Efeitos territoriais de políticas educacionais: a recente expansão e interiorização do ensino federal em cidades não metropolitanas no Ceará

Rérisson Máximo

Resumo


A recente expansão do ensino federal superior e técnico que caracteriza as políticas educacionais em nível nacional a partir da virada do século XXI se fundamenta em um duplo processo de democratização e interiorização. Ao mesmo tempo que possibilitou ao setor público recuperar certo protagonismo no atendimento da demanda por aquelas modalidades de ensino, essa expansão representou impactos significativos, principalmente, para municípios de pequeno e médio portes, na medida em que os complexos educacionais implantados interferiram na dinâmica e na estrutura intraurbana dessas cidades. O texto apresenta e discute, a partir da realidade cearense, aspectos sobre a dimensão territorial do processo de expansão do ensino federal para cidades não metropolitanas, bem como argumenta que a implantação de novos campi está associada à flexibilização da legislação urbanística, ao aumento da demanda por mobilidade urbana, à dinamização do mercado imobiliário e ao incremento do comércio e dos serviços.


Palavras-chave


universidades, institutos, educação, cidades, Ceará.

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior – Andifes. (2011). Perfil socioeconômico e cultural dos estudantes de graduação das universidades federais brasileiras. Brasília: Fórum Nacional de Pró-Reitores de Assuntos Comunitários e Estudantis.

Brasil. (2001, 9 de janeiro). Lei Federal n. 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União. Recuperado em 6 de abril de 2019, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LEIS_2001/L10172.htm

Brasil. (2007a, 24 de abril). Decreto n. 6.096, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais – REUNI. Brasília: Diário Oficial da União. Recuperado em 6 de abril de 2019, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Decreto/D6096.htm

Brasil. Ministério da Educação. (2007b). Relatório de avaliação do plano de expansão da rede federal de educação tecnológica. Brasília: Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica.

Brasil. (2008, 29 de dezembro). Lei Federal n. 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União. Recuperado em 6 de abril de 2019, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11892.htm

Brasil. Ministério da Educação. (2009). Centenário da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. Brasília: Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Recuperado em 6 de abril de 2019, de http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/centenario/historico_educacao_profissional.pdf

Brasil. Ministério da Educação. (2011). Prestação de contas ordinária anual: relatório de gestão 2010. Brasília: Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Recuperado em 6 de abril de 2019, de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=8006-relatorio-gestao-2010-setec-versaofinal-cgu-pdf&category_slug=maio-2011pdf&Item id=30192

Brasil. Ministério da Educação. (2012). Análise sobre a expansão das universidades federais 2003 a 2012. Brasília: Secretaria do Ensino Superior. Recuperado em 6 de abril de 2019, de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=12386-analise-expansao-universidade-federais-2003-2012-pdf&Itemid=30192

Brasil. Ministério da Educação. (2014). A democratização e expansão da educação superior no país 2003-2014. Brasília: Secretaria do Ensino Superior. Recuperado em 6 de abril de 2019, de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16762-balanco-social-sesu-2003-2014&Itemid=30192

Campos, C. M., Fo. (1999). Cidades brasileiras: seu controle ou o caos. São Paulo: Nobel.

Canziani, A., Martins, R. C. R., & Santos, A. F. (2018). Financiamento da educação superior no Brasil: impasses e perspectivas (Série Estudos Estratégicos, No. 11). Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara.

Ceará. (2001, 28 de junho). Lei Municipal nº 449, de 28 de junho de 2001. Dispõe sobre o parcelamento, uso e ocupação do solo do Município de Crateús e dá outras providências. Crateús: Diário Oficial do Estado.

Corbucci, P. R. (2014). Evolução do acesso de jovens à educação superior no Brasil (Texto para Discussão, 1950). Brasília: IPEA.

Google Earth. (2019a). Perímetro urbano de Quixadá, 4°59'20"S, 39°02'46"W, elevação 10665m. Recuperado em 6 de abril de 2019, de https://earth.google.com/web

Google Earth. (2019b). Bairro Cedro e entorno em Quixadá, 4°58'53"S, 39°03'03"W, elevação 2961m. Recuperado em 6 de abril de 2019, de https://earth.google.com/web

Google Earth. (2019c). Bairro Venâncios e entorno em Crateús, 5°11'35"S, 40°38'18"W, elevação 3804m. Recuperado em 6 de abril de 2019, de https://earth.google.com/web

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2000). Censo demográfico 2000: dados da amostra. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 6 de abril de 2019, de http://censo2000.ibge.gov.br

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2010). Censo demográfico 2010: dados da amostra. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 6 de abril de 2019, de http://censo2010.ibge.gov.br

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP. (2014a). Censo da educação superior 2014: microdados para download. Brasília: INEP. Recuperado em 6 de abril de 2019, de http://portal.inep.gov.br/microdados

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP. (2014b). Sinopses estatísticas da educação superior - 2014. Brasília: INEP. Recuperado em 6 de abril de 2019, de http://inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior

Lima, K. (2011). O Banco Mundial e a educação superior brasileira na primeira década do novo século. Revista Katálysis, 14(1), 86-94. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-49802011000100010.

Mota, A. (2016). Os limites e as possibilidades do Programa Reuni: um estudo de caso da experiência da UFT (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-graduação em Gestão de Políticas Públicas, Universidade Federal do Tocantins, Palmas.

Organisation for Economic Cooperation and Development – OCDE. (2012). Education at a Glance 2012: OECD indicators. Paris: OECD Publishing. Recuperado em 6 de abril de 2019, de https://bit.ly/2Oj7SxP

Pacheco, E. (2010). Os Institutos Federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica.

Pacheco, E. M., Pereira, L. A. C., & Domingos, M., So. (2010). Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: limites e possibilidades. Linhas Críticas, 16(30), 71-88. http://dx.doi.org/10.26512/lc.v16i30.3568.

Pereira, T. L., & Brito, S. H. A. (2018). A expansão da educação superior privada no Brasil por meio do FIES. EccoS-Revista Científica, 47(47), 337-354. http://dx.doi.org/10.5585/eccos.n47.7895.

Reis, N. G. (2006). Notas sobre urbanização dispersa e novas formas de tecido urbano. São Paulo: Via das Artes.

Santos, R. S. (2015). A interiorização da educação superior no Estado do Ceará. Revista Gestão Universitária, 4(2). Recuperado em 6 de abril de 2019, de http://gestaouniversitaria.com.br/artigos/a-interiorizacao-da-educacao-superior-no-estado-do-ceara

Tribunal de Contas da União – TCU. (2012). Relatório de auditoria TC 026.062/2011-9. Brasília: TCU. Recuperado em 6 de abril de 2019, de https://bit.ly/2OUmFgb


Apontamentos

  • Não há apontamentos.