Forma urbana e poluição atmosférica: impactos na cidade do Rio de Janeiro

Juliana Lúcio Motta Maia, Vinicius M. Netto, Bruno Lucian Gonçalves da Costa

Resumo


Cidades crescem em importância como polos de concentração de população, assim como em seu papel potencial como fontes de poluição atmosférica. Este artigo investiga possíveis impactos de aspectos da forma urbana nas concentrações desses contaminantes. Dado que esse é um tema ainda incipiente em estudos urbanos no Brasil, a pesquisa traz uma abordagem panorâmica do problema. O artigo discute o estado da arte sobre interações entre poluição, elementos naturais e condições climáticas. Expõe uma série de impactos da poluição do ar para a população e o meio ambiente e as interações entre a qualidade do ar e forma urbana apontando a carência de pesquisas na área. Em seguida, desenvolve uma forma de modelagem e avaliação dessas relações, e apresenta um estudo de caso na cidade do Rio de Janeiro envolvendo métodos estatísticos aplicados aos poluentes monóxido de carbono (CO), dióxido de enxofre (SO2) e partículas inaláveis (PI); a variáveis morfológicas (taxa de ocupação e percentagem de verticalização de quadras); e meteorológicas (direção e velocidade do vento, precipitação pluvial e temperatura do ar). A pesquisa encontra indícios de relações entre forma urbana e poluentes atmosféricos, apontando graus de influência da taxa de ocupação e da verticalização na concentração dos poluentes considerados, e sugere novas frentes de abordagem empírica e metodológica.

Palavras-chave


forma urbana; poluição; desempenho; morfologia; qualidade do ar

Texto completo:

PDF

Referências


Adler, F.R., & Tanner, C. J. (2015). Ecossistemas Urbanos. São Paulo: Oficina de Textos.

Adolphe, L. (2001). A Simplified Model of Urban Morphology: Application to an Analysis of the Environmental Performance of Cities. Environment and Planning B: Planning and Design, 28(2), 183-200. http://dx.doi.org/10.1068/b2631

Albuquerque, C.T. (2014). Análise Microclimática em diferentes condições de urbanização, na Baixada de Jacarepaguá, Rio de Janeiro - RJ (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Barbosa, G.S., Rossi, A.M.G., & Drach, P.R.C. (2014). Análise de Projeto Urbano a partir de parâmetros urbanos sustentáveis: alteração morfológica de Copacabana e algumas de suas consequências climáticas (1930-1950-2010). urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 6(583), 275-287. http://dx.doi.org/10.7213/urbe.06.003.ac01

Carvalho, V.S.B., Waldheim, P.V., & Maia, L.F.P.G. (2002). Avaliação das parcelas de inaláveis no material particulado coletado pela FEEMA na Bacia Aérea III da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. In Anais do XII Congresso Brasileiro de Meteorologia. Foz do Iguaçu: CBMet.

Castro, H.A., Gouveia, N., & Escamilla-Cejudo, J. (2003). Questões metodológicas para a investigação dos efeitos da poluição do ar na saúde. Rev. Bras. Epidemiol., 6(2), 135-149. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2003000200007

Chan, L.Y., & Kwok, W.S. (2001). Roadside suspended particulates at heavily trafficked urban sites of Hong Kong: seasonal variation and dependence on meteorological conditions. Atmospheric Environment, 35(18), 3177-3182. https://doi.org/10.1016/S1352-2310(00)00504-5

Duchiade, M.P. (1992). Poluição do ar e doenças respiratórias: uma revisão. Cad. Saúde Pública, 8(3), 311-30. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1992000300010

Echenique, M.H., Hargreaves, A.J., Mitchell, G., & Namdeo, A. (2012). Growing Cities Sustainably: Does Urban Form Really Matter? Journal Of The American Planning Association, 78(2), 121-137. https://doi.org/10.1080/01944363.2012.666731

Edussuriya, Priyantha S. (2006). Urban morphology and air quality: a study of street level air pollution in dense residential environments of Hong Kong (Tese de Doutorado). Universidade de Hong Kong, Hong Kong.

