Segurança em rodovias inseridas em áreas urbanas na região sul do Brasil

Cássio Leandro do Carmo, Archimedes Azevedo Raia Junior

Resumo


Este artigo analisa a segurança viária das rodovias federais inseridas em áreas urbanas na região Sul do Brasil. Procura avaliar a ocorrência de vítimas, com base nos registros da Polícia Rodoviária Federal (PRF), em conjunto com as condições do pavimento, da geometria viária e da sinalização de trânsito, de acordo com a metodologia da Confederação Nacional do Transporte (CNT). Trechos urbanos críticos foram destacados, com o uso de um programa de geoprocessamento, e, para a delimitação dos acidentes, foram utilizados conceitos fundamentados na abordagem do Sistema Seguro (Safe System), que considera que os acidentes de trânsito, quando ocorrerem, não devem provocar vítimas graves e fatais. Quando se levam em conta os óbitos e as vítimas com lesões graves, os trechos urbanos das rodovias federais na região Sul estavam entre os mais perigosos do Brasil. A maior parte das rodovias em áreas urbanas foi classificada como “boa” no que se refere ao estado de conservação, mas vários segmentos concentraram grande número de vítimas, principalmente de motocicletas. Como destaque negativo, São José, em Santa Catarina, apresentou o trecho mais crítico. Dos segmentos com grande acidentalidade, quase todos estavam próximos a grandes aglomerações urbanas ou a capitais regionais, devido, provavelmente, ao grande número de deslocamentos gerados por atividades socioeconômicas.


Palavras-chave


Segurança viária; Sistema Seguro; rodovias; áreas urbanas.

Texto completo:

PDF

Referências


Alburquerque, T. P., Castro, A. A. B. C., Freitas, P. V. N., & Silva, J. A. R. (2015). Análise da relação entre acessibilidade e acidentes de trânsito em rodovias urbanas: estudo de caso da BR-230 na cidade de João Pessoa – PB. In Anais do XXIX Congresso de Pesquisa e Ensino em Transportes (pp. 2829-2839). Ouro Preto: Associação Nacional de Ensino e Pesquisa em Transportes.

Bastos, J. T., Ferraz, A. C. P., Vieira, H., & Bezerra, B. S. (2012). Geografia da mortalidade no trânsito no Brasil. Revista ANTT, 4(1-2), 24-35.

Bergamasch, I. R. B. (2014). A geografia dos acidentes de trânsito na Região Metropolitana da Grande Vitória (RMGV) – ES, entre 2005 e 2013. 2014 (Dissertação de mestrado). Centro de Ciências Humanas e Naturais, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

Brasil. Ministério da Saúde – MS. Coordenação-Geral de Informações e Análises Epidemiológicas. Secretaria de Vigilância à Saúde. Sistema de Informações sobre Mortalidade – SIM. (2015). Datasus. Recuperado em 6 de janeiro de 2015, de http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sim/cnv/obt10uf.def.

Carmo, C. L., & Raia, A. A. Jr (2016). Segurança viária em trechos urbanos de rodovias federais no estado de São Paulo, Brasil. In Anais do VII Congresso Luso Brasileiro para o Planejamento Urbano, Regional, Integrado e Sustentável: Pluris: contrastes, contradições, complexidades: desafios urbanos no Século XXI (pp. 1-12). Maceió: PLURIS.

Cena, L. G., Keren, N., Li, W., Carriquiry, A. L., Pawlovich, M. D., & Freeman, S. A. (2011). A Bayesian assessment of the effect of highway bypasses in Iowa on crashes and crash rate. Journal of Safety Research, 42(4), 241-252. http://dx.doi.org/10.1016/j.jsr.2011.05.007. PMid:22017826.

Confederação Nacional do Transporte – CNT, Serviço Social do Transporte – SEST, Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte – SENAT. (2010). Pesquisa CNT de rodovias 2010: relatório gerencial. 2010 (pp. 273). Brasília: CNT: SEST: SENAT.

Confederação Nacional do Transporte – CNT, Serviço Social do Transporte – SEST, Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte – SENAT. (2011). Pesquisa CNT de rodovias 2011: relatório gerencial. 2011 (pp. 328). Brasília: CNT: SEST: SENAT.

Confederação Nacional do Transporte – CNT, Serviço Social do Transporte – SEST, Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte – SENAT. (2012). Pesquisa CNT de rodovias 2012: relatório gerencial. 2012 (pp. 408). Brasília: CNT: SEST: SENAT.

Confederação Nacional do Transporte – CNT, Serviço Social do Transporte – SEST, Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte – SENAT. (2013). Pesquisa CNT de rodovias 2013: relatório gerencial. 2013 (pp. 389). Brasília: CNT: SEST: SENAT.

Confederação Nacional do Transporte – CNT, Serviço Social do Transporte – SEST, Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte – SENAT. (2014). Pesquisa CNT de rodovias 2014: relatório gerencial. 2014 (pp. 388). Brasília: CNT: SEST: SENAT.

Departamento Nacional de Trânsito – Denatran. (2017). Frota de veículos. Recuperado em 30 de agosto de 2017, de http://www.denatran.gov.br/estatistica/237-frota-veiculos.

Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes – DNIT (2014). Atlas e mapas: shapefiles. Recuperado em 31 de maio de 2015, de http://www.dnit.gov.br/mapas-multimodais/shapefiles.

Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes – DNIT (2015). Estatísticas de acidentes. Recuperado em 7 de janeiro de 2015, de http://www.dnit.gov.br/rodovias/operacoes-rodoviarias/estatisticas-de-acidentes.

