Aqui é a nossa praia! Apropriação e uso da Avenida Paulista no contexto de políticas de desenvolvimento urbano

Adriana Tenório Cordeiro, Sérgio Carvalho Benício de Mello, Antonio Fagner da Silva Bastos

Resumo


Este artigo analisa os argumentos em torno da experiência de ocupação e uso da Paulista Aberta para avançar uma compreensão acerca de políticas de desenvolvimento urbano e seus efeitos. Seguimos a analítica arqueológica inspirada em Michel Foucault, abordagem que se debruça sobre discursos de forma a compreender as formações ali presentes a partir da identificação de seus enunciados. No tocante à Paulista Aberta, há uma clara disputa espacial, com hierarquias de poder sendo desafiadas por uma ênfase em pedestrianismo, ciclismo e lazer. Porém, apesar de haver discursos favoráveis e desfavoráveis, tais discursos não se configuram como sendo antagônicos. Este trabalho é um ponto de partida crítico à investigação das relações de poder imbricadas nas lógicas de produção social desse espaço.


Palavras-chave


espaço urbano, discurso, políticas públicas.

Texto completo:

PDF

Referências


Amin, A. (2008). Collective culture and urban public space. City, 12(1), 5-24.

Arch Daily. (2015). Architecture’s most inspiring leaders, projects & people in 2015. Recuperado em 14 de novembro de 2016, de http://www.archdaily.com/778937/architectures-most-inspiring-leaders-projects-and-people-in-2015

Brasil. Ministério das Cidades. (2018). Menos de seis cidades brasileiras tem Plano de Mobilidade. Recuperado em 20 de setembro de 2018, de https://g1.globo.com/globonews/ noticia/2018/09/04/menos-de-6-das-cidades-brasileiras-tem-plano-de-mobilidade.ghtml

Bray, P. (1993). The new urbanism: celebrating the city. Places, 8(4), 56-65.

Brenner, N., & Theodore, N. (2002). Cities and the geographies of “actually existing neoliberalism”. Antipode, 34(3), 349-379. http://dx.doi.org/10.1111/1467-8330.00246.

Bringel, B. M. (2007). O lugar nos movimentos sociais e o lugar da geografia na teoria dos movimentos sociais. Boletim Goiano de Geografia Goiânia, 27(2), 35-49.

Cochrane, A. (2007). Understanding urban policy: a critical approach. Oxford: Blackwell Publishing.

Costa, A. Q., & Sampaio, C. M. (2015). Programa ruas de lazer da Prefeitura de São Paulo: modernização na gestão pública do esporte e lazer. PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review, 4(2), 43-57.

Diniz, F. R. A., & Oliveira, A. A. (2014). Foucault: do poder disciplinar ao biopoder. Scientia, 2(3), 143-158.

Estadão. (2016a, 25 de junho). Fechamento da Paulista aos domingos torna-se definitivo. Recuperado em 14 de novembro de 2016, de http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,fechamento-da-paulista-aos-domingos-torna-se-definitivo,10000059296

Estadão. (2016b, 27 de junho). Avenida Paulista se consolida como área de lazer. Recuperado em 7 de setembro de 2016, de http://noticias.uol.com.br/ultimasnoticias/agenciaestado/2016/06/27/avenidapaulistaseconsolidacomoareadelazer.htm

Estadão. (2016c, 6 de janeiro). A degradação da Paulista. Recuperado em 14 de novembro de 2016, de http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,a-degradacao-da-paulista,10000006283

Estadão. (2016d, 12 de dezembro). Roubo a celular na Paulista dobra aos domingos. Recuperado em 14 de novembro de 2016, de http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,roubo-a-celular-na-paulista-dobra-aos-domingos,10000093902

Fischer, R. M. B. (2011). Foucault e a análise do discurso em educação. Cadernos de Pesquisa, (114), 197-223. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742001000300009.