Ewing, R, & Cervero, R. (2010). Travel and built environment: A metaanalysis. Journal of The American Planning Association, 76(3), 265-294. https://doi.org/10.1080/01944361003766766

Farias, H.S. (2013). Bacias Aéreas: uma proposta metodológica para o estudo da qualidade do ar em áreas influenciadas pelo relevo. Revista Brasileira de Climatologia, 12(9), 48-60. http://dx.doi.org/10.5380/abclima.v12i1.30081

Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente – FEEMA (2004). Inventário de fontes emissoras de poluentes atmosféricos da região metropolitana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: FEEMA.

Frank, L.D., & Engelke, P. (2005). Multiple impacts of the built environment on public health: Walkable places and the exposure to air pollution. International Regional Science Review, 28(2), 193-216. https://doi.org/10.1177/0160017604273853

Frank, L.D., Jr., B.S., & Bachman, W. (2000). Linking land use with household vehicle emissions in the central Puget Sound: Methodological framework and findings. Transportation Research: D, 5(3), 173-196. https://doi.org/10.1016/S1361-9209(99)00032-2

Frank, L.D., Sallis, J.F., Conway, T.L., Chapman, J.E., Saelens, B.E., & Bachman, W. (2006). Many pathways from land use to health: associations between neighborhood walkability and active transportation, body mass index, and air quality. Journal of the American Planning Association, 72(1), 75-87. https://doi.org/10.1080/01944360608976725

Frumkin, H, Frank, L.D., Jackson, R. (2004). The public health impacts of sprawl. Washington, DC: Island Press.

Galloway, J. N. (1996). Anthropogenic mobilization of sulphur and nitrogen: Immediate and delayed consequences. Annual review of energy and the environment, 21(1), 261-292. https://doi.org/10.1146/annurev.energy.21.1.261

Governo do Estado do Rio de Janeiro (GERJ). Instituto Estadual do Ambiente (INEA). Portal do INEA. Recuperado em 22 de dezembro de 2015, de www.inea.rj.gov.br/

Givoni, B. (1998). Climate Considerations in Building and Urban Design. USA: Wiley Pub.

Graedel, T.E., & Crutzen, P.J. (1997). Atmosphere Climate and Change. New York: Scientific American Library.

Hoek, G., & Brunekreef, B. (1993). Acute effects of a winter air pollution episode on pulmonary function and respiratory symptoms of children. Archives of Environmental Health: An International Journal, 48(5), 328-335. https://doi.org/10.1289/ehp11813

Instituto Estadual do Meio Ambiente (INEA) (2015). Governo do Rio de Janeiro. Relatório da Qualidade do Ar do Estado do Rio de Janeiro: Ano base 2012. Rio de Janeiro: INEA.

Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (2015). Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). Recuperado em 01 de dezembro de 2015, de http://www.inmet.gov.br/

Lam, G.C.K., Leung, D.Y.C, Niewiadomski, M., Pang, S.W., Lee, A.W.F., & Louie, P.K.K. (1999). Street-level concentrations of nitrogen dioxide and suspended particulate matter in Hong Kong. Atmospheric Environment, 33(1), 1-11. https://doi.org/10.1016/S1352-2310(98)00114-9

Landsberg, H.E. (1997). The urban climate. New York: Academic Press.

Larrañaga, A.M., Ribeiro, J. L. D., & Cybis, H. B. B. (2009). Fatores que afetam as decisões individuais de realizar viagens a pé: estudo qualitativo. Revista Transportes, 17(2), 16-26. https://doi.org/10.14295/transportes.v17i2.355

Maia, J.L.M. (2016). Impactos de Padrões Morfológicos na concentração de poluentes atmosféricos: o caso da cidade do Rio de Janeiro. (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Maia, J.L.M., & Netto, V.M. (2016). Forma Urbana: Uma discussão sobre Compacidade e Desempenho. In Anais IV Encontro de Sustentabilidade Em Projeto (p.152 - 163). Florianópolis: UFSC.

