Índice de avaliação da qualidade de infraestruturas cicloviárias: um estudo em João Pessoa-PB

Diogo Gomes Pereira Batista, Eduardo Rodrigues Viana de Lima

Resumo


Assegurar a qualidade de infraestruturas para o uso de bicicletas é uma das formas de favorecer a acessibilidade cicloviária, contribuindo assim para uma mobilidade urbana mais sustentável. O objetivo do artigo é elaborar um Índice de Avaliação da Qualidade de Infraestruturas Cicloviárias e aplicá-lo para analisar as condições de acessibilidade cicloviária das ciclovias e ciclofaixas existentes em João Pessoa-PB. A metodologia corresponde a uma pesquisa bibliográfica sobre métodos de avaliação da qualidade de sistemas cicloviários, como parâmetro para o desenvolvimento do índice proposto, prosseguindo com uma pesquisa de campo e coleta de dados necessários para aplicação. Os resultados contribuem com um mapeamento e diagnóstico da situação atual da cicloestrutura de João Pessoa, além de fornecer novos parâmetros metodológicos de análise através da elaboração e aplicação do índice, composto por quatro categorias e doze indicadores. Revela-se uma série de vulnerabilidades quanto às condições das ciclovias e ciclofaixas, sobretudo quanto à sinalização, demonstrando a necessidade de intervenção de acordo com o desempenho da avaliação e contribuindo assim para ações de planejamento.


Palavras-chave


mobilidade urbana sustentável transporte ativo, bicicleta acessibilidade cicloviária indicadores

Texto completo:

PDF

Referências


American Association of State Highway and Transportation Officials – AASHTO. (1999). Guide for the development of bicycle facilities (1a ed.). Washington: AASHTO. Recuperado em 6 de agosto de 2018, de http://www.industrializedcyclist.com/aashto.pdf

Andrade, J. W. C. D. (2018). Desenvolvimento de um índice para a avaliação da ciclabilidade na cidade de Aracaju (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão.

Andrade, V., Rodrigues, J., Marino, F., & Lobo, Z. (2016). Mobilidade por bicicleta no Brasil (1a ed.). Rio de Janeiro: PROURB/UFRJ.

Associação Metropolitana de Ciclistas do Grande Recife – Ameciclo. (2016). IDECiclo índice de desenvolvimento da estrutura cicloviária. Recife. Recuperado em 4 de novembro de 2017, de http://bit.ly/relatorioideciclo2016

Blue, E. (2016). Bikenomics: como a bicicleta pode salvar a economia (1a ed.). Rio de Janeiro: Babilonia Cultura Editorial.

Brasil. Ministério das Cidades. (2007). Caderno de referência para elaboração de Plano de Mobilidade por Bicicleta nas Cidades. Brasília: Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana.

Cardoso, P. B., & Campos, V. B. G. (2016). Metodologia para planejamento de um de sistema cicloviário. Transportes, 24(4), 39-48. http://dx.doi.org/10.14295/transportes.v24i4.1158.

Dixon, L. B. (1996). Bicycle and pedestrian level-of-service performance measures and standards for congestion management systems. Transportation Research Record: Journal of the Transportation Research Board, 1538(1), 1-9. http://dx.doi.org/10.1177/0361198196153800101.

Epperson, B. (1994). Evaluating suitability of roadways for bicycle use: toward a cycling level of service standard. Transportation Research Record: Journal of the Transportation Research Board, (1438), 9-16.

Gehl, J. (2015). Cidades para pessoas (3a ed.) São Paulo: Perspectiva.

Gutiérrez, A. (2012). ¿Qué es la movilidad? Elementos para (re) construir las definiciones básicas del campo del transporte. Revista Bitácora Urbano Territorial, 21(2), 61-74. http://dx.doi.org/10.15446/bitacora.

Illich, I. (2005). Energia e equidade. In N. Ludd (Ed.), Apocalipse motorizado: a tirania do automóvel em um planeta poluído (2a ed., pp. 33-71). São Paulo: Conrad Editora do Brasil.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2018). João Pessoa panorama. Recuperado em 16 dezembro de 2018, de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pb/joao-pessoa/panorama

Instituto de Políticas de Transporte & Desenvolvimento – ITDP. (2017). Guia de planejamento cicloinclusivo. Recuperado em 11 de julho de 2018, de http://itdpbrasil.org/guia-cicloinclusivo/

Instituto de Políticas de Transporte & Desenvolvimento – ITDP. (2018). Índice de caminhabilidade: ferramenta versão 2.0. Recuperado em 12 de julho de 2018, em http://itdpbrasil.org/icam2/

Maruyama, C. M., & Simões, F. A. (2014). Arborização urbana e transporte cicloviário: o caso de Chapecó, SC. Revista dos Transportes Públicos, 36(137), 95-114.

Monteiro, F. B., & Campos, V. B. G. (2011). Métodos de avaliação da qualidade dos espaços para cilistas. In Anais do XXV Congresso de Pesquisa e Ensino em Transportes da ANPET (pp. 1242-1253). Belo Horizonte: ANPET.

Passos, L. A. D., Silveira, F. A., Pita, A. L. L. R., Braga, C. F. C., & Silveira, J. A. R. (2012). Processo de expansão versus sustentabilidade urbana: reflexão sobre as alternativas de deslocamento na cidade de João Pessoa, PB. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 4(1), 47-59. http://dx.doi.org/10.1590/S2175-33692012000100004.

Providelo, J. K., & Sanches, S. D. P. (2011). Roadway and traffic characteristics for bicycling. Transportation, 38(5), 765-777. http://dx.doi.org/10.1007/s11116-011-9353-x.

Silva, F. N. (2013). Mobilidade urbana: os desafios do futuro. Cadernos Metrópole, 15(30), 377-388. http://dx.doi.org/10.1590/2236-9996.2013-3001.

Silveira, M. O., & Maia, M. L. A. (2015). Variáveis que influenciam no uso da bicicleta e as crenças da teoria do comportamento planejado. Transportes, 23(1), 24-36. http://dx.doi.org/10.14295/transportes.v23i1.848.

Tischer, V. (2017). Validação de sistema de parâmetros técnicos de mobilidade urbana aplicados para sistema cicloviário. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 9(3), 587-604. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.009.003.ao15.

Transportation Research Board – TRB. (2000). Highway capacity manual. Washington: Transportation Research Board, National Research Council.

Transporte Ativo. LABMOB. (2018). Parceria nacional pela mobilidade por bicicleta: pesquisa perfil do ciclista 2018. Rio de Janeiro. Recuperado em 27 agosto de 2018, de http://transporteativo.org.br/ta/?page_id=11570

Vasconcellos, E. A. D. (2014). Políticas de transporte no Brasil: a construção da mobilidade excludente (1a ed.). Barueri: Manole.

Villada, C. A. G., & Portugal, L. D. S. (2015). Mobilidade sustentável e o desenvolvimento orientado ao transporte sustentável. In Anais do XXIX Congresso Nacional de Pesquisa em Transporte da ANPET (pp. 2743-2754). Ouro Preto: ANPET.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.