Desigualdades socioeconômicas e demográficas nos municípios do Rio Grande do Sul/Brasil: um índice de vulnerabilidade à pobreza

Lauana Rossetto Lazaretti, Felipe Orsolin Teixeira, Sibele Vasconcelos de Oliveira

Resumo


Ao nascer em famílias com baixo nível de renda e educação, os indivíduos são suscetíveis a reproduzir as características socioeconômicas herdadas. Com isso, o presente estudo tem por objetivo estimar um índice de vulnerabilidade à pobreza para os municípios do Rio Grande do Sul, a partir da análise do número de filhos cujas mães possuem baixo nível de renda e educação. Para tanto, empregou-se o método de inferência fuzzy para a avaliação dos dados censitários de 2010. Como resultados, pode-se observar que há diferença entre o número de nascimentos entre as mães com baixa renda e os demais grupos socioeconômicos. Em suma, a proporção de filhos tidos pelas mães com baixo nível de educação é elevada para todos os municípios. Por fim, a estimação do indicador de vulnerabilidade à pobreza indicou que cerca de 80% dos municípios do Estado apresentam alta vulnerabilidade, sendo que o restante dos municípios demonstrou ter média vulnerabilidade à pobreza.

Palavras-chave


Transição Demográfica; Desigualdades Sociais; Rio Grande do Sul

Texto completo:

PDF

Referências


Abramovay, M., Castro, M. G., Pinheiro, L. D. C., Lima, F. D. S., & Martinelli, C. D. C. (2002). Juventude, violência e vulnerabilidade social na América Latina: desafios para políticas públicas. Brasília: UNESCO Brasil.

Almeida, E. S., Perobelli, F. S., & Ferreira, P. G. C. (2008). Existe convergência espacial da produtividade agrícola no Brasil? Revista de Economia e Sociologia Rural, 46(1), 31-52. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20032008000100002.

Antunes, J. (2006). Lógica nebulosa para avaliar riscos na auditoria. Revista Contabilidade & Finanças – USP, 17(no. esp.), 80-91.

Becker, F. (2006). Demografia e educação no Brasil: as desigualdades regionais. In Anais do XV Encontro Nacional de Estudos populacionais (pp. 1-15). Caxambu: ABEP.

Becker, G. S. (1993). A treatise on the family. Cambridge: Harvard University Press.

Benini, L. C. (2007). Estimação da densidade de solos utilizando sistemas de inferência fuzzy (Tese de doutorado). Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista, Botucatu.

Bloom, D. E., Canning, D., & Sevilla, J. (2001). Economic growth and the demographic transition. Cambridge: National Bureau of Economic Research. http://dx.doi.org/10.3386/w8685.

Bojadziev, G., & Bojadziev, M. (1997). Fuzzy logic for business, finance, and management. Singapure: World Scientific. http://dx.doi.org/10.1142/3312.

Brito, F. R. (2007). A transição demográfica no Brasil: as possibilidades e os desafios para a economia e a sociedade (Texto para Discussão, No. 318). Brasília: IPEA.

Brito, F. R. (2008). Transição demográfica e desigualdades sociais no Brasil. Revista Brasileira de Estudos da População, 25(1), 5-26.

Caldwell, J. C. (2004). Demographic theory: a long view. Population and Development Review, 30(2), 297-316. http://dx.doi.org/10.1111/j.1728-4457.2004.014_1.x.

Castells, M. (2002). A sociedade em rede: a era da informação: economia, sociedade e cultura. In M. Castells (Ed.), O limiar do eterno. (6. ed., vol. 1). São Paulo: Paz e Terra.

Fundação de Economia e Estatística – FEE. (2017). Banco de dados estatísticos. Recuperado em 28 de maio de 2017, de http://www.fee.rs.gov.br/indicadores/indice-de-desenvolvimento-socioeconomico/

Galor, O., & Weil, D. N. (2004). Population, technology, and growth: from malthusian stagnation to the demographic transition and beyond. The American Economic Review, 90(4), 806-828. http://dx.doi.org/10.1257/aer.90.4.806.