Martins, M. F., & Cândido, G. A. (2015) Modelo de avaliação do nível de sustentabilidade urbana: proposta para as cidades brasileiras. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 7(3), 397-410. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.007.003.ao09

McPhearson, T., Pickett, S. T. A., Grimm, N. B., Niemelä, J., Alberti, M., Elmqvist, T., Weber, C., Haase, D., Breuste, J., & Qureshi, J. (2016). Advancing Urban Ecology toward a Science of Cities. BioScience, 66(3), 198-212. https://doi.org/10.1093/biosci/biw002

Ministério do Meio Ambiente (MMA) (1990, 28 de junho). Resolução CONAMA n. 3, de 28 de junho de 1990. Dispõe sobre Padrões de Qualidade do Ar, Previstos no Pronar. Brasília: Diário Oficial da União, seção 1, 15.937-15.939.

Newman, P.W.G, & Kenworthy, J.R. (1989). Gasoline Consumption and Cities: A Comparison of U.S. Cities with a Global Survey. Journal of The American Planning Association, 55 (1), 24-37. https://doi.org/10.1080/01944368908975398

Netto, V. M., Vargas, J.C. & Saboya, R.T. (2012). (Buscando) Os efeitos sociais da morfologia arquitetônica. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 4(2), 261-282. http://dx.doi.org/10.7213/urbe.7400

Netto, V. M., Vargas, J.C. & Saboya, R.T. (2019). The social effects of architecture: built form and social sustainability. In M. R. Shirazi and R. Keivani (Org.) Urban Social Sustainability: Theory, Policy and Practice. London: Routledge, 125-148.

Oke, T.R. (1987). Boundary layer climates (2a ed.). Methuen: London & New York.

Pan, H., Bartolome, C., Princevac, M., & Edwards, R. (2010). Influence of Urban Morphology on street level concentrations: water channel and field study in three southern Californian cities. Recuperado em 12 de janeiro de 2016, de www.researchgate.net/profile/Hansheng_Pan/publication/242567291_INFLUENCE_OF_URBAN_MORPHOLOGY_ON_STREET_LEVEL_CONCENTRATIONS_WATER_CHANNEL_AND_FIELD_STUDY_IN_THREE_SOUTHERN_CALIFORNIAN_CITIES/links/02e7e53c353d55f5c5000000.pdf.

Pimentel, L.C.G., Marton, E., Silva, M.S., & Jourdan, P. (2014). Caracterização do regime de vento em superfície na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Engenharia Saniária Ambiental, 19(2), 121-132. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-41522014000200003

Robaa, S.M. (2003). Urban-suburban/rural differences over Greater Cairo, Egypt. Atmósfera, 16(3), 157-171.

Salat, S. (2009). Energy loads, CO2 emissions and building stocks: morphologies, typologies, energy systems and behaviour. Building Research & Information, 37(5-6),598-609. https://doi.org/10.1080/09613210903162126

Shumway, R.H., Azari, A.S., & Pawitan, Y. (1988). Modelling mortality fluctuations in Los Angeles as functions of pollution and weather effets. Environmental Research, 45, 224-241.

Tângari, V.R., Rego, A.Q, Dias, M.A., Rheingantz, P.A., Azevedo, G.A.N., Montezuma, R.C.M. Souza, M.J.N., Schlee, M.B., Caderman, R., Wopereis, B., Capillé, C.C., Parahuba, N., & Amorim, M. (2011). Morfologia Urbana, Suporte Geo-Bio Físico e o Sistema de Espaços Livres no Rio De Janeiro. In A.C.A. Campos, E.F. Queiroga, F. C. Galender, H.N. Degreas, R. Akamine, S.S. Macedo, & V. Custódio (Org.). Quadro dos sistemas de Espaços livres nas cidades brasileiras (1 ed., p. 195-239). São Paulo: FAU USP.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.