Modelos estatísticos para geração da Planta de Valores Genéricos: uma aplicação em município de pequeno porte

Reynaldo Furtado Faria Filho, Rosiane Maria Lima Gonçalves, Henrique Tadeu Gomes Luiz

Resumo


Importante fonte de arrecadação dos municípios, o IPTU tem como base de cálculo o valor venal do imóvel, estabelecido pela Planta de Valores Genéricos (PVG), a qual está desatualizada na maior parte dos municípios brasileiros. Assim, o objetivo deste trabalho foi utilizar a econometria espacial para gerar um modelo que permita determinar o valor venal de cada imóvel da área urbana de Rio Paranaíba/MG. Foram definidos os modelos mais adequados considerando o MCRL. Para os modelos que apresentaram efeitos de vizinhança foi gerada a matriz de pesos espaciais, necessária para a determinação dos modelos de defasagem espacial e espacial do erro. Por meio desses a variável homogeneizada foi determinada, a qual foi incluída no modelo final como variável independente. Os modelos que se apresentaram mais adequados foram os que empregaram a variável independente homogeneizada, que permitiram determinar o valor de cada imóvel por espécies condizentes com os valores de mercado. A metodologia utilizada mostrou-se viável para aplicação em municípios de pequeno porte, a qual associada ao cadastro imobiliário possibilita atualizar as bases de cobrança dos impostos sobre patrimônio e promover a isonomia tributária. Este estudo demonstrou a viabilidade de utilização de métodos robustos e reconhecidos pela ABNT para cidades pequenas.

Palavras-chave


valor venal do imóvel; econometria espacial; Planta de Valores Genéricos (PVG)

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT (2011). NBR 14.653-2: Avaliação de bens – Parte 2: imóveis urbanos. Rio de Janeiro: ABNT.

Afonso, J. R. R., Araujo E. A., & Nóbrega, M. A. R. (2010). O Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) no Brasil. Um Diagnóstico sobre o Grau de Aproveitamento do Imposto como Fonte de Financiamento Local. Cambridge, MA: Lincoln Institute of Land Policy. Recuperado em 12 de Agosto de 2018, de www.lincolninst.edu/

Anselin, L. (1988). Spatial Econometrics: Methods and Models. Dordrecht: Kluwer Academic.

Averbeck, C. E. (2003). Os sistemas de cadastro e planta de valores no município: prejuízos da desatualização (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Brondino, N. C. M. (1999). Estudo da Influência da Acessibilidade no Valor de Lotes Urbanos Através do Uso de Redes Neurais (Tese de Doutorado). Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos.

Carvalho Jr., P. H. B. (2006). O IPTU no Brasil: Progressividade, Arrecadação e Aspectos Extra-Fiscais. Texto para Discussão nº 1251, Brasília: Ipea.

Carvalho Jr., P. H. B. (2010). Avaliação imobiliária para fins tributários em Curitiba, São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. In 10ª Conferência Internacional da Latin American Real Estate Society (p. 1-20). São Paulo: LARES.

Carvalho Jr., P. H. B. (2011). O sistema avaliatório municipal de imóveis e a tributação do IPTU no Rio de Janeiro (Dissertação de Mestrado). Programa de PósGraduação em Ciências Econômicas, Universidade do Estado do Rio Janeiro, Rio de Janeiro.

Dalaqua, R. R. (2007). Aplicação de métodos combinados de avaliação imobiliária na elaboração da Planta de Valores Genéricos (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente.

Dantas, R. A. (2005). Engenharia de Avaliações: uma introdução à metodologia científica. São Paulo: Pini.

Dubin, R. (1988). Estimation of Regression Coefficients in the Presence of Spatially Autocorrelated Error Terms. The Review of Economics and Statistics, 70(3), 466-474. http://dx.doi.org/10.2307/1926785

Faria Filho, R. F., Brito, J. L. S., & Goncalves, R. M. L. (2017). Modelos estatísticos para geração de plantas de valores genéricos em áreas urbanas. Gestão & Produção, 24(2), 279-294. http://dx.doi.org/10.1590/0104-530x2482-15

Florêncio, L. de A. (2010). Engenharia de avaliações com base em modelos GAMLSS (Dissertação de Mestrado). Centro de Ciências Exatas e da Natureza, Estatística, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

González, M. A. S. (2002). Aplicação de Técnicas de Descobrimento de Conhecimento em Base de Dados e de Inteligência Artificial em Avaliações de Imóveis (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Gujarati, D. N. (2000). Econometria Básica. 3ª ed. São Paulo: Makron Books.

International Association of Assessing Officers - IAAO (2013). Standard on Ratio Studies. Recuperado em 15 de dezembro de 2013, de www.iaao.org

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2001). Comunicação Social. Recuperado em 20 de março de 2019 de www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/1704munic.shtm

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2010). Censo Demográfico - 2010. Recuperado em 15 de julho de 2018, de www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/sociais/populacao/9662-censo-demografico-2010.html?edicao=10410&t=downloads

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2012). Perfil dos Municípios Brasileiros - 2012. Recuperado em 20 de agosto de 2014, de www.ibge.gov.br/home/estatistica/ economia/perfilmunic/2012/defaulttabzip_xls.shtm

Liporoni, A. S. (2007). Avaliação em massa com ênfase em Planta de Valores. São Paulo: Pini.

Malaman, C. S., & Amorim, A. (2017). Método para determinação de valores na avaliação imobiliária: comparação entre o Modelo de Regressão Linear e Lógica Fuzzy. Boletim de Ciências Geodésicas, 23(1), 87-100. http://dx.doi.org/10.1590/s1982-21702017000100006.

Mccluskey, W. J., Deddis, W., Mcburney, A. M. D., & Borst, R. (1997). Interactive application of computer assisted mass appraisal and geographic information systems. Journal of Property Valuation & Investment, 15 (5), 448-465. https://doi.org/10.1108/14635789710189227

Medvedchikoff, T. G. (2009). Análise da planta genérica de valores por meio de estrato de renda no município de São Carlos (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Möller, L. F. C. (1995). Planta de valores genéricos – avaliação de imóveis para fins tributários. Porto Alegre: Sagra – DC Luzzatto Editores.

Prefeitura de Rio Paranaíba (2019). Portal da Transparência. Recuperado em 12 de março de 2017, de www.rioparanaiba.mg.gov.br/contas_publicas/receita_arrecadada/2017/receita-arrecadada-dezembro-2017.pdf

Silva, E. (2006). Cadastro técnico multifinalitário: base fundamental para avaliação em massa de imóveis (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais - TCEMG (2018). Fiscalizando com o TCE – Minas Transparente. Recuperado em 12 de março de 2019, de https://fiscalizandocomtce.tce.mg.gov.br/#/public/balanco.

Trivelloni, C. A. P. (2005). Método para determinação do valor da localização com uso de técnicas inferenciais e geoestatísticas na avaliação em massa de imóveis (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Tyszler, M., A. (2006). Econometria Espacial: Discutindo Medidas para a Matriz de Ponderação Espacial (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Administração Pública e Governo, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.