Planejamento urbano em áreas impactadas por Grandes Projetos de Investimentos (GPIS): uma análise sobre o Estado de Rondônia

Rosa Livia Gonçalves Montenegro, Luiz Carlos de Santana Ribeiro

Resumo


No Brasil, os grandes projetos de investimentos ligados (GPIs) às obras de infraestrutura são responsáveis por grande geração de emprego e, com efeito, pelo crescimento econômico do país, como é o caso da construção de usinas hidrelétricas no Estado de Rondônia. O objetivo deste artigo é discutir os efeitos das implantações e dos projetos de grandes empreendimentos no Estado de Rondônia, para o ano de 2010. Para isso, é utilizada como metodologia a análise fatorial a fim de caracterizar fatores aglomerativos e desaglomerativos das regiões rondonianas. Como insumos da análise fatorial foram utilizadas variáveis proxies para verificar aspectos demográficos, econômicos e de infraestrutura. Os principais resultados apontam para a caracterização de três indicadores distintos e que apresentam características peculiares ao processo de urbanização nos últimos anos em Rondônia. Entre essas características estão cargas fatoriais denominadas de “Dinâmica Econômica”, “Infraestrutura básica”, pois verificaram-se duas variáveis determinantes de áreas com infraestrutura sólida e/ou não voltadas a áreas urbanas, como água encanada e eletricidade. Quanto ao último fator, ela denomina-se “Natureza Demográfica”, pois configura relações típicas de cidade de pequeno porte, porém com relativo déficit na proporção de natalidade e mortalidade, além de outros fatores significativos entre os municípios vizinhos e sua absorção de mão de obra.

Palavras-chave


Planejamento Urbano; Grandes Projetos de Investimentos; Rondônia; Análise Multivariada; Análise Fatorial.

Texto completo:

PDF

Referências


Bernardes, L. (1986). Política urbana: uma análise da experiência brasileira. Análise e Conjuntura, Belo Horizonte, v.1, n.1, p. 83-119.

Bortoleto, E. M. A. (2001). Implantação de grandes hidrelétricas: desenvolvimento, discurso e impactos. Revista Geografares, Vitória, n. 2.

Cardoso, D. F., & Ribeiro, L. C. S. (2015). Índice Relativo de Qualidade de Vida para os municípios de Minas Gerais. Planejamento e Políticas Públicas, n.45, p.347-375.

Diniz, C. C. (1993). Desenvolvimento poligonal no Brasil: Nem desconcentração nem contínua polarização. Nova Economia, v. 31, n. 1, p. 35–64.

Domingues, E. P., & Magalhães, A. S., & Faria, W. R. (2009). Infraestrutura, crescimento e desigualdade regional: projeção dos impactos dos investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em Minas Gerais. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 39, n. 1, p. 121–158.

Eletronorte. (2018). Informações sobre a UHE Samuel. Recuperado em 3 de fevereiro de 2018, de http://www.eletronorte.gov.br/opencms/opencms/pilares/geracao/estados/rondonia .

Fávero, L. P., Belfiore, P., Silva, F. L., & Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Gonçalves, E. (2006). Estrutura urbana e atividade tecnológica em Minas Gerais. Economia Aplicada, v.10, n. 4.

Haddad, P. R. (1996). A experiência brasileira de planejamento regional e suas perspectivas. A política regional na era da globalização. São Paulo: Centro de Estudos da Konrad Adenauer Stiftung.

Harvey, D.(1975). Social justice and the city. London: Edward Arnold. 354p.

Hoffman, R. (1993). Componentes principais e análise fatorial. 3.ed. Piracicaba: ESALQ. Série Didática n. 80.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2009). Relatório de Atividades Econômicas. 2009. Recuperado em 5 de dezembro de 2011 de, https://www.ibge.gov.br .

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010) Relatório de Atividades Econômicas. 2010. Recuperado em 5 de dezembro de 2011 de, https://www.ibge.gov.br .

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2017a). Informações sobre Porto Velho. Recuperado em 14 de dezembro de 2017 de, https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ro/porto-velho/panorama.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2017b). Informações sobre Nova Mármore. Recuperado em 14 de dezembro de 2017 de, https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ro/nova-mamore/panorama.

