Transformações de interfaces térreas, uso e percepção de segurança em cidade litorânea

Fabiana Bugs Antocheviz, Caroline Ársego de Figueiredo, Antônio Tarcísio Reis

Resumo


Este artigo tem o objetivo de examinar os impactos das transformações nas interfaces térreas das edificações, resultantes da expansão urbana de cidade litorânea, no uso dos espaços abertos públicos e na percepção de segurança dos usuários quanto à ocorrência de crimes em tais espaços públicos e em unidades residenciais adjacentes. Nove quadras, divididas em três grupos conforme o predomínio das seguintes características, foram selecionadas na cidade de Capão da Canoa: edificações com térreos residenciais com portas e janelas voltadas para a rua; edificações com comércios e serviços nos pavimentos térreos; edificações com predominância de paredes cegas e portas de garagem nos pavimentos térreos. Os dados foram coletados por meio de contagens do movimento de pedestres e de veículos e da aplicação de questionários e entrevistas com pessoas que moram, trabalham ou veraneiam nas nove quadras selecionadas. Ainda, valores de integração de tais quadras foram obtidos por análise sintática do mapa de segmentos de Capão da Canoa. Os resultados indicam, por exemplo, mais movimento de pedestres e mais percepção de segurança nas quadras com mais conexões funcional e visual entre as interfaces térreas das edificações e os espaços abertos públicos, com predomínio de comércios e serviços nos pavimentos térreos.


Palavras-chave


interfaces térreas, uso do espaço aberto público, percepção de segurança, ocorrência de crimes, cidade litorânea

Texto completo:

PDF

Referências


Antocheviz, F. B., Arsego, C., Braga, A. da C., Reis, A. T. L., & Zampieri, F. (2017). Urban transformations in a coastal city and movement of people in public open spaces. In A. Gospodini (Ed.), Proceedings of the International Conference on Changing Cities III Spatial, Design, Landscape & Socio-economic Dimensions Under (Vol. 3, pp. 965–976). Syros-Delos-Mykonos Islands, Greece: University of Thessaly.

Atlas Brasil. (2013). Capão da Canoa – RS. Retrieved May 5, 2017, from http://atlasbrasil.org.br/2013/pt/perfil_m /capao-da-canoa_rs

Becker, D., & Reis, A. T. da L. (2004). O impacto das barreiras físicas de condomínios horizontais fechados no espaço urbano. In I Conferência Latino Americana de Construção Sustentável, X Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído. São Paulo: ANTAC.

Bentley, I., Alcock, A., Murrian, P., McGlynn, S., & Smith, G. (1985). Responsive environments: A manual for designer. Architectural Press.

Caldeira, T. P. do R. (2003). Cidade de muros. Crimes, segregação e cidadania em São Paulo (2a Edição). São Paulo: Editora 34.

Espínola, A. M. (2013). Transformações na Zona Costeira: um estudo das relações entre economia, turismo e urbanização. Porto Alegre: Tese (Doutorado em Planejamento Urbano e Regional) Faculdade de Arquitetura. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Gaete, C. M. (2016). 5 fatores que tornam os bairros caminháveis. Retrieved January 31, 2017, from http://www.archdaily.com.br/br/801403/5-fatores-que-tornam-os-bairros-caminhaveis

Gehl, J. (2009). La humanizacion del espacio urbano. Barcelona: Editorial Reverté S.A.

Gehl, J. (2010). Cities for People. Washington: Island Press.

Hillier, B., & Hanson, J. (1984). The Social Logic of Space. Cambridge University Press. https://doi.org/10.1017/CBO9780511597237

Hillier, B., & Sahbaz, O. (2005). High Resolution Analysis of Crime Patterns in Urban Street Networks: an initial statistical sketch from an ongoing study of a London borough. Proceedings of the 5th Space Syntax Symposium Delf, I, 451–478.

Hillier, B., & Vaughan, L. (2007). The city as one thing. Progress in Planning 67, 67(3), 205–230. https://doi.org/10.1016/j.progress.2007.03.001

Hillier, B., Yang, T., & Turner, A. (2012). Normalising least angle choice in Depthmap and it opens up new perspectives on the global and local analysis of city space. Journal of Space Syntax, 3(2), 155–193.

Holston, J. (1993). A cidade modernista. Uma crítica de Brasília e sua utopia. São Paulo: Companhia das Letras.

Jacobs, J. (2009). Morte e vida de grandes cidades (2a). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

Lay, M. C. D., & Reis, A. T. (2005). Análise quantitativa na área de estudos ambiente-comportamento. Revista Ambiente Construído, 5(2), 21–36.

Moraes, A. C. R. (1999). Contribuição para a gestão da zona costeira do Brasil: elementos para uma geografia do litoral brasileiro. São Paulo: Hucitec.

Reis, A. T., & Dittmar, C. (2009). An Analysis of Crime Occurrence, Security Perception and Aspects of Residential Areas. In edra 40 Proceedings (pp. 31–38). Kansas City.

Reis, A. T. (2014). Forma urbana tradicional e modernista: Uma reflexão sobre o uso e estética dos espaços urbanos. Arquisur Revista, (6), 70–87.

Reis, A. T., & Lay, M. C. (2006). Avaliação da Qualidade de Projetos – Uma Avaliação Perceptiva e Cognitiva. Ambiente Construído, 6(3), 21–34.

Rohmer, M. (2015). Incorporando prédios. In H. Karssenber, J. Laven, M. Glaser, & M. Hoff (Eds.), A cidade ao nível dos olhos – Lições para os plinths (2nd ed., pp. 106–110). Porto Alegre: ediPUCRS.

Santos, C., & Vogel, A. (1985). Quando a rua vira casa: a apropriação de espaços de uso coletivo em um centro de bairro. (C. N. F. dos Santos & A. Vogel, Eds.), São Paulo: Projeto. São Paulo: Projeto.

Siegel, S. (1975). Estatística não paramétrica para as ciências do comportamento. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil.

Vieira, L. B. (2002). Influência Do Espaço Construído Na Ocorrência De Crimes Em Conjuntos Habitacionais. Porto Alegre: Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano e Regional - PROPUR), Universidade Federal do Rio Grande do Sul.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.