Folha de São Paulo. (2015a, 15 de outubro). Haddad ignora Promotoria e vai fechar av. Paulista para carros aos domingos. Recuperado em 14 de novembro de 2016, de https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/10/1694273-prefeitura-de-sp-decide-fechar-avenida-paulista-para-carros-aos-domingos.shtml

Folha de São Paulo. (2015b, 18 de outubro). Fechada para carros, avenida Paulista atrai piqueniques e shows de música. Recuperado em 14 de novembro de 2016, de https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/10/1695465-fechada-para-carros-avenida-paulista-atrai-piqueniques-e-shows-de-musica.shtml

Folha de São Paulo. (2016, 21 de fevereiro). Polêmico, fechamento da Paulista para carros conquista apoio de moradores. Recuperado em 14 de novembro de 2016, de http://www1.folha.uol.com.br/saopaulo/2016/02/1741137polemicofechamentodapaulistaparacarrosconquistaapoiodemoradores.shtml

Foucault, M. (2012). A arqueologia do saber (8. ed.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Graham, S., & Marvin, S. (2001). Splintering urbanism: networked infrastructures, technological mobilities and the urban condition. London: Routledge.

Howarth, D. (2000). Discourse. Buckingham: Open University Press.

Howarth, D. (2002). An archaeology of political discourse? Evaluating Michel Foucault’s Explanation and critique of ideology. Political Studies, 50(1), 117-135. http://dx.doi.org/10.1111/1467-9248.00362.

Ig. (2015). Além da Paulista, outras 331 ruas de SP são abertas para lazer aos domingos. Recuperado em 15 de outubro de 2016, de http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/sp/2015-11-07/alem-da-av-paulista-outras-331-ruas-de-sp-sao-abertas-para-lazer-aos-domingos.html

Leão, A. L. M., Ferreira, B. R. T. F., & Gomes, V.P.M. (2016). Um “elefante branco” nas dunas de Natal? Uma análise pós-desenvolvimentista dos discursos acerca da construção da Arena das Dunas. Revista de Administração Pública, 50(4), 659-687.

Lefebvre, H. (1996) The right to the city. In E. Kofman & E. Lebas (Org.), Writings on cities/ Henri Lefebvre (pp. 147-159). Oxford: Blackwell Publishers. Obra original de 1974.

Massey, D. (2008). Pelo Espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Nossa São Paulo. (2015). Avenida Paulista para as pessoas: uma demanda da sociedade civil. Recuperado em 15 de outubro de 2016, de http://www.nossasaopaulo.org.br/noticias/avenida-paulista-para-pessoas-uma-demanda-da-sociedade-civil

Oliveira, M. A. N. (1998). Avenida Paulista: a produção contemporânea de uma paisagem de poder [Dissertação de mestrado]. UNICAMP, São Paulo.

Paiva, F. G., Leão, A. L. M. S., & Mello, S. C. B. (2011). Validade e confiabilidade na pesquisa qualitativa em administração. Revista de Ciências da Administração, 13(31), 109-209.

Paulista Aberta. (2016). Paulista Aberta [Webdocumentário]. TV Gazeta. Recuperado em 15 de outubro de 2016, de https://www.youtube.com/watch?v=aZiiDsRAOaM&t=60s

Paulos, E., & Goodman, E. (2004). The familiar stranger: anxiety, comfort, and play in public places. CHI, 6(1), 223-230.

São Paulo. Prefeitura Municipal. (2015, 16 de outubro). Prefeitura convida promotores para acompanhar abertura da Paulista. São Paulo: Prefeitura de São Paulo. Recuperado em 25 de outubro de 2015, de http://www.capital.sp.gov.br/portal/noticia/7156

Sassen, S. (1996). Losing control? Sovereignty in an age of globalization. New York: Columbia University Press.

Schmid, C. (2008). Henri Lefebvre’s theory of the production of space: towards a three-dimensional dialectic. In K. Goonewardena (Ed.), Space, difference, everyday life: reading Henri Lefebvre (pp. 27-45). New York: Routledge.

Soja, E. W. (2013). Para além de Postmetropolis. Revista UFMG, 20(1), 136-167.

Veiga-Neto, A. (2009). Teoria e método em Michel Foucault (im)possibilidades. Cadernos de Educação, 34, 83-94.

Videos.Band. (2016). Doria diz que manterá ciclovias e Paulista aberta [Vídeo]. Recuperado em 21 de setembro de 2017, de http://videos.band.uol.com.br/canallivre/16014115/doria-diz-que-mantera-ciclovias-e-paulista-aberta.html


Apontamentos

  • Não há apontamentos.