RESÍDUOS VOLUMOSOS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: GERENCIAMENTO E VALORIZAÇÃO

Marcia Harumi Ito, Renata Colombo

Resumo


O tratamento e a destinação dos resíduos sólidos ocorrem de diferentes formas mediante o desenvolvimento econômico, tecnológico e cultural de cada país. No Brasil, apesar das diversas legislações regulamentando o gerenciamento destes resíduos, vários impactos socioambientais têm sido constatados associados ao descarte irregular e/ou inadequado dos mesmos. Entre os resíduos que possuem uma complexa problemática de gestão e possibilidade de aperfeiçoamento estão os resíduos sólidos volumosos. Neste estudo realizou-se uma análise do modelo atual de gerenciamento dos resíduos volumosos no município de São Paulo, com apontamento para os pontos críticos e propostas de diretrizes para um gerenciamento mais adequado do ponto de vista socioambiental. Os dados do modelo atual foram obtidos a partir da coleta de informações públicas e visitas in loco aos Ecopontos do município. Os resultados indicam a falta de gerenciamento de alguns resíduos volumosos pelos Ecopontos e que os resíduos que são recebidos por estas unidades são atualmente dispostos em aterros podendo ter direções de valorização. Destaca-se também a falta de programas de Educação Ambiental e uma má qualidade da segregação na fonte. As diretrizes de gerenciamento e valorização propostas estão baseadas nos modelos em funcionamento no exterior e em sistemas de reaproveitamento, preconizados nas legislações Brasileiras.


Palavras-chave


gerenciamento, resíduos sólidos, ecopontos, resíduos volumosos.

Texto completo:

PDF

Referências


Adorno, R. de C. F., & Castro, A. L. de. (1994). O exercício da sensibilidade: pesquisa qualitativa e a saúde como qualidade. Saúde e Sociedade, 3(2), 172-185. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12901994000200009

Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais - ABRELPE. (2016). Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil - 2016. São Paulo: ABRELPE. Recuperado em 24 de junho de 2018, de www.abrelpe.org.br/Panorama/panorama2016.pdf

Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. (2004). Classificação de Resíduos Sólidos - Norma ABNT NBR 10.004:2004. Rio de Janeiro: ABNT. Recuperado em 24 de junho de 2018, de http://www.unaerp.br/documentos/2234-abnt-nbr-10004/file

Autoridade Municipal de Limpeza Urbana - AMLURB. (2017). Ecoponto: Estação de Entrega Voluntária de Inservíveis. São Paulo: AMLURB. Recuperado em 24 de junho de 2018, de http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/regionais/amlurb/ecopontos/index.php?p= 4626

Brasil (2002, 17 de julho). Resolução n. 307, de 5 de julho de 2002. Estabelece as diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Brasília: Diário Oficial da União, seção 1.

Brasil (2010, 3 de agosto). Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, seção 1.

Brasil (2016, 7 de abril). Resolução n. 510, de 7 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais cujos procedimentos metodológicos envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com os participantes ou de informações identificáveis ou que possam acarretar riscos maiores do que os existentes na vida cotidiana, na forma definida nesta Resolução. Brasília: Diário Oficial da União, seção 1.

Boni, V., & Quaresma, S. J. (2005). Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Em Tese, 2(1), 68-80. https://doi.org/10.5007/%25x.

Campos, L. M. S., & Melo, D. A. de. (2008). Indicadores de desempenho dos Sistemas de Gestão Ambiental (SGA): uma pesquisa teórica. Production, 18(3), 540-555. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65132008000300010

Cheah, C. B., & Ramli, M. (2011). The implementation of wood waste ash as a partial cement replacement material in the production of structural grade concrete and mortar: An overview. Resources Conservation and Recycling, 55(7), 669-685. DOI: 10.1016/j.resconrec.2011.02.002

Soluções em Meio Ambiente - SOMA. (2013). Ecopontos Soma. São Paulo: SOMA. Recuperado em 24 de junho de 2018, de http://www.consorciosoma.com.br/ecopontos-soma

Deepak, K. B., & Jnanesh, N. A. (2015). Investigation of Areca Leaves as a Biomass Fuel by the Method of Briquetting. IPASJ. International Journal of Mechanical Engineering, 3(7), 16-21.

European Environment Agency - EEA. (2009). Diverting waste from landfill: effectiveness of waste management policies in the European Union (Vol. 7). Copenhagen: EEA.

Fernandez, J. A. B. (2012). Diagnóstico dos resíduos sólidos da construção civil. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Ferreira, J. A., & Anjos, L. A. (2001). Aspectos de saúde coletiva e ocupacional associados à gestão dos resíduos sólidos municipais. Cadernos de Saúde Publica, 17(3), 689-696. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2001000300023

Fricke, K., Pereira, C., Leite, A., & Bagnati, M. (2015) Gestão sustentável de resíduos sólidos urbanos: transferência de experiência entre a Alemanha e o Brasil. Braunschweig: Technische Universität Braunschweig.

Giusti, L. (2009). A review of waste management practices and their impact on human health. Waste management, 29(8), 2227-2239. 10.1016/j.wasman.2009.03.028.

Gouveia, N. (2012). Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Ciência & Saúde Coletiva, 17(6), 1503-1510. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000600014

Inova. (2017). Coleta de Entulho e Volumosos. São Paulo: INOVA. Recuperado em 26 de junho de 2018, de http://www.inovagsu.com.br/o-que-fazemos/coleta-de-entulho

Jacobi, P. R., & Besen, G. R. (2006). Gestão de resíduos sólidos na região metropolitana de São Paulo. São Paulo em Perspectiva, 20(2), 90-104.

