Modelagem da informação para a regulação urbanística dos assentamentos precários em Fortaleza

Mariana Quezado Costa Lima, Clarissa Figueiredo Sampaio Freitas, Daniel Ribeiro Cardoso

Resumo


Estudos recentes estabeleceram o papel das políticas de planejamento urbano em alimentar o crescimento dos assentamentos precários nas cidades brasileiras, através da exclusão socioespacial dos moradores de baixa renda. As dificuldades de reverter a lógica excludente se devem a vários e complexos fatores político-econômicos e culturais. Discutimos aqui um fator pouco presente na literatura nacional: o modo de representação da cidade que tende a iluminar seletivamente as questões urbanas. Problematizando a questão da informalidade urbana em Fortaleza, aplicamos uma metodologia que combina geoprocessamento e modelagem da informação, para subsidiar a redefinição das regras urbanísticas para assentamentos precários de origem informal. Esse procedimento revelará não apenas a extensão das inadequações dos atuais códigos de uso e ocupação do solo, como também apresentará algumas potencialidades do uso de técnicas de modelagem da informação da cidade para informar sua redefinição.


Palavras-chave


Assentamentos precários; Informalidade urbana; Regulação urbana; Modelagem da informação; Forma urbana

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, A. P. (2014). (Grande) Bom Jardim: Reterritorialização e Política de Representação à Luz da Nova Pragmática (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

Ancona, A. (2010). Guia para o Mapeamento e Caracterização de Assentamentos Precários. Brasilia: MCidades/SNH.

Berghauser Pont, M., & Haupt, P. (2010). Spacematrix: Space, Density and Urban Form. Rotterdam: NAi Publishers.

Bezerra, L. M. (2015). Pobreza e Lugar(es) nas margens urbanas: Lutas de classificação em territórios estigmatizados do Grande Bom Jardim (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor), Sistema de Apoio ao Processo Legislativo (1963, 20 de março). Lei n. 2128, de 20 de março de 1963. Aprova o Plano Diretor da Cidade de Fortaleza e dá outras providências. Diário Oficial do Município de Fortaleza, ano IX, n. 2741, 23 mar. 1963. Recuperado em 11 de novembro de 2019, de https://sapl.fortaleza.ce.leg.br/media/sapl/public/normajuridica/1963/10809/le21281963.pdf.

Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor), Sistema de Apoio ao Processo Legislativo (1979, 13 de março). Lei n. 5122-A, de 13 de março de 1979. Dispõe sobre o parcelamento, uso e ocupação do solo urbano e dá outras providências. Diário Oficial do Município de Fortaleza, ano XXVI, n. 6639, 24 abr. 1979. Recuperado em 11 de novembro de 2019, de https://sapl.fortaleza.ce.leg.br/media/sapl/public/normajuridica/1979/5832/5122-a.pdf

Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor), Sistema de Apoio ao Processo Legislativo (1981, 17 de dezembro). Lei n. 5.530, de 17 de dezembro de 1981. Dispõe sobre o Código de Obras e Posturas do município de fortaleza e da outras providências. Diário Oficial do Município de Fortaleza, ano XXIX, n. 7299, 18 dez. 1981. Recuperado em 11 de novembro de 2019, de https://sapl.fortaleza.ce.leg.br/media/sapl/public/normajuridica/1981/1844/1844_texto_integral.pdf

Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor), Sistema de Apoio ao Processo Legislativo (1992, 16 de janeiro). Lei n. 7061, de 16 de janeiro de 1992. Aprova o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Fortaleza - PDDU-For e dá outras providencias. Diário Oficial do Município de Fortaleza, ano XXXIX, n. 9788, 20 jan. 1992. Recuperado em 11 de novembro de 2019, de https://sapl.fortaleza.ce.leg.br/media/sapl/public/normajuridica/1992/780/780_texto_integral.pdf

Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor), Sistema de Apoio ao Processo Legislativo (2009, 2 de fevereiro). Lei Complementar n. 062, de 2 de fevereiro de 2009. Institui o Plano Diretor Participativo do Município de Fortaleza e dá outras providências. Fortaleza: Diário Oficial do Município de Fortaleza, ano LVI, n. 14.020, 13 mar. 2009. Recuperado em 11 de novembro de 2019, de https://sapl.fortaleza.ce.leg.br/media/sapl/public/normajuridica/2009/107/107_texto_integral.pdf

Cardoso, A. L.; & Denaldi, R. (Orgs.) (2018). Urbanização de favelas no Brasil: um balanço preliminar do PAC (1a ed.). Rio de Janeiro: Letra Capital.

