Os espaços residenciais fechados do setor sul de Ribeirão Preto e o domínio do capital mercantil no processo de expansão urbana no município nos anos 2000

Débora Prado Zamboni, Rosana Denaldi, Beatriz Mioto

Resumo


Este trabalho aborda o estudo de caso realizado no município de Ribeirão Preto/SP sobre a produção imobiliária no Setor Sul da cidade, região de maior expansão dos últimos anos e que concentra famílias e serviços de alta renda em espaços residenciais fechados e seu entorno. Tem como objetivo identificar e analisar o processo de produção e expansão urbana e em que medida a atuação dos agentes envolvidos responde à dinâmica de valorização dos capitais e das propriedades locais ou de capitais externos ligados a processos gerais, atualmente debatidos no âmbito dos estudos sobre a financeirização do espaço urbano. Para análise, são utilizadas três perspectivas, construídas a partir de pesquisa bibliográfica, coleta de dados empíricos e entrevistas. A primeira, trabalha a importância dos capitais mercantis locais na explicação dos processos de apropriação do território; a segunda, influenciada pela economia política regulacionista, analisa a legislação sobre o parcelamento do solo e a transformação da terra rural em terra urbana; e a terceira, enfoca a estrutura de provisão de habitação considerando as relações entre agentes, especialmente proprietário fundiário, promotor imobiliário e Estado. Constata-se que a produção dos espaços residenciais fechados (loteamentos, especialmente) no Setor Sul do município responde, mormente, à lógica dos capitais e proprietários locais e de sua relação com o Estado do que aos processos ligados à penetração do capital financeiro na expansão da cidade.


Palavras-chave


Ribeirão Preto; espaços residenciais fechados; capital mercantil; expansão urbana; financeirização

Texto completo:

PDF

Referências


Aalbers, M. B. (2015). The potential for financialization. Dialogues in Human Geography, v. 5, n. 2, p.214-219, jul. 2015.

Ball, M. (1986). Housing analysis: time for a theoretical refocus. Housing studies, v. 1, n. 3, p. 147-165.

Barcella, B. L. S. (2017). O mercado fundiário em Ribeirão Preto/SP: processos e agentes, preços e localizações. Caminhos de Geografia, (s.l.), v. 18, n. 62, p.161-173.

Brandão, C. A. (2007). Território e desenvolvimento: as múltiplas escalas entre o local e o

global. Campinas: Editora da UNICAMP.

Brasil (1964). Lei n. 4.591, de 16 de dezembro de 1964. Dispõe sobre o condomínio em edificações e as incorporações imobiliárias. Recuperado em 5, agosto de 2018de http://www.planalto.gov.br/CCivil_03/leis/L4591.htm

Brasil.(1979). Lei n. 6.766, de 19 de dezembro de 1979. Dispõe sobre o Parcelamento do Solo Urbano e dá outras Providências. Recuperado em 5, agosto de 2018, de http://www.planalto.gov.br/CCivil_03/leis/L6766.htm

Brasil. (1990). Lei n. 8.078, de 11 de setembro de 1990. Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. Recuperado em 5, agosto de 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8078.htm

Cano, W. (2011) Ensaios sobre a crise urbana do Brasil. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Christophers, B. (2015). The limits to financialization. Dialogues in Human Geography, v. 5, n. 2, p.183-200, jul.

Cozac, F. L. (2014). Estudo de viabilidade econômico-financeira. In: AMADEI, V. C. Como lotear uma gleba: o parcelamento do solo urbano em seus aspectos essenciais (loteamento e desmembramento). Campinas: Millennium Editora, 2014. p. 171-192.

Dal Pozzo, C. F. (2015) Fragmentação socioespacial em cidades médias paulistas: os territórios do consumo segmentado de Ribeirão Preto e Presidente Prudente. (Tese de Doutorado). Geografia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente.