Jacobi, P. R., & Besen, G. R. (2011). Gestão de resíduos sólidos em São Paulo: desafios da sustentabilidade. Estudos avançados, 25(71), 135-158. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142011000100010

Jaron, A., & Kossmann, C. (2018) Waste Management in Germany: Facts, data, diagrams. Berlin: Federal Ministry for the Environment, Nature Conservation and Nuclear Safety.

John, L. (2016). Colchão velho, novo isolante. Recuperado em 24 de junho de 2018, de http://conexaoplaneta.com.br/blog/colchao-velho-novo-isolante/

Jucá, J. F. T., Lima, J. D., Mariano, M. O. H., Firmo, A. L. B., Lima, D. G. A., Lucena, L. F. L., Farias, P. R. R., Junior, F. H. C., Carvalho, E. H., Ferreira, J. A., & Reichert, G. A. (2012). Análise das Diversas Tecnologias de Tratamento e Disposição Final de Resíduos Sólidos Urbanos no Brasil, Europa, Estados Unidos e Japão. Recife: FADE-UFPE.

Karpinsk, L. A., Pandolfo, A., Reineher, R., Kurek, J., Pandolfo, L. M. & Guimarães, J.C.B. (2009). Gestão diferenciada de resíduos da construção civil: Uma abordagem ambiental. Porto Alegre: Edipucrs.

May, T. (2001). Social research: issues, methods and process. New York: Open University Press.

Mercatudo Casas André Luiz. (2013). Sua doação faz toda a diferença!. Guarulhos: Mercatudo. Recuperado em 24 de junho de 2018, de http://mercatudo.org.br/index.php

Milanez, B. (2002). Resíduos sólidos e sustentabilidade: princípios, indicadores e instrumentos de ação (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Ministério do Meio Ambiente – MMA. (2017). Política Nacional de Resíduos Sólidos. Brasília: MMA. Recuperado em 24 de junho de 2018, de http://www.mma.gov.br/cidades- sustentaveis/residuos-solidos/politica-nacional-de-residuos-solidos

Nasrin, A. B., Ma, A.N., Choo, Y. M., Mohamad, S., Rohaya, M. H., Azali, A., & Zainal, Z. (2008). Oil palm biomass as potential substitution raw materials for commercial biomass briquettes production. American Journal of Applied Sciences, 5(3), 179-183. 10.3844/ajassp.2008.179.183

Pallavi, H. V., Srikantaswamy, S., Kiran, B. M., Vyshnavi, D.R., & Ashwin, C. A. (2013). Briquetting agricultural waste as an energy source. Journal of Environmental Science, Computer Science and Engineering & Technology, 2(1), 160-172.

Paróquia Sagrada Família. (2011). Cáritas Diocesana promove bazar beneficente. São José dos Campos: Paróquia Sagrada Família. Recuperado em 26 de junho de 2018, de http://www.sagradafamiliaonline.org.br/noticias.php?id=429#.WhBLtyMrJcw

Pinhel, J. R. (2013). Do lixo à cidadania: guia para a formação de cooperativas de catadores de materiais recicláveis. São Paulo: Editora Peirópolis.

Pinto, T. P. (1999). Metodologia para gestão diferenciada de resíduos sólidos da construção urbana (Tese de Doutorado). Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Polaz, C. N. M., & Teixeira, B. A. N. (2009). Indicadores de sustentabilidade para a gestão municipal de resíduos sólidos urbanos: um estudo para São Carlos (SP). Engenharia Sanitária e Ambiental, 14(3), 411-420. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-41522009000300015.

Prefeitura de São Paulo (2014). Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo. São Paulo: Prefeitura de São Paulo. Recuperado em 24 de junho de 2018, de http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/servicos/arquivos/PGIRS-2014.pdf

Reciclanip. (2017). O ciclo sustentável do pneu. São Paulo: Reciclanip. Recuperado em 24 de junho de 2018, de http://www.reciclanip.com.br/v3/quem-somos-institucional

Reis, G. A. X., Rossaneis, M. A., Haddad, M. C. L., & Belei, R. A. (2014). Critérios para aquisição, conservação e descarte de colchões em instituições de saúde. Revista Mineira de Enfermagem, 8(3), 673-678. http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20140049

Rocha, J. C., & Cheriaf, M. (2003). Aproveitamento de resíduos na construção. Coletânea Habitare, 4, 72-93.

Rudio, F. V. (2001). Introdução ao projeto de pesquisa científica. (29a ed.). Petrópolis: Vozes.

São Paulo (2008, 27 de junho). Lei n. 14.803, de 26 de junho de 2008. Dispõe sobre o Plano Integrado de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil e Resíduos Volumosos e seus componentes. São Paulo: Diário Oficial do Município, número 118.

São Paulo (2014, 16 de maio). Decreto n. 55.113, de 15 de maio de 2014. Dispõe sobre a implantação de Ecopontos no Município de São Paulo. Diário Oficial do Município, número 90.

Silva, A. F., & Figueiredo, C. F. de. (2010). Reaproveitamento de resíduos de MDF da indústria moveleira. Design e Tecnologia, 1(2), 77-87. http://dx.doi.org/10.23972/det2010iss02pp77-87

Silva, D. P. (2016). Avaliação do processo de adensamento de resíduos de poda de árvore visando ao aproveitamento energético: o caso do campus da USP na capital (Dissertação de Mestrado). Instituto de Energia e Ambiente, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Yolin, C. (2015). Waste Management and Recycling in Japan Opportunities for European Companies (SMEs Focus). Tokyo: EU-Japan Center for Industrial Cooperation.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.