Desafios da mobilidade ativa na perspectiva dos serviços públicos: experiências na cidade de São Paulo

Silvia Stuchi Cruz, Sônia Regina Paulino

Resumo


O trabalho tem o objetivo de analisar os desafios da mobilidade ativa na perspectiva da inovação em serviços. Foram selecionados como estudos de caso: as áreas 40 de São Miguel Paulista e Santana e o projeto de rua completa da Rua Joel Carlos Borges. Na perspectiva da interpretação da inovação em serviços baseada em novas competências e técnicas do prestador, os projetos contribuíram para o desenvolvimento de competências no setor público para utilização de metodologias de avaliação de impacto e metodologia de leitura urbana, trazendo uma visão sistêmica e sobre os usos e dinâmicas locais, e aspectos comportamentais dos usuários. Tais competências estão associadas ao urbanismo tático como técnica para intervenções urbanas temporárias. Os princípios aplicados nos projetos estão alinhados à Política Nacional de Mobilidade Urbana, mas até o momento se restringiram a ações de alteração do limite de velocidade dos veículos e de sinalização horizontal para identificação do perímetro dessas áreas. Não foi identificada introdução de serviços de tratamento cicloviário. Portanto, apontam-se grandes potencialidades para a continuação da introdução de inovações para aprimoramento e ganho de escala dos serviços públicos para transporte não motorizado em consonância com o paradigma da mobilidade urbana sustentável.


Palavras-chave


mobilidade urbana sustentável, mobilidade ativa, urbanismo tático, inovação

Texto completo:

PDF

Referências


ANTP (2018). Sistema de Informações da Mobilidade Urbana da Associação Nacional de Transportes Público - Simob/ANTP. Disponível em: http://www.antp.org.br/sistema-de-informacoes-da-mobilidade/apresentacao.html Acesso em: junho 2019.

ANTP (2017)., Mobilidade Humana para um Brasil Urbano - 288p. Disponível em: http://files.antp.org.br/2017/7/12/antp-mobilidade-humana-11-07-2017--baixa.pdf Acesso em: junho 2019.

Artmann, M., Kohler, M., Meinel, G., Gan, J., Ioja, I. (2019). How smart growth and green infrastructure can mutually support each other — A conceptual framework for compact and green cities, Ecological Indicators 96 (2019) 10–22. https://doi.org/10.1016/j.ecolind.2017.07.001

Banister, D. (2008). The sustainable mobility paradigm. Transport Policy 15 (2), 73–80.

Barbosa, A. S. (2016). Mobilidade urbana para pessoas com deficiência no Brasil: um estudo em blogs. urbe, Revista Brasileira de Gestão Urbana, Curitiba , v. 8, n. 1, p. 142-154.

Barczak, R., Duarte, F. (2012). Impactos ambientais da mobilidade urbana: cinco categorias de medidas mitigadoras. urbe, Revista Brasileira de Gestão Urbana. vol.4, n.1, pp.13-32

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 229p.

Boareto, R. A. (2003). Mobilidade Urbana Sustentável. Revista dos Transportes Públicos, São Paulo. n.100. Ano 25 - 3º trimestre, 45-56.

Brasil (2012, 03 de janeiro). , Lei 12.587/12, de 03 de janeiro de 2012. Estabelece a Política Nacional De Mobilidade Urbana. Brasília: Diário Oficial.

Brasil. (2018). Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação para Ciências Humanas e Sociais, Brasília – DF – Brasil.

Bugge, M., Hauknes, J., Bloch, C., Slipersæter, S. (2010). The public sector in innovation systems, Project – Measuring Public Innovation in the Nordic Countries: Toward a common statistical approach.

Companhia de Engenharia de Tráfego - CET. (2016). De modal de transporte à satisfação de andar a pé. Boletim 59 - 2016. São Paulo: CET. Recuperado em 01 de junho de 2019, de http://www.cetsp.com.br/media/507576/bt59.pdf

Companhia de Engenharia de Tráfego - CET. (2019). Área 40: área de velocidade reduzida. Disponível em: http://www.cetsp.com.br/consultas/seguranca-e-mobilidade/area-40.aspx Acesso em: junho 2019.

Cidade Ativa. (2018a). Diagnóstico áreas 40: São Miguel Paulista. São Paulo: Cidade Ativa. Recuperado em 01 de junho de 2019, de www.cidadeativa.org Cidade Ativa. (2018b). Diagnóstico ruas completas: joel carlos borges. São Paulo: Cidade Ativa. Recuperado em 01 de junho de 2019, de www.cidadeativa.org

Cloutier, G., Papin,M., Bizier, C. (2018). Do-it-yourself (DIY) adaptation: Civic initiatives as drivers to address climate change at the urban scale, Cities, 74 (2018) 284–291. https://doi.org/10.1016/j.cities.2017.12.018

Cruz; S., Paulino, S. (2013). Analysis of Access to Clean Development Mechanism Landfill Projects through a Multi-Agent Model. International Journal of Environmental Science and Development, p. 268-271.DOI: 10.7763/IJESD.2013.V4.351.