Freitas, E. L. H. (2008). Loteamentos fechados. (Tese de Doutorado) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Harvey, D. (1982a). The Limits to Capital. Oxford: Blackwell.

________. (1982b) O trabalho, o capital e o conflito de classes em torno do ambiente construído nas sociedades capitalistas avançadas. Espaço e Debates, São Paulo, Ano II, n.6, p.6-35, jun/set 1982.

IBGE (2010). Censo demográfico. Disponível em https://censo2010.ibge.gov.br/apps/atlas/.

Leonelli, G. C. V. (2010). A construção da lei federal de parcelamento do solo urbano 6.766: debates e propostas do início do sec. XX a 1979. (Tese de Doutorado). Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos.

Lessa, C., & Dain, S. (1982). Capitalismo Associado: Algumas Referências para o Tema Estado e Desenvolvimento, in L. Belluzo e R. Coutinho (orgs.), Desenvolvimento Capitalista no Brasil: Ensaios sobre a Crise ( Volume 1, p. 214-28). São Paulo: Ed. Brasiliense.

Melo, R. E. B.(2017). Ações pública e privada no processo de ocupação de Ribeirão Preto: do Núcleo Antônio Prado a atuação do GDU – Grupo de desenvolvimento Urbano. (Tese de Doutorado). Engenharia Urbana, Universidade de Federal de São Carlos, São Carlos.

Nogueira, P. S. (2013). Discussão do uso de certificados de recebíveis imobiliários como meio de funding para implantação de empreendimentos residenciais de loteamento: o estudo de caso de um loteamento protótipo. 2013. (Monografia). MBA em Real Estate, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Pecci, G. M. (2014). Interior de muros: expansão e formação de condomínios horizontais e loteamentos fechados em Ribeirão Preto. Trabalho de conclusão de curso (Pós-graduação Lato Censo em Gerente de Cidades). Fundação Armando Álvares Penteado. Ribeirão Preto.

Queiroz, P. M. (2016). Parceria imobiliária em loteamentos urbanos. (Dissertação de Mestrado) - Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, São Paulo.

Rangel, I., & Graziano da Silva, J. (2000). Questão agrária, industrialização e crise urbana no Brasil. Porto Alegre, Ed. UFRGS.

Ribeirão Preto. (2007). Lei n. 2.157, 31 jan 2007. Recuperado em 5, agosto de 2018, de https://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/J321/pesquisa.xhtml?lei=21377

Ribeirão Preto. (1995). Lei n. 501, 31 de out 1995. Dispõe sobre a instituição do Plano Diretor do Município de Ribeirão Preto e dá outras providências. Recuperado em 5, agosto de 2018, de http://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/J321/pesquisa.xhtml?lei=10528

Ribeirão Preto. (1983). Decreto n. 333, 28 dez 1983. Recuperado em 5, agosto de 2018, de http://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/J321/pesquisa.xhtml?lei=18902

Ribeirão Preto (2018). Secretaria de Planejamento e Gestão de Ribeirão Preto. Banco de dados.

Ribeirão Preto (2016). 2º Cartório de Registro de Imóveis de Ribeirão Preto – 2º CRI. Banco de dados.

Santoro, P. F. (2012). Planejar a expansão urbana: dilemas e perspectivas. (Tese de Doutorado) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Silva, A. C. B. (2008). Expansão urbana e formação dos territórios de pobreza em Ribeirão Preto: os bairros surgidos a partir do núcleo colonial Antônio Prado (1887). (Tese de Doutorado), Centro de Educação e Ciências Humanas da Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Sposito, M. E. B., & Goes, E. (2013). Espaços fechados e cidades: insegurança urbana e fragmentação socioespacial. 1ª Edição. São Paulo: Editora Unesp.

Tavares, M. C. (1999). Império, território e dinheiro. In: Fiori, J. L. (org.), Estados e moedas no desenvolvimento das nações. 1ª Edição. p. 449-489. Petrópolis: Vozes.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.