Concentração e desigualdade na Região Metropolitana de Curitiba

Jandir Ferrera de Lima, Bernardo Soares Bidarra

Resumo


Este artigo analisa a evolução da concentração e das desigualdades intrarregionais dos setores industrial e terciário na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), no período compreendido entre 2005 e 2015. A RMC surge, em 1973, como uma das primeiras regiões metropolitanas formalmente estabelecidas no Brasil. A RMC é umas das mais desenvolvidas do estado do Paraná, porém percebe-se que os municípios que a compõem apresentam uma profunda dependência da dinâmica econômica da cidade de Curitiba. Buscou-se responder nesse texto às seguintes perguntas: (1) se essa relação de subordinação entre os municípios da RMC tem se mantido ou diminuído; (2) se os municípios componentes da RMC têm sido capazes de agregar mais indústrias e atividades do setor terciário em seus territórios; (3) em qual patamar se encontram as relações econômicas intrarregionais na RMC. Os resultados mostraram a estabilidade na estrutura econômica da região. Os municípios de Curitiba, São José dos Pinhais e Colombo foram os três que apresentaram mais nível de desigualdade intrarregional em relação à RMC. Colombo, apesar de não ter figurado entre os municípios mais concentradores nos setores industrial e terciário, apresentou uma das maiores elevações percentuais de PIB per capita.


Palavras-chave


desenvolvimento regional, economia urbana, economia paranaense, polarização, região metropolitana.

Texto completo:

PDF

Referências


Alonso, W. (1975). Industrial Location and Regional Policy in Economic Development. In: Alonso, W., & Friedmann, J. (editors). Regional Policy: Readings in Theory and Applications. (p. 64-96) Massachusetts: MIT Press.

Alves, L.R. (2016). Região, Urbanização e Polarização. In: Eberhardt, P.H., Ferrera de Lima, J. & Piacenti, C.A. (orgs.). Economia & Desenvolvimento Regional. (p. 41-45) Foz do Iguaçu: Editora Parque Itaipu.

Benko, G. (1999). A ciência regional. Oeiras (Portugal):Celta.

Bizinela, A., & Furlanetti, G.I. (2011). O Anel de Integração do Paraná no contexto dos polos de crescimento e da economia local. In: Anais do X Seminário do Centro de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel. Cascavel (PR): UNIOESTE.

Brasil. (1967). Constituição da República Federativa do Brasil. Recuperado em 18 de fevereiro de 2018 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao67.htm.

Capello, R. (2008). Regional economics in its 1950s: recent theoretical directions and future challenges. The Annals of Regional Science, vol.42, nº04, p.747-767.

Christaller, W. (1966). Central Places in Southern Germany. Traduzido para inglês por Baskin, C.W. New York: Prentic-Hall.

COMEC (2017). Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba. Recuperado em 16 de junho de 2017 de http://www.comec.pr.gov.br/.

Deschamps, M.V., & Cintra, A. (2008). Movimento pendular para trabalho na região metropolitana de Curitiba: uma análise das características de quem sai e quem fica. Encontro da Associação Brasileira de Estudos Populacionais. Anais ABEP. Caxambu: ABEP

Ferrera de Lima, J. (2003). A concepção do espaço econômico polarizado. Interações: Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande, vol. 4, n. 7 p. 7 – 13.

Ferrera de Lima, J. (2016). Espaço e a difusão espacial do desenvolvimento econômico regional. Eberhardt, P.H., Ferrera de Lima, J., & Piacenti, C. Economia & Desenvolvimento Regional. (p. 15-40) Foz do Iguaçu: Editora Parque Itaipu.

Ferrera de Lima, J. (2010). La diffusion spatiale du développement économique regional. Sarrabruck: EUE

Ferrera de Lima, J.; Rippel, R. (2009). Polos de crescimento econômico: notas sobre o caso do Estado do Paraná. REDES, Santa Cruz do Sul, v. 14, n. 1, p. 136 – 149.

Furtado, C. (2009). Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto Editora Ltda.

Hirschmann, A.O. (1974). Estrategia del desarrollo económico. México: Fondo de Cultura Económica.

Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social – IPARDES. (2017). Base de dados estadual. Recuperado em 13 de junho de 2017 de http://www.ipardes.pr.gov.br.

Kon, A. (2002). A mensuração da desigualdade do desenvolvimento regional do Brasil. In: Kon, A. (org.). Unidade e fragmentação: a questão regional no brasil. (p.45-64) São Paulo: Perspectiva.

Krugman, P. (1991). Increasing returns and economic geography. Journal of Political Economy. no 99, p.483-499, 1991.

Lima, C.A. (2004). Região Metropolitana de Curitiba- desafio socioambientais e de gestão no rumo do desenvolvimento sustentável. Urbanistica. Roma, Instituto Nazionale di Urbanistica, nº 125, p.18-22.

Lopes, S.A. (1984). Desenvolvimento Regional: Problemática, Teoria, Modelos. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Moura, R., Castello Branco, M.L.G., & Firkowski, O.L.F. (2005). Movimento pendular e perspectivas de pesquisas em aglomerados urbanos. São Paulo em Perspectiva, São Paulo (SP) vol.19. nº 04.

Niehues, L. G. (2014). A Industrialização do Paraná: Abordagens de um processo de desenvolvimento concentrado. Geographia Opportuno Tempore, Londrina, v.1, número especial, p.454-466.

Pereira, S. M, Ferrera de Lima, J. (2008). Atratividade e polarização nas mesorregiões do Estado do Paraná. Ciências Sociais em Perspectiva, Cascavel (PR), vol.7, n.13, p. 89-103.

Perroux, F. (1975). A planificação e os polos de desenvolvimento. Edições RES: Porto, Portugal.

Perroux, F. (1982). Dialogue des monopoles et des nations : équilibre ou dynamique des unités actives? Grenoble : Presses Universitaires de Grenoble.

Prefeitura Municipal de Rio Negro. (2017). Informações municipais. Recuperado em 20 de junho de 2017 de http://rionegro.pr.gov.br/.

Silva, J. R. (1996). A teoria dos polos de desenvolvimento: uma discussão teórica dos polos de desenvolvimento do Paraná. (Monografia de graduação), UNIOESTE/Campus de Toledo.

Souza, N. J. (2005). Teoria dos polos, regiões Inteligentes e sistemas regionais de inovação. Análise Econômica, Porto Alegre, vol. 16, n. 1, p. 87-112.

Strassburg, U., Ferrera de Lima, J., & Marques de Oliveira, N. (2014). A Centralidade e o multiplicador do emprego: um estudo sobre a Região Metropolitana de Curitiba. Revista Brasileira de Gestão Urbana, Curitiba, vol.6. nº02.

Willianson, J. (1977). Desigualdade regional e o processo de desenvolvimento nacional: descrição de padrões. In: Schwartzman, J. Economia Regional. (p.50-63) Belo Horizonte, CEDEPLAR.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.