice composto de qualidade de vida urbana. Aspectos de configuração espacial, socioeconômicos e ambientais urbanos (Tese de doutorado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, Brasília.

Rodgers, R.; Gumuchdjian, P. (2001). Cidades para um pequeno planeta. Lisboa: GG.

Rykwert, J. (2000). The seduction of place: the city in the twenty-first century. London: Weidenfeld & Nicolson.

Tenorio, G. (2012). Ao desocupado em cima da ponte: Brasília, arquitetura e vida pública (Tese de doutorado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, Brasília.

Tonkiss, F. (2013). Cities by design: the social life of urban form. Cambridge: Polity Press.

Tönnies, F. (1887). Gemeinschaft und Gesellschaft. Leipzig: Fues's Verlag.

Zechin, P. D. A. V. (2014). Sobre a dimensão espacial da desigualdade social urbana. Um estudo sobre cinco cidades brasileiras (Tese de doutorado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, Brasília.

Zein, R. V. (2001). O lugar da crítica: ensaios oportunos de arquitetura. Porto Alegre: Faculdades Integradas, Instituto Ritter dos Reis.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.