O ESTUDO DA FORMA URBANA EM SANTA CATARINA, BRASIL

Renato Tibiriçá de Saboya

Resumo


Este artigo faz um apanhado geral da produção acadêmica sobre a forma urbana no Estado de Santa Catarina, Brasil. Para isso, classifica os estudos em três grandes categorias que servem como fio condutor das discussões e resgates: 1) história e evolução urbana; 2) perspectiva crítica; e 3) arquitetura da cidade. Dentro desta última, três subcategorias são definidas: 3a) a forma urbana do turismo e dos balneários; 3b) vitalidade urbana e tipos edilícios; e 3c) tipos edilícios e ocorrência de crimes. De forma geral, notamos uma ausência de referências a autores importantes da Morfologia Urbana, tais como MRG Conzen, Muratori e Cannigia, assim como uma predominância de trabalhos descritivos e discursivos sobre trabalhos conceituais ou quantitativos.


Palavras-chave


forma urbana, morfologia urbana, evolução urbana, arquitetura da cidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Abramo, P. (2001). Mercado e ordem urbana: Do caos à teoria da localização residencial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Ângelo, C., Ludwig, C., Trezub, D., Bueno, A., & Reis, A. F. (2017). Forma e imagem: Duas abordagens distintas. In Coleção Urbanismo e Arquitetura Da Cidade. Sintaxe Catarina (pp. 17–32). Florianópolis: Editora UFSC.

Barause, L., & Saboya, R. T. de. (2018). Forma arquitetônica e usos do solo: Um estudo sobre seus efeitos na ocorrência de crimes. Ambiente Construído, 18(4), 427–444. https://doi.org/10.1590/s1678-86212018000400314

Bueno, A., & Holanda, F. de. (2017). Apropriação social em balneários costeiros da Ilha de Santa Catarina. In Coleção Urbanismo e Arquitetura Da Cidade. Sintaxe Catarina (pp. 33–76). Florianópolis: Editora UFSC.

Carvalho, A., & Saboya, R. T. de. (2017). A localização residencial em uma cidade vertical: Um estudo sintático em Florianópolis. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 9(3), 414–429. https://doi.org/10.1590/2175-3369.009.003.ao03

Conzen, M. R. G. (2004). Morphogenesis, morphological regions, and secular human agency in the historic townscape, as exemplified by Ludlow. In M. P. Conzen (Ed.), Thinking about urban form: Papers on urban morphology, 1932-1998 (pp. 116–142). Oxford: Peter Lang.

Cullen, G. (1983). Paisagem urbana. São Paulo: Martins Fontes.

Hillier, B., & Hanson, J. (1984). The social logic of space. Cambridge: Cambridge University Press.

Holanda, F. R. B. de. (2002). O espaço de exceção. Brasília: Editora UnB.

Jacobs, J. (1961). The death and life of great American cities. New York: Vintage Books.

Kohlsdorf, M. E. (1996). A apreensão da forma da cidade. Brasília: Editora da UnB.

Krafta, R. (1994). Modelling intraurban configurational development. Environment and Planning B: Planning and Design, 21(1), 67–82.

Kronenberger, B. da C., & Saboya, R. T. de. (2019). Entre a servidão e a beira-mar: Um estudo configuracional da segregação socioespacial na Área Conurbada de Florianópolis (ACF), Brasil. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 11. https://doi.org/10.1590/2175-3369.011.e20170227

Lefebvre, H. (2008). O direito à cidade. São Paulo: Centauro Editora.

Lojkine, J. (1997). O estado capitalista e a questão urbana. São Paulo: Martins Fontes.

Lynch, K. (1960). The image of the city. Cambridge: The M.I.T. Press.

Netto, V. M., Vargas, J. C., & Saboya, R. (2012). (Buscando) Os efeitos sociais da morfologia arquitetônica. Urbe: Revista Brasileira de Gestão Urbana, 4(2). https://doi.org/10.7213/urbe.7400

Netto, V. M., Vargas, J. C., & Saboya, R. (2019). The social effects of architecture: Built form and social sustainability. In R. Keivani & M. R. Shirazi (Eds.), Urban social sustainability: Theory, practice and policy (pp. 125–148). London: Routledge.

