Gestão socioambiental nas grandes cidades: por que olhar do Brasil para as iniciativas das megalópoles indianas?

Leonardo Mercher

Resumo


Diante dos diversos modelos de gestão pública no mundo, é valido observar outras experiências em realidades socioambientais mais semelhantes às cidades brasileiras em desenvolvimento. No cenário do BRICS – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul –, o presente texto identifica as três maiores cidades indianas, Mumbai, Déli e Bangalore, como uma possibilidade de difusão de políticas públicas às cidades brasileiras, dada a proximidade de fatores, como clima tropical, favelização, corrupção pública e desigualdade social. A hipótese levantada é de que a realidade indiana seria mais próxima à realidade brasileira do que as realidades europeias (incluindo a Rússia) ou a realidade chinesa, mas os meios de difusão da informação no Brasil pouco tratam das experiências indianas. Para testar a hipótese, faz-se a análise de dados econômicos, demográficos, sociais e ambientais de fontes governamentais e de organismos internacionais, como do BRICS, PNUD, UN-Habitat e Banco Mundial nos anos 2000 e 2010, bem como dos maiores think tanks no Brasil em Relações Internacionais: CEBRI e BRICS Policy Center. Como resultado, observa-se que os desafios das grandes cidades indianas e brasileiras são semelhantes, porém há pouco material em língua portuguesa nos think tanks de Relações Internacionais que orientam as práticas de gestores públicos brasileiros.


Palavras-chave


Cidades, Índia, Brasil, Política Pública.

Texto completo:

PDF

Referências


Acharya, A. (2004). How Ideas Spread: Whose Norms Matter? Norm Localization and Institutional Change in Asian Regionalism. International Organization, v. 58, n. 2, p. 239-275. Recuperado em 23 de março de 2019, de http://www.ir.rochelleterman.com/sites/default/files/acharya%202004.pdf

Actualitix World Atlas Statistics by Country (2016). Human Development by Country. Recuperado em 23 de março de 2019, de https://pt.actualitix.com/pais/wld/indice-de-desenvolvimento-humano-por-pais.php

Annenberg Learner. (2015). Urbanization and Megacities. In: Human Population Dynamics, Section 6. Recuperado em 23 de março de 2019, de https://www.learner.org/courses/envsci/unit/text.php?unit=5&secNum=6#worlds_largest_cities

Bresser-Pereira, L. C. (2009). Assalto ao Estado e ao mercado, neoliberalismo e teoria econômica. Estudos Avançados, São Paulo, v. 23, n. 66, p. 7-23.

BRICS Policy Center (2019). Publicações. Rio de Janeiro. Recuperado em 10 de janeiro de 2019, de http://www.bricspolicycenter.org/

Campos, F. A. O. & Pereira, R. A. C. (2016). Corrupção e ineficiência no Brasil: Uma análise de equilíbrio geral. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 46, n. 2, p. 373-408. Recuperado em 10 de janeiro de 2019, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-41612016000200373

City Mayors Statistics (2018). Largest cities in the World: Europe’s largest cities ranked 1 to 100 & US largest cities ranked 1 to 100. Londres. Recuperado em 31 de janeiro de 2019, de http://www.citymayors.com/features/euro_cities1.html.

Dupont, V. & Saglio-Yatzimirsky, M. C. (2009). Programas de erradicação, reassentamento e urbanização das favelas: Delhi e Mumbai. Estudos Avançados, São Paulo, 23 (66), 283-302, 2009. Recuperado em 10 de janeiro de 2019, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142009000200020

Estadão. (2014). Poluição do ar matou 7 milhões de pessoas em 2012, por Erton Escobar em 25 de março de 2014. Recuperado em 23 de março de 2019, de https://ciencia.estadao.com.br/blogs/herton-escobar/poluicao-do-ar-matou-7-milhoes-de-pessoas-em-2012/

Figueiredo, O. S. (2008). Distância Psíquica e Distância Cultural: Uma Análise do Domínio Conceitual dos Construtos. In: Anais do XXXII EnANPAD. Rio de Janeiro: EnANPAD. Recuperado em 31 de janeiro de 2019, de http://www.anpad.org.br/admin/pdf/ESO-B1806.pdf

Fletcher, R.; Bohn, J. (1998). The impact of psychic distance on the internationalization of the Australian firm, Journal of Global Marketing, v. 12, n. 2, p. 47-68 apud Figueiredo, O. S. (2008). Distância Psíquica e Distância Cultural: Uma Análise do Domínio Conceitual dos Construtos. In: Anais do XXXII EnANPAD. Rio de Janeiro: EnANPAD. Recuperado em 31 de janeiro de 2019, de http://www.anpad.org.br/admin/pdf/ESO-B1806.pdf Gaw Urban Research Meteorology and Environment Project of World Meteorology Organization – GURME (2018). SAFAR India Commonwealth Games. Recuperado em 10 de janeiro de 2019, de http://mce2.org/wmogurme/projects/india-commonwealth-games

Hawkes, J. (2006). The Fourth Pillar of Sustainability: Culture’s essential role in public planning. In: Local Policy for Cultural Diversity of CC-CGLU, Circular 26, p. 04-31.