Desmarchelier, B., Djellal, F. & Gallouj, F. (2018). Services In Innovation Networks And Innovation Networks In Services: From Traditional Innovation Networks (TINS) To Public Service Innovation Networks (PSINS), Proceedings. 28th RESER Conference, Gothenburg, Sweden.

Di Giulio, G. M., Bedran-Martins, A. M. B., Vasconcellos, M. d. P., Ribeiro, W. C., Lemos, M. C. (2018). Mainstreaming climate adaptation in the megacity of São Paulo, Brazil. Cities, 72, 237-244.

Departamento Estadual de trânsito de São Paulo - Detran. (2018). Frota de Veículos em SP.

Djellal, F., Gallouj, F. (2015). Quinze avancées et quinze défis pour la recherche sur l´innovation dans service, Clersé-CNRS, Lille 1 University, France, 2015.

Djellal, F., Gallouj, F., Miles, I. (2013) Two decades of research on innovation in services: Which place for public services?. Structural Change and Economic Dynamics, Elsevier, pp.98-117.

Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro - Firjan. (2014). Os custos da (i)mobilidade nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro e São Paulo, nota técnica nº 3, Julho 2014. Disponível em: https://www.firjan.com.br/publicacoes/publicacoes-de-economia/os-custos-da-i-mobilidade-nas-regioes-metropolitanas-do-rio-de-janeiro-e-sao-paulo.htm Acesso em: junho 2019.

Fundação Getúlio Vargas - FGV. (2018)., Gastos Públicos Em Mobilidade Urbana No Brasil, Centro de Estudos em Sustentabilidade.Disponível em: http://mediadrawer.gvces.com.br/publicacoes-2/original/fgvces_gastospublicosmobilidade_jun-18.pdf Acesso em: junho 19.

Fundação Getúlio Vargas - FGV. (2017a). Relatório de desenho de pesquisa para avaliação de impacto do Projeto de Requalificação Urbana e Segurança Viária de São Miguel Paulista na poluição do ar e na saúde.

Fundação Getúlio Vargas - FGV. (2017b). Relatório de linha de base da avaliação de impacto do projeto de requalificação urbana e segurança viária de São Miguel Paulista.

Gadrey, J. (2000). The characterization of goods and services: an alternative approach, Review of Income and Wealth, Series 46, Number 3, September.

Gallouj, F; Weinstein, O. (1997). Innovation in Services. Research Policy, v.26, p.537-556, 1997.

Gallouj, F., Savona, M. (2010). Towards a Theory of Innovation in Services: A State of the Art, The Handbook of Innovation and Services, chapter 1 Edward Elgar Publishing.

Gallouj, F. (2002). Innovation in the service economy: the new wealth of nations. Cheltenham: Edward Elgar, vol. 32, 226p.

Gomide, A. Á., Galindo, E. P. (2013). A mobilidade urbana: uma agenda inconclusa ou o retorno daquilo que não foi. Estudos Avançados, 27(79), 27-39.

Gudmundsson, H. (2004). Sustainable transport and performance indicators. In: Hester, R.E., Harrison, R.M. (Eds.), Transport and the Environment—Issues in Environmental Science and Technology, 20. Royal Society of Chemistry, Cambridge-UK, pp. 35–63. https://doi.org/10.1039/9781847552211-00035.

Guido, C., Franco, P., Fogelson, Y. (2017). A urgência das transformações urbanas. O case da rua Joel Carlos Borges como ponto de partida para políticas de reequilíbrio e valorização do espaço público. Revista dos Transportes Públicos - ANTP.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. (2017). estimativas populacionais dos municípios para 2017. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2017/default.shtm Acesso em: junho 2019

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. (2010). Censo 2010 População residente por situação de domicílio, 2010. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/habitacao/9662-censo-demografico-2010.html?=&t=destaques. Acesso em: junho 2019.

.

Instituto de Energia e Meio Ambiente - IEMA. (2017), Inventário de Emissões do Transporte Rodoviário de Passageiros em São Paulo. Disponível em: http://emissoes.energiaeambiente.org.br/ Acesso em: junho 19.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA, Institute for Transportation and Development Policy - ITDP. (2016). Cidade e movimento: mobilidades e interações no desenvolvimento urbano. 1ed Brasília.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA. (2018). AGENDA 2030 - ODS – Metas Nacionais dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/livros/livros/180801_ods_metas_nac_dos_obj_de_desenv_susten_propos_de_adequa.pdf Acesso em: junho 19.