Castells, M., & Portes, A. (1989). World underneath: The origins, dynamics, and effects of the informal economy. In A. Portes (ed.), The informal economy: Studies in advanced and less developed countries. Baltimore, MD: Johns Hopkins University Press.

Castells, M. (1999). A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra.

Costa Lima, M. (2017). Ver a cidade: modelagem da informação para regulação de assentamentos informais (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo e Design, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Denaldi, R; & Fonseca, M. de L. P. (2012). Relatório Final do Projeto de Extensão Planos Locais de Habitação de Interesse Social na Região Metropolitana de São Paulo. Recuperado em 11 de junho de 2019, de www.lepur.com.br/wp-content/uploads/2017/12/07-Planos-Locais-de-Habita%C3%A7%C3%A3o-de-Interesse-Social-na-Regi%C3%A3o-Metropolitana-de-S%C3%A3o-Paulo.pdf

Fernandes, E. (2012). Regularization of informal settlements in Latin America (Policy Focus Report). Cambridge, MA: Lincoln Institute of Land Policies.

Fortaleza (2016). Plano de Habitação de Interesse Social. In Fortaleza. Plano Fortaleza 2040: equidade social, territorial, e econômica (Vol. 2). Fortaleza: Iplanfor.

Freitas, C., Gomes, V., & Borges, M. (2013). Planejamento urbano com uso de sistema de informação geográfica: o caso de Feira de Santana-BA. Universitas: Arquitetura e Comunicação Social, 10(1), 35-45. DOI http://dx.doi.org/10.5102/uc.v10i1.1947

FREITAS, Clarissa Figueiredo Sampaio. Ilegalidade e degradação em Fortaleza: os riscos do conflito entre a agenda urbana e ambiental brasileira. urbe, Rev. Bras. Gest. Urbana [online]. 2014, vol.6, n.1, pp.109-125. ISSN 2175-3369. http://dx.doi.org/10.7213/urbe.06.001.AC02

Clarissa F. Sampaio Freitas (2019) Insurgent planning? Insights from two decades of Right to the City in Fortaleza, Brazil, City, 23:3, 285-305, DOI: 10.1080/13604813.2019.1648030

Freitas, C., Araújo, R., Costa Lima, M., Silva, E., Frota, N., & Alves, M. (2019). Plano Popular da Zeis Bom Jardim. Fortaleza: Imprensa Universitária UFC. Recuperado de http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/46151, em 12 nov. 2019.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). Censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE.

Kanbur, R. (2009). Conceptualising Informality: Regulation and Enforcement. Discussion Paper No. 4186. Bonn: Cornell University & IZA.

Magalhães, A. (2013). O direito das favelas. Rio de Janeiro: Letra Capital.

Maricato, E. (2013) As ideias fora do lugar e o lugar fora das ideias. In O. Arantes, C. Vainer, & E. Maricato. A cidade do pensamento único: Desmanchando consensos (p. 121-192). Petrópolis: Vozes.

Martins, M. (2006). Globalização, Informalidade e Regulação em Cidades Latino-Americana. Cadernos PROLAM/USP, São Paulo, 5(10), 31-49. https://doi.org/10.11606/issn.1676-6288.prolam.2006.81798

Moreira, T. A.; & Ribeiro, J. A. (2016). A questão fundiária brasileira no desenho das políticas nacionais de habitação: considerações a partir do início do século XXI. Cad. Metrop., São Paulo, 18(35), 15-32. http://dx.doi.org/10.1590/2236-9996.2016-3501