Guimarães, R. M. (2010). Probabilidade de progressão por série no Brasil: evolução, seletividade e aplicação de modelos de idade-período-coorte (Tese de doutorado). Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional – Cedeplar, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2017). Banco de dados estatísticos. Recuperado em 16 de fevereiro de 2017, de http://www.sidra.ibge.gov.br

Kirk, D. (1996). Demographic transition theory. Population Studies, 50(3), 361-387. http://dx.doi.org/10.1080/0032472031000149536.

Kowarick, L. (2002). Viver em risco: sobre a vulnerabilidade no Brasil Urbano. Novos Estudos Cebrap, (63), 9-30.

Longo, F. V., & Vieira, J. M. (2017). Educação de mãe para filho: fatores associados à mobilidade educacional no Brasil. Revista Educação e Sociedade, 38(141), 1051-1071. http://dx.doi.org/10.1590/es0101-73302017162420.

Malthus, T. R. (1983). Ensaio sobre a população (vol. 328). São Paulo: Abril Cultural.

Notestein, F. W. (1953). Economic problems of population change. London: Oxford University Press.

Oliveira, S. V. (2014). Arranjos de coordenação em cadeias produtivas agroindustriais: contribuições analíticas com base na abordagem fuzzy (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Agronegócios, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Omran, A. R. (1971). The epidemiologic transition: a theory of the epidemiology of population change. The Milbank Memorial Fund Quarterly, 49(4), 509-538. http://dx.doi.org/10.2307/3349375.

Organização das Nações Unidas – ONU Mulheres. (2016). Princípios de empoderamento das mulheres. Recuperado em 20 de novembro de 2016, de http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2016/04/cartilha_WEPs_2016.pdf

Organização das Nações Unidas – ONU, Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura – FAO. (2016). Panorama da segurança alimentar e nutricional, 2016. Recuperado em 28 de dezembro de 2018, de http://www.fao.org/3/a-i6977o.pdf

Organização das Nações Unidas – ONU, Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura – FAO. (2018). A fome continua a crescer no mundo. Recuperado em 28 de dezembro de 2018, de http://www.fao.org/portugal/noticias/detail/en/c/1152583/

Ortega, N. R. S. (2001). Aplicação da teoria de conjuntos fuzzy a problemas da biomedicina. São Paulo: Instituto de Física, Universidade de São Paulo. http://dx.doi.org/10.11606/T.43.2001.tde-04122013-133237.

Paiva, P. T. A., & Wajnman, S. (2005). Das causas às consequências econômicas da transição Demográfica no Brasil. Revista Brasileira de Estudos de Populacao, 22(2), 13-15. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-30982005000200008.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – Ipea, Fundação João Pinheiro – FJP. (2017). Atlas de desenvolvimento humano no Brasil. Recuperado em 16 de fevereiro de 2017, de http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/consulta/

Rios-Neto, E. L. G., & Guimarães, R. R. M. (2010). The demography of education in Brazil: inequality of educational opportunities based on Grade Progression Probability (1986-2008). In L. Wolfgang (Ed.), Vienna yearbook of population research (vol. 8, pp. 283-306). Vienna: Austrian Academy of Sciences Press.

Thompson, W. S. (1929). Population. American Journal of Sociology, 34(6), 959-975. http://dx.doi.org/10.1086/214874.

Vallet, L. A. (2001). Forty years of social mobility in France: change in social fluidity inthe light of recent models. Revue Française de Sociologie, 42, 5-64. http://dx.doi.org/10.2307/3323052.

Vasconcelos, A. M. N., & Gomes, M. M. F. (2012). Transição demográfica: a experiência brasileira. Epidemiol Serv Saúde, 21(4), 539-548.

Weber, L., & Klein, P. A. T. (2003). Aplicação da lógica fuzzy em software e hardware. Canoas: Editora da ULBRA. Recuperado em 9 de julho de 2017, de https://books.google.com.br/books?hl=ptBR&lr=&id=xpZa11Cm0cC&oi=fnd&pg=PA5&dq=Weber+e+Klein+Fuzzy&ots=uukZ2wNGsH&sig=3C_KtqIc9wjGk7zzNJtPIhsu4Fc#v=onepage&q=Weber%20e%20Klein%20Fuzzy&f=false

Zadeh, L. A. (1968). Medidas de probabilidade de eventos difusos. Revista de Análises Matemáticas e Aplicações, 23(2), 421-427.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.