Turismo e participação social na gestão do Centro Histórico de Salvador (BA)

Júlia Erminia Riscado

Resumo


Cada vez mais próximo a setores empresariais, o turismo tem se tornado alvo de recorrentes críticas por se distanciar de setores sociais na elaboração e no acompanhamento de políticas públicas e/ou programas de recuperação de centros históricos, principalmente em áreas urbanas. Com base em recomendações internacionais, projetos de âmbito nacional, jornais e observação direta, o presente artigo tem como objetivo avaliar os impactos da atividade turística nos projetos para o Centro Histórico de Salvador, na Bahia. A primeira parte do texto tratará do reconhecimento do turismo como instrumento de difusão e de sustentabilidade para zonas históricas urbanas por meio de normativas internacionais e iniciativas de âmbito nacional. Posteriormente, será observado como tais dispositivos normativos e legais foram incorporados às ações de desenvolvimento turístico e aos projetos de revitalização no Centro Histórico de Salvador. Espera-se, com isso, contribuir para estudos urbanos e demais pesquisas que tratem da gestão participativa em áreas históricas e de intensa atividade turística.


Palavras-chave


centros históricos; turismo; gestão participativa.

Texto completo:

PDF

Referências


Azevedo, P. (2016). PCH: a preservação do patrimônio cultural e natural como política regional e urbana. In: Anais do Museu Paulista. 24(1), p. 237-256.

Bahia (2010). Centro Antigo de Salvador – Plano de Reabilitação Participativo/Escritório de Referência do Centro Antigo. UNESCO – Salvador/Secretaria de Cultura: Fundação Pedro Calmon. 344p.

_______ (2014). Plano de Reabilitação Participativo: Avanços. 1° edição. CONDER/DIRCAS, Salvador. 212p.

Baptista, L. V., & Pujadas, J. J. (2000). Confronto e entre posição: os efeitos da metropolização na vida das cidades. Fórum sociológico, 3(4), p. 293-308.

Braga, P. M. (2008). Reabilitação urbana no centro histórico de Salvador: patrimônio cultural, turismo e participação social (Mestrado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Universidade Católica de Campinas, São Paulo. 141p.

Brasil (1988) Constituição da República Federativa do Brasil. Recuperado em 05 de maio de 2016 em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm.

Carrión, F.(2005) El centro histórico como proyecto y objeto de deseo. Revista eure, (vol. XXXI, nº 93), Instituto de Estudios Urbanos y Territoriales: Chile, p. 89-100.

Choay, F. (2002). A alegoria do patrimônio. (4° edição). Estação Liberdade – UNESP: São Paulo, 288p.

Correa, S., & Faria, R. (2011). O Plano de Cidades Históricas (PCH) no planejamento governamental brasileiro e o desenvolvimento urbano e regional (1973-1979). In RISCO: Revista de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo. N° 14, p. 20-27. Recuperado em 18 de março de 2017 em http://www.revistas.usp.br/risco.

Ferraz, M. C. (1996). Lina Bo Bardi. 2° edição. Empresa das Artes: São Paulo. 333p.

Harvey, D. (2005). Do administrativismo ao empreendedorismo: a formação da governança urbana no capitalismo tardio. In HARVEY, D. A Produção Capitalista do Espaço. Annablume: São Paulo, p. 163-190.

ICOMOS (1976). Carta do Turismo Cultural. Recuperado em 03 de outubro de 2016 em http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Carta%20de%20Turismo%20Cultural%201976.pdf.

Leal, C. (2008). As Missões da UNESCO no Brasil: Michel Parent. IPHAN: Rio de Janeiro. 344p.

OEA (1967). Normas de Quito. Recuperado em 11 de março de 2017 em http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Normas%20de%20Quito%201967.pdf.

O Globo.(2015).Com queixas de décadas, moradores esperam reformas no Centro Antigo, publicada em 30 de julho de 2015. Recuperado 23 de agosto de 2016 em http://g1.globo.com/bahia/noticia/2015/07/com-queixas-de-decadas-moradores-esperam-reabilitacao-do-centro-antigo.html.

Peixoto, P. (2003). Centros históricos e sustentabilidade cultural das cidades. In: Seminário - A cidade entre projectos e políticas. Faculdade de Letras da Universidade do Porto: Portugal, p. 211-226. Recuperado em 10 de março de 2017 em http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/artigo8511.pdf.

Sampson, F., Treves-Habar, J., & Millward, M. (2010). Informe Mundial de la UNESCO: invertir en la diversidad cultural y el diálogo. UNESCO, Paris. 446p.

UNESCO (1976). Recomendação de Nairóbi. Recuperado em 01 de outubro de 2017 em http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Recomendacao%20de%20Nairobi.

UNESCO (1969). La protección del patrimonio cultural de la humanidad – lugares y monumentos. Recuperado em 02 de setembro de 2016 em http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001313/131334so.pdf.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.