Moretti, R., & Amore, C. S. (2019). Direito à legalidade e retomada do controle público sobre a produção da cidade. BR Cidades. Recuperado em 12 de junho de 2019, de http://observatoriodasmetropoles.net.br/wp/direito-legalidade-e-retomada-do-controle-publico-sobre-producao-da-cidade/

Mukhija, V., & Loukaitou-Sideris, A. (2015). Reading the Informal City: Why and How to Deepen Planners’ Understanding of Informality. Journal of Planning Education and Research, 35(4), 444-454. https://doi.org/10.1177/0739456X15591586

Pequeno, R., & Freitas, C. (2012). Desafios para implementação de Zonas Especiais de Interesse Social em Fortaleza. Cad. Metrop., São Paulo, 14(28), 485-505. https://doi.org/10.1590/14819

Pereira, G. C., & Silva, B. N. (2001). Geoprocessamento e Urbanismo. In L. H. Gerardi, & I. A. Mendes (Eds.), Temas da Geografia Contemporânea. Rio Claro: Programa de Pós-Graduação em Geografia - UNESP: AGETEO.

Prefeitura de Fortaleza (1932, 13 de dezembro). Decreto n. 70, de 13 de dezembro de 1932. Põe em execução o Código de Posturas do Município de Fortaleza. Arquivo digitalizado a partir de cópias de microfilmes dos Jornais existentes no Arquivo Público do Estado do Ceará. Recuperado em 26 de setembro de 2016, de http://acervo.fortaleza.ce.gov.br/

Prefeitura de Fortaleza (1950, 16 de maio). Lei n. 188, de 16 de maio de 1950. Dispõe sobre o Código Urbano do Município de Fortaleza. Diário Oficial do Município de Fortaleza, ano I, n. 107, 29 nov. 1952. Recuperado em 6 de setembro de 2016, de http://acervo.fortaleza.ce.gov.br/

Rolnik, R. (1997). A cidade e a lei: legislação, política urbana e territórios na cidade de São Paulo. São Paulo: Studio Nobel: Fapesp.

Rolnik, R. (2015). Guerra dos Lugares: A colonização da terra e da moradia na era das finanças. São Paulo: Boitempo.

Roy, A., & Alsayyad, N. (Eds.) (2004). Urban Informality: Transnational Perspectives from the Middle East, Latin America and South Asia. Lanham-MD: Lexington Books.

Roy, A. (2005). Urban Informality: Toward an Epistemology of Planning. Journal of the American Planning Association, Chicago, 71(2), 147-158. https://doi.org/10.1080/01944360508976689

Roy, A. (2009). Why India Cannot Plan Its Cities: Informality, Insurgence and the Idiom of Urbanization. Planning Theory, Sage Journals, 8, 76-87. https://doi.org/10.1177/1473095208099299

Santos, M. (2008). Técnica espaço tempo: Globalização e meio técnico-científico-informacional. (5a ed.). São Paulo: Edusp.

Smolka, M. (2003). Regularização da Ocupação do Solo Urbano: O problema que é parte da solução, a solução que é parte do problema. In P. Abramo (Org.), A Cidade da Informalidade: o desafio das cidades latino-americanas (p. 199-138). Rio de Janeiro: Livraria Sette Letras: FAPERJ.

Sousa, C. (2018). Modelando a Percepção: O ambiente do patrimônio cultural edificado na regulação da forma urbana (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo e Design, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Terzidis, K. (2004). Algorithmic Design: A Paradigm Shift in Architecture? In Anais do Congresso eCAADe’22 (p. 201-207). Copenhagen, Royal Danish Academy of Fine Arts.

UN-Habitat (2010). State of the World Cities 2010/2011: Bridging the Urban Divide. London: Earthscan for Un-Habitat.

Vainer, C. (2011). Cidade de Exceção: Reflexões a Partir do Rio de Janeiro. In Anais do XIV Encontro Nacional da Associação Nacional de Planejamento Urbano (Vol. 14). Rio de Janeiro: ANPUR. Recuperado em 07 de maio de 2019, de http://anais.anpur.org.br/index.php/anaisenanpur/article/view/635/622.

Villaça, F. (1995). A crise do planejamento urbano. São Paulo em Perspectiva, 9(2), 45-51.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.