Peponis, J. (1989). Space, culture and urban design in late modernism and after. Ekistics, 56(334/335), 93–108.

Reis, A. F. (2012). Ilha de Santa Catarina: Permanências e transformações. Florianópolis: Editora UFSC.

Reis, A. F., & Holanda, F. de. (2017). Forma e apropriação do espaço público: Um estudo sintático do Centro de Florianópolis. In Coleção Urbanismo e Arquitetura Da Cidade. Sintaxe Catarina (pp. 17–32). Florianópolis: Editora UFSC.

Rossi, A. (2001). A arquitetura da cidade. Martins Fontes.

Saaty, T. L. (1990). How to make a decision: The analytic hierarchy process. European Journal of Operational Research, 48(1), 9–26. https://doi.org/10.1016/0377-2217(90)90057-I

Saboya, R. T. de. (2012). Desempenho urbano e morfologia arquitetônica: Relações entre predominância tipológica e a vitalidade social e microeconômica em cidades brasileiras (Módulo Arq/UFSC) (p. 72) [Relatório de Pesquisa]. Florianópolis: UFSC.

Saboya, R., Banki, G. H., & Santana, J. M. A. de. (2016). Uso do solo, visibilidade e ocorrência de crimes: Um estudo de caso em Florianópolis, Santa Catarina. Oculum Ensaios, 13(2). https://doi.org/10.24220/2318-0919v13n2a2990

Saboya, R., Netto, V. M., & Vargas, J. C. (2015). Fatores morfológicos da vitalidade urbana: Uma investigação sobre o tipo arquitetônico e seus efeitos. Arquitextos - Vitruvius, 180.02. Retrieved from http://vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/15.180/5554

Saboya, R., Reis, A., & Bueno, A. (2016). Continuidades e descontinuidades urbanas à beira-mar: Uma leitura morfológica e configuracional da área conurbada de Florianópolis. Oculum Ensaios, 13(1), 129–152. https://doi.org/10.24220/2318-0919v13n1a2756

Sadowski, D., & Rossetto, A. M. (2018). Ingleses e o Rio Capivari: Forma urbana, espaços públicos, natureza e urbanidade. Risco Revista de Pesquisa Em Arquitetura e Urbanismo (Online), 16(2), 100–112. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4506.v16i2p100-112

Santos, C. N., & Vogel, A. (1985). Quando a rua vira casa. São Paulo: Projeto.

Skalee, M., & Reis, A. F. (2008). Crescimento urbano-turístico: Traçado e permanências urbanas em Balneário Camboriú. Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, 12(0). https://doi.org/10.1344/sn2008.12.1512

Solà-Morales, M. de. (1997). Las formas de crecimiento urbano. Univ. Politèc. de Catalunya.

Sugai, M. I. (2015). Segregação silenciosa: Investimentos públicos e dinâmica socioespacial na área conurbada de Florianópolis (1970-2000). Florianópolis: Editora UFSC.

Tomelin, C. A., Rossini, D. de M., Fontanella, F. L. P., Anjos, F. A. dos, Oliveira, J. P., & Tricarico, L. T. (2012). Turismo cultural e paisagem urbana: Análise dos cascos históricos de Itajaí e de São Francisco do Sul – Santa Catarina, Brasil. Revista Turismo & Desenvolvimento, 3(17/18), 1495–1508.

Turner, A. (2007). From axial to road-centre lines: A new representation for space syntax and a new model of route choice for transport network analysis. Environment and Planning B: Planning and Design, 34(3), 539 – 555. https://doi.org/10.1068/b32067

Veiga, E. V. da. (2010). Florianópolis: Memória urbana (2a ed. rev. e ampliada). Florianópolis: Fundação Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes.

Villaça, F. (2001). Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel: FAPESP: Lincoln Institute.

Villaça, F. (2012). Reflexões sobre as cidades brasileiras. São Paulo: Studio Nobel.

Vivan, M., & Saboya, R. (2017). Arquitetura, espaço urbano e criminalidade: Efeitos da visibilidade na distribuição da ocorrência de crimes. In Efeitos da Arquitetura: Os impactos da urbanização contemporânea no Brasil (pp. 163–182). Brasília: FRBH.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.