Configuração espacial em cidades aglomeradas: explorando os efeitos da atratividade do terciário na região da Serra Gaúcha, RS

Ana Lilian Brock de Souza, Clarice Maraschin

Resumo


O trabalho aborda as aglomerações urbanas e seus possíveis efeitos na estrutura espacial das cidades que as compõem. Uma aglomeração urbana pressupõe a existência de fortes inter-relações socioespaciais entre cidades próximas e complementaridade entre atividades (habitação, emprego, estudo, serviços, entre outras). O objetivo deste trabalho é analisar os prováveis efeitos da atratividade entre cidades aglomeradas, nas escalas intra e interurbana. O artigo enfoca especificamente a relação habitação-consumo e toma como estudo empírico três cidades aglomeradas na região da Serra Gaúcha (Bento Gonçalves, Garibaldi e Carlos Barbosa). A metodologia do trabalho é de natureza quantitativa e se fundamenta em modelos configuracionais urbanos. As três cidades são representadas como um sistema espacial possibilitando a análise de dois cenários: as cidades separadas e em conjunto. Aplica-se o Modelo de Polaridade como indicador de atratividade relativa, que permite inferir um determinado tipo de complementaridade entre unidades do espaço urbano. A metodologia permitiu a comparação entre os cenários, fornecendo uma primeira medida da hierarquia espacial gerada na relação de consumo entre as cidades. As conclusões procuram evidenciar as potencialidades e limites da metodologia apresentada.

Palavras-chave


Aglomerações urbanas; modelos configuracionais; atividades terciárias; impactos

Texto completo:

PDF

Referências


Anas, A., Arnott, R., & Small, K. (1998). Urban spatial structure. Journal of Economic Literature, 36, 1426-1464.

Associação Brasileira de Shopping Centers – ABRASCE. (2017). Plano de Mix 2017. Recuperado em 10 de março de 2018, de https://abrasce.com.br/wp-content/uploads/2019/05/AF-PlanoDeMix-2017_2018.pdf

Batty, M. (2008). Cities as complex systems. scalling, interactions, networks, dynamics and urban morphologies. Londres: CASA Paper 131.

Bento Gonçalves. (2006). Lei Complementar nº 103, de 26 de outubro de 2006. Institui o Novo Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado do Município de Bento Gonçalves. Bento Gonçalves: Diário Oficial do Município.

Berry, B. (1967). Geografia de los Centros de Mercado y Distribución al por Menor. Barcelona: Ed. Vicens-Vives.

Brasil. (2015). Lei n. 13.089, de 12 de janeiro de 2015. Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001, e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União.

Camagni, R. (2005). Economia urbana. Barcelona: Asociación Española de Ciencia Regional.

Colusso, I. (2015). Forças regionais, formas urbanas e estrutura interna da cidade: um estudo de relações [Tese de doutorado]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Christaller, W. (1966). Central places in Southern Germany. Englewood Cliffs: Prentice-Hall.

Crucitti, P., Latora, V., & Porta, S. (2006). Centrality measures in spatial networks of urban streets. Physical Review E, 73(3 Pt2), 036125. http://dx.doi.org/10.1103/PhysRevE.73.036125.

Davidovich, F. R., & Lima, O. M. B. (1975). Contribuição ao estudo de aglomerações urbanas no Brasil. Revista Brasileira de Geografia, 37(1), 3-84.

Delgado, P. R., Deschamps, M. V., Vanice, M., Moura, R., & Ulhôa Cintra, A. P. (2016). Mobilidades nas regiões metropolitanas brasileiras: processos migratórios e deslocamentos pendulares. In R. Balbim, C. Krause & C. C. Linke. Cidade e movimento: mobilidades e interações no desenvolvimento urbano (pp. 223-245). Brasília: Ipea: ITDP.

ESRI ArcGIS. (2013). ESRI ArcGIS: versão 10.2 [Software] Redlands: ArcGIS.

Fujita, M., Krugman, P., & Venables, A. J. (2002). Economia espacial. São Paulo: Ed. Futura.

Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional – METROPLAN. (2013). Análise da Possibilidade de Transformação da Aglomeração Urbana do Nordeste - AUNe em Região Metropolitana de Caxias do Sul. Porto Alegre: METROPLAN. Recuperado em 20 de março de 2018, de www.aune.rs.gov.br/index.php?option=com_weblinks&view=category&id=14&Itemid=22

Google Fusion Tables. (2018). Recuperado em 20 de março de 2018, de https://www.google.com/fusiontables/data?dsrcid=implicit&pli=1

Hillier, B. (1999). Centrality as a process. Accounting for attraction inequalities in deformed grids. Urban Desing International, 4(3-4), 107-127.

Hillier, B., & Hanson, J. (1984). The social logic of space. Cambridge: Cambridge University Press. http://dx.doi.org/10.1017/CBO9780511597237.

Hillier, B., Penn, A., Hanson, J., Grajewski, T., & Xu, J. (1993). Natural movement: or, configuration and attraction in urban pedestrian movement. Environment and Planning. B, Planning & Design, 20(1), 29-66. http://dx.doi.org/10.1068/b200029.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2007). Regiões de influência das cidades - REGIC. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 06 de março de 2017, de http://www.mma.gov.br/estruturas/PZEE/_arquivos/regic_28.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2012). Censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 27 de março de 2017, de https://censo2010.ibge.gov.br/resultados.html

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2014). Estimativas populacionais. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 27 de março de 2017, de https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/sociais/populacao/9103-estimativas-de-populacao.html

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2015). Arranjos Populacionais e Concentrações Urbanas do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 20 de março de 2018, de https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv99700.pdf

Jiang, B. (2008). Street hierarchies: a minority of streets account for a majority of traffic flow. International Journal of Geographical Information Science, 23(8), 1033-1048. http://dx.doi.org/10.1080/13658810802004648.

Krafta, R. (1994). Modelling intra-urban configurational development. Environment and Planning. B, Planning & Design, 21(1), 67-82. http://dx.doi.org/10.1068/b210067.

Krafta, R. (2014). Notas de aula de morfologia urbana. Porto Alegre: Ed. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Lemos, M. B., Diniz, C. C., Guerra, L. P., & Moro, S. (2003). A nova configuração regional brasileira e sua geografia econômica. Estudos Econômicos, 33(4), 665-700.

Maraschin, C. (2013). Reflexões acerca da descentralização do comércio. In Anais IV CINCci - Colóquio Internacional sobre Comércio e Cidade. São Paulo: FauUSP.

Motta, D. M., & Ajara, C. (2001). Configuração da Rede Urbana no Brasil. Revista Paranaense de Desenvolvimento, 100, 7-25.

Polidori, M. C., Granero, J., & Krafta, R. (2001). Medidas urbanas, versão 1.15. FAUrb [Software]. Pelotas: UFPel.

Porta, S., Strano, E., Iacoviello, V., Messora, R., Latora, V., Cardillo, A., Wang, F., & Scellato, S. (2009). Street centrality and densities of retail and services in Bologna, Italy. Environment and Planning. B, Planning & Design, 36(3), 450-465. http://dx.doi.org/10.1068/b34098.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD. (2010). IDHM Municípios. Recuperado em 20 de março de 2018, de http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/ranking

Richardson, H. (1973). Elementos de economia regional. Rio de Janeiro: Zahar Ed.

Rigatti, D. (2009). Measuring conurbation. In Proceedings of the 7th International Space Syntax Symposium (pp. 1-13). Stockholm: School of Architecture, KTH.

Simões, R., & Amaral, P. V. (2011). Interiorização e novas centralidades urbanas: uma visão prospectiva para o Brasil. Revista Economia, 12(3), 553-579.

Souza, M. L. (2008). ABC do desenvolvimento urbano. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Ugalde, C. M. (2013). Movimento e hierarquia espacial na conurbação: o caso da Região Metropolitana de Porto Alegre [Tese de doutorado]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Ultramari, C., & Moura, R. (1994). Metrópole - Grande Curitiba: teoria e prática. Curitiba: IPARDES.

Villaça, F. (2001). Espaço Intra-Urbano no Brasil (2 ed.). São Paulo: Studio Nobel.

Wilson, A. G. (1971). A family of spatial interaction models, and associated developments. Environment & Planning, 3(1), 1-32. http://dx.doi.org/10.1068/a030001.

Zechlinski, A. P. P. (2013). Configuração e práticas no espaço urbano: uma análise da estrutura espacial urbana [Tese de doutorado]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.