Diesel, L. E. (2005). SIG na prevenção a acidentes de trânsito (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Elvik, R., Høye, A., Vaa, T. & Sørensen, M. (2015). O Manual de Medidas de Segurança Viária. Madri: Fundación MaPFRE 1071 p.

Ferrer, A. (2017). Movilidad urbana segura. Revista dos Transportes Públicos, 145, p. 7-18.

Freire, L. H. C. V. (2003). Análise de tratamentos adotados em travessias urbanas – rodovias arteriais que atravessam pequenas e médias cidades no RS (Dissertação de mestrado). Escola de Engenharia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2007). Região de influência das cidades - 2007. Recuperado em 23 de agosto de 2017, de http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv40677.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2015). Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação. Recuperado em 6 de janeiro de 2015, de http://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2017). Estimativas populacionais para os municípios brasileiros em 01.07.2014. Recuperado em 1 de julho de 2017, de http://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2014/estimativa_dou.shtm.

International Transport Forum – ITF (2016). Zero Road Deaths and Serious Injuries: Leading a Paradigm Shift to a Safe System. Paris: OECD Publishing. http://dx.doi.org/10.1787/9789282108055-en

Jiang, Y., & Peng, Q. (2012). The relationship between highways and urban roads in urbanization. CICTP, 2012, 99-104.

Johansson, R. (2008). Implementing a policy for traffic safety. Safety Science, 47(6), 826-831. http://dx.doi.org/10.1016/j.ssci.2008.10.023.

Lima, I. M. O., Figueiredo, J. C., Morita, P. A., & Gold, P. (2008). Fatores condicionantes da gravidade dos acidentes de trânsito nas rodovias brasileiras (Texto para discussão, No. 1344). Brasília: IPEA.

Meneses, F. A. B. (2001). Análise e Tratamento de Trechos Rodoviários Críticos em Ambientes de Grandes Centros Urbanos (Dissertação de mestrado). COPPE, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Peña, C. C. (2011). Análise da segurança viária em interseções nas rodovias federais de Santa Catarina (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Polícia Rodoviária Federal – PRF. (2015). Estatística de Acidentes nas Rodovias Federais. Brasília: PRF.

Raia, A. A. Jr. (2009) A responsabilidade pelos acidentes de trânsito segundo a visão zero. Revista dos Transportes Públicos, 121, 7-18.

Salvador, D. M., & Goldner, L. G. (2009). Análise dos tipos de acidentes de trânsito nos trechos duplicado e não duplicado da BR-101 em Santa Catarina. In Congresso Brasileiro de Rodovias & Concessões 2009 (Vol. 1, pp. 1-12). São Paulo: Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias.

Schmitz, A. (2011). Proposta Metodológica baseada em GIS para análise de segmentos críticos de rodovia: estudo de caso na BR-285/RS (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Schmitz, A., & Goldner, L. G. (2010). Proposta metodológica baseada em GIS para análise de segmentos críticos de rodovia – Estudo de caso na BR – 285. In Anais do XVI Congreso Panamericano de Ingeniería de trânsito, transporte e logística – PANAM. Lisboa: CESUR, IST, Universidade Técnica de Lisboa.

Silva, S. B. Jr (2006). Rodovias em áreas urbanizadas e seus impactos, na percepção dos pedestres. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Silva, S. B. Jr, & Ferreira, M. A. G. (2008). Rodovias em áreas urbanizadas e seus impactos na percepção dos pedestres. Revista Sociedade e Natureza, 20(1), 221-237. http://dx.doi.org/10.1590/S1982-45132008000100015.

Velloso, M. S., & Jacques, M. A. P. (2012). On-the-spot study of pedestrian crashes on Brazilian Federal District rural highways crossing urban areas. Transportation Research Part F: Traffic Psychology and Behaviour. 15(5), 588-599.

Velloso, M. S., Jacques, M. A. P., & Lindau, L. A. (2008). Investigação dos fatores contribuintes de atropelamento de pedestres em rodovias inseridas em áreas urbanas. In Anais do XXII Congresso de Pesquisa e Ensino em Transportes (pp. 1543-1554). Rio de Janeiro: Associação Nacional de Ensino e Pesquisa em Transportes.

United Nations – UN. (2010). 64/255: Improving global road safety. Nova Iorque: UN. Recuperado em 25 de abril de 2017, de http://www.un.org/en/ga/search/view_doc.asp?symbol=A/RES/64/255.

United Nations – UN (2015). New Sustainable Development Agenda. Nova Iorque: UN. Recuperado em 22 de fevereiro de 2017, de http://www.un.org/ga/search/view_doc.asp?symbol=A/RES/70/1&Lang=E.

World Health Organization – WHO. (2009). Global status report on road safety: time for action. Genebra: Organização Mundial da Saúde.

World Health Organization – WHO. (2013). Global status report on road safety 2013: supporting a decade of action. Genebra: Organização Mundial da Saúde.

World Health Organization – WHO. (2015). 2nd Global High-Level Conference on Road Safety. Brasília. Recuperado em 22 de fevereiro de 2017, de http://www.who.int/roadsafety/events/2015/brasilia_conference/en/.

World Health Organization – WHO. United Nations Road Safety Collaboration. (2017). Global Plan for the Decade of Action for Road Safety 2011-2020. Recuperado em 25 de abril de 2017, de http://www.who.int/roadsafety/decade_of_action/plan/en/.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.