Institute for Transportation and Development Policy - ITDP. (2016). Institute for Transportation and Development Policy. Desenho Urbano e Segurança Viária: requalificação de áreas de baixa velocidade em São Miguel Paulista

Institute for Transportation and Development Policy - ITDP. (2018). Institute for Transportation and Development Policy. Intervenção urbana temporária (Re)pensando a rua em Santana Relatório de Atividade.

Institute for Transportation and Development Policy - ITDP, World Resources Institute - WRI (2016) Infográfico PNT People Near Transit da cidade de São Paulo. Disponível em: http://wricidades.org/research/publication/infogr%C3%A1fico-pnt Acesso em: junho 2019.

Laboratório de Mobilidade Sustentável - LabMob, World Resources Institute - WRI. (2018). Estudo de Impacto e Avaliação de Rua Completa - Rua Joel Carlos Borges, Berrini – São Paulo. Relatório Técnico Final. Março de 2018.

Machado, L.; Piccinini, L. S. (2018). Os Desafios para a Efetividade da Implementação dos Planos de Mobilidade Urbana: Uma Revisão Sistemática. Revista Brasileira de Gestão Urbana, Vol 10, Iss 1, pp. 72-94..

Ministério das Cidades - MC. (2007). Planmob - caderno de referência para elaboração de plano de mobilidade urbana. Disponível em: http://www.capacidades.gov.br/biblioteca/detalhar/id/270/titulo/planmob---caderno-de-referencia-para-elaboracao-de-plano-de-mobilidade-urbana Acesso em: junho de 2019.

Mohnen, P. & Stare, M. (2013) The notion of inclusive innovation. In: Wobbe, W. (ed.) Inclusive innovation and service innovation. Luxembourg: Publications Office of the European Union.

Nações Unidas. (2018). sustainable development goals. Disponível em: https://www.un.org/sustainabledevelopment/sustainable-development-goals/ Acesso em: junho de 2019.

Observatório do Clima. (2018). Emissões de GEE no Brasil e suas implicações para políticas públicas e a contribuição brasileira para o Acordo de Paris, 2018. Disponível em: http://seeg.eco.br/wp-content/uploads/2018/08/Relatorios-SEEG-2018-Sintese-FINAL-v1.pdf Acesso em: junho 19.

Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económico - OCDE. (2018)., Oslo Manual 2018 Guidelines for Collecting, Reporting and Using Data on Innovation, 4th Edition.

Pojani, D., Stead, D. (2018). Policy design for sustainable urban transport in the global south, Policy Design and Practice, 1:2, 90-102.

Rede Nossa São Paulo (2018). Viver em São Paulo -Mobilidade Urbana na Cidade.

São Paulo (2013, 01 de julho). Decreto Municipal n. 54.058, de 01 de julho de 2013. Cria o Conselho Municipal de Trânsito e Transporte - CMTT, no âmbito da Secretaria Municipal de Transportes. Diário Oficial da Cidade de São Paulo, página 01.

São Paulo (2017, 13 de junho). LEI Nº 16.673, de 13 de junho de 2017. Estatuto do Pedestre do município de São Paulo. São Paulo: Diário Oficial.

São Paulo (2018, 07 de novembro). Lei Nº 16.738, de 7 de novembro de 2017. Sistema Cicloviário do Município de São Paulo. São Paulo: Diário Oficial.

Seade. (2018). Perfil dos Municípios Paulistas. Disponível em: http://www.perfil.seade.gov.br/ Acesso em: junho 2019.

Stare, M. (2013). Seizing the opportunities of service innovation: Policy brief no. 7. In: Wobbe, W. (ed.) Inclusive innovation and service innovation. Luxembourg: Publications Office of the European Union.

Tartarotti, R.; Merchán, C. R. (2017). Uma análise sobre a incidência do Conselho Municipal de Transporte e Trânsito na política de mobilidade urbana da cidade de São Paulo,congreso internacional en gobierno, administración y políticas públicas, Madrid, Espanha.

Urb-i. (2019). Relatório Pós Intervenção Plano de Bairro Berrini Rua Joel Carlos Borges X Rua Sansão

World Health Organization - Who. (2018)., Global Status Report On Road Safety 2018. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/276462/9789241565684-eng.pdf?ua=1 Acesso em: junho de 2019.

Windrum, P., Garcia-goñi, M. (2008). A neo-Schumpeterian model of health services innovation, Research Policy, Elsevier, vol. 37(4), pages 649-672, May, 2008.

Zhao, P. (2010). Sustainable urban expansion and transportation in a growing megacity: Consequences of urban sprawl for mobility on the urban fringe of Beijing. Habitat International 34, 236-243.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.