Itaipu. (2016). Itaipu tem semestre histórico e estabelece novo recorde de geração.Recuperado em 12 de dezembro de http://www.itaipu.gov.br/sala-de-imprensa/noticia/itaipu-tem-semestre-historico-e-estabelece-novo-recorde-de-geracao .

Lefebvre, H.(1999). A revolução Urbana. Belo Horizonte: UFMG.

Lungo, M.(2005). Grandes proyectos urbanos. Una visión general. Revista Urbana. N.37.

Magalhães, F. N. C. (2008). Transformações socioespaciais na cidade-região em formação: a economia geopolítica do novo arranjo espacial metropolitano. 231p. Dissertação (Mestrado em geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais.

Manly, F. J. B. (1986). Multivariate Statistical Methods. A Primer. London: Chapman and Hall.

Mingoti, S. A. (2007). Análise de dados através de métodos de estatística multivariada: uma abordagem aplicada. Belo Horizonte, Editora UFMG. 295p.

Monte-Mór, R. L. (2004). A questão urbana e o planejamento urbano-regional no Brasil contemporâneo. Projeto: Diretrizes para formulação de políticas de desenvolvimento regional e de ordenação do território brasileiro. Belo Horizonte, CEDEPLAR.

Monte-Mór, R. L. (2006). As teorias urbanas e o planejamento urbano no Brasil. In: DINIZ, C.C., Monte-Mór, R. L. O que é urbano, no mundo contemporâneo. Belo Horizonte: UFMG/CEDEPLAR, 14p (Texto para discussão, 281).

Moret, A. S., & Guerra, S. M. G. (2009). Hidrelétricas no Rio Madeira: Reflexões sobre Impactos Ambientais e Sociais. Revista OIDLES, v.3, n.7. 2009.

Moura, R.(2011). Grandes projetos urbanos. Boletim Campineiro de Geografia. V.1, n.1.

Oliveira, F. L. (2012). Grandes projetos metropolitanos: Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Rio de Janeiro: Letra Capital. 362p.

PAC (2008). Informações sobre o Programa de Aceleração do Crescimento. Disponível em: . Acesso em: 13 dezembro de 2017.

PBA AHE Santo Antônio. (2008). Projeto Básico Ambiental Aproveitamento Hidrelétrico Santo Antônio. Madeira Energia S.A. Volume IV.

Piquet, R. (1998). Cidade-empresa: presença na paisagem urbana brasileira. Rio de Janeiro: Zahar.

Planejamento. (2011). Informações sobre a iniciativa para a integração da infraestrutura regional sul-americana. Recuperado em 8 de dezembro de http://www.planejamento.gov.br/secretaria.asp?cat=156⊂=302&sec=10 .

Ribeiro, L. C. S., Domingues, E. P., Perobelli, F. S., & Hewings, G. J. D. (2018). Structuring investment and regional inequalities in the Brazilian Northeast. Regional Studies. V. 52, n. 5.

Rondônia. Portal do Governo do Estado de Rondônia. 2009. Recuperado em 5 de dezembro de http://www.rondonia.ro.gov.br/conteudo.asp?id=180 .

Santos, S. C. (2007). Hidrelétricas e suas consequências socioambientais. In: Integração, Usinas Hidrelétricas e Impactos Socioambientais. Org. Ricardo Verdum. Ed. INESC. 200p.

Soja, E.(2000). Postmetropolis: Critical Studies of Cities and Regions. Oxford: Blackwell.

Ultramari, C. (2006). Grandes projetos urbanos no Brasil: conceitos, contextualização e discussão de três casos. Revista do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade. V.1, n.1.

Vainer, C. B. (2007). Planejamento territorial e projeto nacional: os desafios da fragmentação. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais. V.9, n.1.

VAINER, C. B., ARAUJO, F. G. B. (1992) Grandes projetos hidrelétricos e desenvolvimento regional. Rio de Janeiro: CEDI.

Verdum, R. (2007). Obras de infraestrutura no contexto da integração Sul Americana. In: Integração, Usinas Hidrelétricas e Impactos Socioambientais. Org. Ricardo Verdum. Ed. INESC. 200p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.