Hindustan Times. (2018). Maharashtra govt to rehabilitate all ineligible slum dwellers in Mumbai; but for at a cost. Faisal Malik, 20 de maio de 2018. Recuperado em 23 de março de 2019, de https://www.hindustantimes.com/mumbai-news/maharashtra-govt-to-rehabilitate-all-ineligible-slum-dwellers-in-mumbai-but-for-at-a-cost/story-uBHcbi5tfZz3KJWyRB6G8N.html

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2018). Estimativas da população residente nos municípios brasileiros com data referência em 1º de julho de 2018. Brasília: Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Recuperado em 31 de janeiro de 2019, de https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/22374-ibge-divulga-as-estimativas-de-populacao-dos-municipios-para-2018

India Today. (2013). India’s second-richest state Delhi unable to feed its poor: DAY. Recuperado em 23 de março de 2019, de

Governo da Índia. (2011). Provisional Population Totals, Census of India 2011; Cities having population 1 lakh and above. Office of the Registrar General & Census Commissioner. Recuperado em 10 de janeiro de 2019, de http://censusindia.gov.in/2011-prov-results/paper2/data_files/India2/Table_2_PR_Cities_1Lakh_and_Above.pdf

Krishna, S. (2009). Globalization and Postcolonialism: Hegemony and Resistance in the Twentyfirst Century. Plymouth: Rowman & Littlefield..

Maricato, E. (2000). Urbanismo na periferia do mundo globalizado: metrópoles brasileiras. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, 14 (4), 21-33.

Mercher, L., Bernardo, G. & Silva, E. Z. (2018). Difusão internacional de modelos de desenvolvimento na Rede de Mercocidades. Revista de Estudos Internacionais, 9, (2), 65-87. Recuperado em 10 de janeiro de 2019, de http://www.revistadeestudosinternacionais.com/uepb/index.php/rei/article/view/387/387

Nagendra, H. (2016). Restoration of the Kaikondrahalli lake in Bangalore: Forging a new urban commons. Azim Premji University, Pune. Recuperado em 10 de janeiro de 2019, de http://www.vikalpsangam.org/static/media/uploads/Resources/kaikondrahalli_lake_casestudy_harini.pdf

O Globo. (2017). A poluição nas lagoas da Barra e Jacarepaguá. Matéria de 31 de janeiro de 2017. Recuperado em 23 de março de 2019, de https://oglobo.globo.com/rio/a-poluicao-nas-lagoas-da-barra-jacarepagua-20846290 Peer Expierience and Reflective Learning. Compendium of Good Practices – PEARL. (2015).Urban Water Supply and Sanitation in Indian Cities. An iniciative of National Institution of Urban Affairs. Recuerado em 23 de março de 2019, de https://citynet-ap.org/the-peer-experience-and-reflective-program-pearl/

Pereira, A., Bernardo, G., Culpi, L. & Pessali, H. (2018). A governança facilitada no Mercosul: transferência de políticas e integração nas áreas de educação, migração e saúde. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, 52 (2), 285-302. Recuperado em 18 de fevereiro de 2019, de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-76122018000200285&script=sci_abstract&tlng=pt

PNUD e Governo da Índia (2015). Social Sector Service Delivery: Good Practices Resource Book 2015. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em parceria com o Governo da Índia. Recuperado em 10 de janeiro de 2019, de http://www.in.undp.org/content/dam/india/docs/SSS2015.pdf

Sánchez, F. (2001). A reinvenção das cidades na virada do século: agentes, estratégias e escalas de ação política. Revista Sociologia & Política, UFPR, 3, (16), 31-49. Recuperado em 31 de janeiro de 2019, de http://www.scielo.br/pdf/rsocp/n16/a03n16.pdf

Sassen, S. (2011). Curfew in the Favela. Forbes, abril de 2011. Recuperado de 10 de janeiro de 2019, de https://www.forbes.com/sites/megacities/2011/04/08/curfew-in-the-favela/#633482706bc7

São Paulo. Prefeitura Municipal. (2013). Programa Paraisópolis. São Paulo: Secretaria da Habitação e Desenvolvimento Urbano (SEHAB) apud Maziviero, M. C. & Silva, A. S. (2018). O caso do Complexo Paraisópolis em gestões: diferenças conceituais em programas de intervenção em favelas em São Paulo. URBE, 2018 set./dez., 10 (3), 500-520. Recuperado em 23 de março de 2019, de http://www.scielo.br/pdf/urbe/v10n3/2175-3369-urbe-2175-3369010003AO03.pdf

Social Exclusion, Territories and Urban Policies – SETUP (2009). Setup: a comparision between India and Brazil Recuperado em 23 de março de 2019, de http://www.csh-delhi.com/research-programs/81-research-programs/190-social-exclusion-territories-and-urban-policies-s-e-t-u-p-a-comparison-between-india-andbrazil

Souza, N. M. F. & Werneck, M. (2011). Mecanismos de cooperação entre cidades no âmbito BRICS. BRICS Monitor. Núcleo de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade BRICS Policy Center.

Stone, D. (2012). Transfer and Translation of Policy. Journal Policy Studies, v. 33. Recuperado em 23 de março de 2019, de https://doi.org/10.1080/01442872.2012.695933

Transparency International. (2014). Georgia ranks 50th among 175 countries in the 2014 Corruption Perceptions Index. Transparency International Georgia, 03 de dezembro de 2014. Recuperado em 23 de março de 2019, de https://www.transparency.ge/en/post/corruption-perception-index-cpi-2014

UN-Habitat – Programa das Nações Unidas para Habitação. (2005). Porcentagem da população mundial vivendo em favelas. Recuperado em 23 de março de 2019, de http://www.unhabitat.org/stats/Default.aspx


Apontamentos

  • Não há apontamentos.