Morfologia urbana como instrumento projetual

Renato Leão Rego, Karin Schwabe Meneguetti, Gislaine Elizete Beloto

Resumo


Este artigo trata da adaptação de conceitos de morfologia originalmente desenvolvidos no contexto de formas urbanas antigas para a realidade de cidades do novo mundo, particularmente as cidades planejadas fundadas no Brasil do século XX. O texto se refere a urban fringe belts, morphological region, morphological frame, tipo edilício e processo tipológico, e apresenta uma experiência prática de aplicação desses conceitos no exercício projetual de uma vizinhança a ser implantada em uma forma urbana consolidada. O conceito de urban fringe belts foi correlacionado à ecologia da paisagem, de modo a explorar seu potencial ecológico e, ciente da inexorabilidade desse elemento morfológico na dinâmica urbana, a sugerir sua abordagem integrada no planejamento da cidade.


Palavras-chave


cidades novas, projeto urbano, conceitos morfológicos, escola inglesa, escola italiana.

Texto completo:

PDF

Referências


Beloto, G. E., & Coimbra, M. H. (2019). Modelo de expansão urbana e repercussão de novas centralidades. In Actas da 7ª Conferência da Rede Lusófona de Morfologia Urbana (pp. 1084-1100). Porto: Universidade do Porto. Recuperado em 17 de setembro de 2019, de https://pnum.arq.up.pt

Braga, S. S., & Rego, R. L. (2019). Ideias de núcleos comerciais e a forma urbana. In Actas da 7ª Conferência da Rede Lusófona de Morfologia Urbana (pp. 1101-1112). Porto: Universidade do Porto. Recuperado em 17 de setembro de 2019, de https://pnum.arq.up.pt

Castex, J., & Panerai, P. (1970). Notes sur la structure de l’espace urbain. L’Architecture d’Aujourd’Hui, 153, 30-33.

Conzen, M. R. G. (1969). Alnwick, Northumberland: a study in town-plan analysis. London: Institute of British Geographers.

Conzen, M. R. G. (2004). Thinking about urban form: papers on urban morphology, 1932-1998. Oxford: Peter Lang.

Costa, S. A. P., & Netto, M. M. G. (2015). Fundamentos de morfologia urbana. Belo Horizonte: C/Arte.

Costa, S. A. P., & Teixeira, M. C. V. (2014). The study of urban form in Brazil. Urban Morphology, 18(2), 119-127.

Gauthier, P. (2005). Conceptualizing the social construction of urban and architectural forms through the typological process. Urban Morphology, 9(2), 83-93.

Hopkins, M. I. W. (2003). Using fringe belts to examine the relationships between urban morphology and urban ecology (PhD thesis). The University of Birmingham, Birmingham.

International Seminar on Urban Form – ISUF. (2019). Recuperado em 17 de setembro de 2019, de http://www.urbanform.org/glossary.html

Kropf, K. (2011). Urbanism, politics and language: the role of urban morphology. Urban Morphology, 15(2), 157-161.

Macedo, S. S., Queiroga, E. F., Campos, A. C. M. A., & Custódio, V. (Eds.). (2018). Quadro geral da forma e do sistema de espaços livres das cidades brasileiras. São Paulo: FAUUSP.

Meneguetti, K. S. (2015). Faixas de hiato urbano em cidades novas planejadas: Maringá, Paraná. In X Colóquio QUAPÁ-SEL: produção e apropriação dos espaços livres e da forma urbana. Brasília: Universidade de Brasília.

Meneguetti, K. S., & Costa, S. A. P. (2015). The fringe-belt concept and planned new towns: a Brazilian case study. Urban Morphology, 19(1), 25-33.

Meneguetti, K. S., Beloto, G. E., & Rego, R. L. (2017). O tipo como produto cultural em uma área de conurbação recente. In Anais da 6ª Conferência da Rede Lusófona de Morfologia Urbana (pp. 67-74). Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo.

Meneguetti, K. S., Rego, R. L., & Beloto, G. E. (2012). Espaços livres e paisagem na mancha urbana de Maringá – PR. In A. C. A. Campos, E. F. Queiroga, F. C. Galender, H. N. Degreas, R. Akamine, S. S. Macedo, V. Custodio (Eds.), Quadro dos sistemas de espaços livres nas cidades brasileiras (pp. 103-116). São Paulo: FAUUSP.

Oliveira, F. L. (2017). Green Wedge Urbanism: history, theory and contemporary practice. Londres: Bloomsbury. http://dx.doi.org/10.5040/9781474229227.

Oliveira, V. (2016a). Urban morphology: an introduction to the study of the physical form of cities. Dordrecth: Springer. http://dx.doi.org/10.1007/978-3-319-32083-0.

Oliveira, V. (2016b). Morfologia urbana: diferentes abordagens. Revista de Morfologia Urbana, 4(2), 65-84.

Oliveira, V. (Ed.). (2018). Diferentes abordagens em morfologia urbana: contributos luso-brasileiros. Portugal: Urban Forms. Recuperado em 9 de julho de 2019, de https://vitoroliveira.fe.up.pt/pdf/diferentes-abordagens-em-morfologia-urbana.pdf

Oliveira, V., & Monteiro, C. (Eds.). (2015). Diferentes abordagens no estudo da forma urbana. Porto: FEUP.

Panerai, P. (2006). Análise urbana. Brasília: Editora da Universidade de Brasília.

Pereira, J. A., Meneguetti, K. S., & Rego, R. L. (2011). Urban fringe belts em cidades novas: o caso de Maringá - PR. Paisagem & Ambiente, 29(1), 85-102. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i29p85-102.

Rego, R. L. (2015). A integração cidade-campo como esquema de colonização e criação de cidades novas: do norte paranaense à Amazônia Legal. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 17(1), 89-103. http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2015v17n1p89.

Rego, R. L. (2017a). Shaping an urban Amazonia: ‘a planner’s nightmare’. Planning Perspectives, 32(2), 249-270. http://dx.doi.org/10.1080/02665433.2016.1277952.

Rego, R. L. (2017b). Unidade de vizinhança: um estudo de caso das transformações de uma ideia urbanística. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 9(3), 401-413. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.009.003.ao01.

Rego, R. L., & Meneguetti, K. S. (2008). British urban form in twentieth-century Brazil. Urban Morphology, 12(1), 25-34.

Rego, R. L., & Meneguetti, K. S. (2010). Planted towns and territorial organization: the morphology of a settlement process in Brazil. Urban Morphology, 14(2), 101-109.

Rego, R. L., & Meneguetti, K. S. (2011). A respeito de morfologia urbana: tópicos básicos para estudos da forma da cidade. Acta Scientiarum, 33(2), 123-127. http://dx.doi.org/10.4025/actascitechnol.v33i2.6196.

Strappa, G. (2019). Urban morphology and architectural design: a contemporary condition. Urban Morphology, 23(1), 86-87.

Universidade Estadual de Maringá – UEM. (2019). Maringá. Recuperado em 9 de julho de 2019, de https://pnum2019.wixsite.com/oficina

Whitehand, J. W. R. (2001). British urban morphology: the Conzenian tradition. Urban Morphology, 5(2), 103-109.

Whitehand, J. W. R. (2019). Green space in urban morphology: a historico-geographical approach. Urban Morphology, 23(1), 5-17.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.